Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

04
Fev19

O «bom dia» não é para todos!

O Informador

bom dia.jpg

A verdade da sociedade é esta... A sociabilidade quando é transmitida entre gerações não funciona num todo e muito menos consegue ser transversal. Existem empregos em que consegues perceber que a educação para o cumprimento diário não está mesmo presente numa sociedade cada vez mais individualista onde se pretende do outro o que não se dá.

Neste momento estou a trabalhar diretamente com o público, no contacto direto com o cliente final, e é tão visível perceberes que existem pessoas que ficam mesmo incomodadas por simplesmente e por um mero comportamento de educação social transmitires simples expressões como «bom dia», «boa tarde» ou «boa noite». A maioria dos clientes aceita e mostra a mesma postura para contribuir o cumprimento, no entanto existe pessoas, e não são assim tão poucas, que ouvem e não respondem ou que ouvem e fazem mesmo expressões faciais do como quem diz «não me chateies mas é».

Será que custa assim tanto entrarem num espaço e conseguirem seguir uma linha social correta? Não custa nada serem acessíveis e simpáticos. Podem estar num dia mau, todos temos o direito a tal, mas se tentarmos pelo menos ser sociáveis é sinal de que estamos num caminho para tentar dar a volta a essas mesmas horas que não estão a correr assim tão bem.

28
Jan19

Simpatia que enjoa

O Informador

sorrir.jpg

Gosto de chegar a um local e ser bem recebido, mas por vezes tudo o que é demais enjoa!

Trabalho na área comercial e acredito que ao longo de mais de uma década de experiência aprendi a deixar espaço para que quem chega como cliente se sinta com vontade de ficar, de questionar e pedir ajuda. Para isso não é necessário estar com um sorriso de orelha a orelha de forma constante, bastando dar as boas-vindas e deixando o cliente circular, existindo simpatia, mas não exagerando porque quando as coisas são forçadas acabam por ser notadas.

Odeio chegar a qualquer local e perceber que os funcionários me aparecem quase para atacar ou então que ao fundo estão com um enorme sorriso, falso por sinal, e prontos para falarem alto e bom som sobre o que necessitamos. Tenham calma pessoas que trabalham com o público, esperem que quem chegue se dirija até vocês, não se intrometam porque acabam por afugentar numa próxima visita os consumidores.

05
Jan19

Falemos de má vizinhança?

O Informador

vizinhança.jpg

Hoje apetece tocar no tema dos maus vizinhos que por vezes nos aparecem pela frente sem que tenhamos pedido tais acontecimentos. 

Vivo numa espécie de prédio onde partilhamos a escada para o primeiro andar com quem vive justamente na casa do lado. Foram anos a viver ao lado de uma senhora viúva que me viu crescer, mas com a sua morte a casa foi vendida e o seu novo proprietário resolveu alugar o espaço a uma família meio complicada. Pois é, além de não serem lá muito simpáticos, estas pessoas conseguem estar há mais de dois anos a viverem no prédio, a partilharem as escadas connosco e nem uma vez pensaram que deveriam limpar e lavar as escadas que frequentam. Coragem é mesmo ver que a sua entrada tem as marcas dos pés por ninguém lá passar vassoura e esfregona, sendo o resto das escadas limpas porque nós, pessoas normais, não gostamos de pisar lixo que sempre vai aparecendo pelos degraus. Será que estas pessoas não têm consciência que vivem em sociedade e que convém colaborarem nas limpezas coletivas? 

09
Dez18

Ler por ai

O Informador

ler por ai.jpg

Leitores de bancada só conseguem ler no sossego do lar porque não podem ouvir qualquer som incomodativo e que os leve a perderem a concentração. Um leitor habitual e que o faz por gosto além de o fazer no silêncio de sua casa consegue levar a sua leitura avante em qualquer local, até no meio da confusão de uma das avenidas mais movimentadas da nossa capital.

Comigo o silêncio é uma coisa rara. Se tivesse de procurar um local, mesmo em casa, em que nada ouvisse para poder ler estava desgraçado. Leio habitualmente em casa em qualquer divisão, geralmente com a televisão ligada e ainda com conversas paralelas a acontecer. Nem sempre um livro precisa de ser acompanhado pelo silêncio total, principalmente por leitores que estão super habituados a pegarem num livro e deixarem-se levar por umas quantas páginas em qualquer local, estejam em casa, no carro, jardim ou esplanada. 

Não existem locais ideias para ler. Uma pessoa que gosta de ter a companhia dos livros segue a sua leitura em qualquer sítio e quase que de forma inesperada. Parar o carro e enquanto a chuva não para abrir o livro nas páginas onde se ficou e continuar a leitura. Estar na pausa do trabalho e aproveitar para ler mais um pouco. A viagem monótona de comboio serve perfeitamente para ir lendo, não estando a olhar para o vazio da paisagem pela qual se passa. A espera por uma consulta não poderá servir também para se ler um pouco mais? E nos primeiros minutos do dia enquanto se toma o pequeno-almoço, não poderemos pegar na atual leitura para iniciarmos de outra forma um dia que poderá ser cansativo?

18
Nov18

Gritaria ao telemóvel

O Informador

telemóvel.jpg

Vamos lá fazer um pouco de raciocínio coletivo para ver se nos entendemos!

Quando uma pessoa está ao telemóvel, a falar na rua e se afasta de quem está por perto porque talvez esteja a ter uma conversa mais intima e secreta que não convém que seja ouvida por outros e depois, da outra ponta da rua, começa a falar alto a responder a quem está do outro lado da chamada o que acaba por significar?

Então se está a falar baixo com o seu interlocutor quando está acompanhada e depois vai gritar do outro lado da rua para que os acompanhantes ouçam a conversa, não acaba por fazer justamente o contrário da intenção demonstrada? É que se é para não se ouvir pode sair e continuar a falar baixo, não é sair e aumentar o volume da voz para que todos saibam o que se está a passar naquela conversa via telemóvel. 

19
Out18

Lixo social

O Informador

lixo reciclável.jpg

Momentos existem em que tenho a sensação de que não me encontro em pleno século XXI onde várias são as campanhas sobre reciclagem e cuidados para com o ambiente. 

Há uns dias, em plena condução dentro de uma localidade, a senhorita que circulava à minha frente decidiu abrir o vidro do seu automóvel e deixar voar duas folhas de guardanapo. A minha reação foi imediata e rapidamente buzinei, isto ao mesmo tempo que ouvi do passeio um senhor que passava a aclamar «sua porca». Sabem o que aconteceu a seguir? A bela senhorita porcalhota optou por colocar a mão de fora do carro, esconder quatro dos seus dedos e deixar o do meio, o mais comprido bem espetado. Não contente, parou o veículo e ainda protestou pelo que lhe tinham chamado, levando como resposta o que talvez não quisesse voltar a ouvir de um senhor com idade para ser seu pai. Comigo não reagiu mas o restante percurso na rua foi vagaroso, como se tivesse de castigo a circular atrás de uma porca preguiçosa que além de não ter bom senso consegue dar um exemplo tão ruim a duas crianças que a acompanhavam na viagem.

03
Out18

Não é esquecimento...

O Informador

iPhone X.jpg

Existem situações que podem acontecer por mero descuido. Existem outras que não são um simples descuido, sendo mesmo a crença que permanece em como tudo vai correr da melhor maneira.

Imaginemos uma reunião com mais de trinta pessoas, onde poucos se conhecem. O que deverá ser um dos primeiros procedimentos a ter antes de entrar na sala? Desligar o som do telemóvel! O que acontece já durante os esclarecimentos? Um telemóvel toca, mas não fica sozinho!

Entramos na sala e alguém se esqueceu de colocar o telemóvel no silêncio. Desculpável, o aparelho toca e é colocado nesse momento sem som. Quem está responsável pelo grupo pede para se verificar quem não tem o seu telemóvel no silêncio para o colocar. O que acontece uns minutos depois a alguém que por acaso, mas só mesmo por acaso, até verificou se estava tudo bem com o seu amigo tecnológico? O toque! Olhou para o ecrã no momento do pedido após a primeira interrupção para quê? É que não foi certamente para verificar o som, sendo mais para fazer que tinha visto o que afinal não viu. 

banner mrec exames nacionais e provas de aferição

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Pesquisar

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook