Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Banner billboard Saldos 2019
12
Ago18

Ai! Ai! Ai, os Músculos!

| O Informador

perna músculo.jpg

Há mais de um ano, para não dizer quase dois, que não faço exercício físico a sério, mas há uns dias resolvi fazer uma quase escalada no sobe e desce para ir para a praia e como se não bastasse ainda andei bem com a tralha às costas e corri um pouco ao final da tarde. No que isto resultou? Os músculos não se aguentaram e ficaram todos para lá de doridos. 

O rapaz não sabe ser meigo e no momento não dói nada, no outro dia de manhã ao acordar é que se apercebeu que tudo eram dores, das costas às pernas. Parecia mesmo um boneco articulado em certos momentos de vários dias consecutivos. Cremes atrás de cremes para aliviar a dor, massagens caseiras e ao contrário do que seria de esperar e até me aconselharam, não deixei que as dores me afetassem o dia-a-dia. Desci e subi várias vezes as escadas de casa para fazer a vida de forma normal, como se as malvadas dores nem existissem. Sei que as pessoas na rua podiam achar estranho um andar tão vagaroso e desengonçado, mas tinha que ser. Existiram mesmo momentos, numa ida ao IKEA em que me desequilibrei umas três vezes pelo choque da dor. E entrar e sair do carro? Lindo, só mesmo se tivessem filmado para vos mostrar, porém não vos quis dar tal prazer. 

16
Jul18

Novidades do Desempregado

| O Informador

centro de emprego.jpg

Há uns dias contei por aqui a minha espera no desemprego. Entretanto tenho novidades sobre este tema que parece estar complicado de ser resolvido. Vamos lá ver se foi desta!

Inscrição, semanas de espera, nada era indicado até que surgiu uma informação inesperada, após várias tentativas da minha parte para saber o que se passava, que tinha o processo bloqueado por existir uma mensagem no sistema da Segurança Social que indicava que possivelmente, atenção, possivelmente, segundo indicação via telefone de uma técnica, havia faltado a uma convocatória após já estar a trabalhar numa nova empresa. Voltei à Segurança Social pessoalmente e expliquei o que me havia sido dito no telefonema, escrevi uma carta explicativa em como nada me tinha chegado naquela altura para me deslocar onde quer que fosse. Uns dias depois, poucos, porque já estou cansado deste processo, liguei novamente para o número da Segurança Social - 300 502 502 - onde falei com duas outras técnicas que me transmitiram a informação para me dirigir à sede do centro de emprego da zona porque terá sido um erro informático feito na altura em que receberam informação da empresa em como me encontrava já a trabalhar. Ou seja, comecei a trabalhar e essa informação estava correta, só que uns dias depois colocaram também que o subsídio de desemprego tinha sido anulado por ter faltado a alguma coisa para a qual não fui convocado. Melhor explicado só posso dizer que foi falha de quem tratou do processo que preencheu informaticamente mal a opção em como já estava a trabalhar e a descontar, colocando a informação de que seria para anular e não para congelar o subsídio que quase não usei, uma vez que tinha direito a dezasseis meses e nem dois utilizei. Ou seja, não faltei porque não fui convocado como me havia sido transmitido inicialmente, levando assim a querer que os primeiros técnicos com quem falei pessoalmente e via telefone nem se preocuparam minimamente em perceber a razão daquele bloqueio que partiu de um erro deles.

12
Jul18

Em espera no desemprego

| O Informador

desemprego.jpg

Os mais atentos deverão saber que estou desempregado desde o início de Junho. Um ano após ter entrado em funções no meu segundo emprego fiquei no desemprego. De imediato recorri à segurança social para entrar no período de subsidio a que tenho direito, enquanto procuro algo novo. Uma vez que pelos dez anos de casa no emprego anterior tive direito a dezasseis meses e nem dois usei, agora posso voltar a ativar o período e valores em falta. Tudo parecia meio encaminhado, até que a mensagem no portal da segurança social não passava de Indeferido.

Mais de um mês depois comecei a fazer chamadas para o número da linha de apoio e as explicações eram de que tudo estava em espera ainda. Deixava passar mais uns dias e o mesmo testemunho era dado do outro lado. Enviei email a tentar saber alguma coisa e uma semana depois obtive resposta a esse mesmo email onde me deram a indicação que não tinha direito a subsídio porque, vim depois a saber por chamada telefónica, tinha faltado a uma convocatória da primeira vez, o ano passado, em que estive desempregado. O mais giro disto tudo é que nunca recebi qualquer documento via correios ou email para me apresentar onde quer que fosse e o período em que indicam de ter faltado encontra-se uma semana após ter voltado ao ativo na empresa onde estive um ano. Ou seja, saí do desemprego no dia um e ao dia cinco supostamente faltei a uma reunião da segurança social que nem tive conhecimento, a não ser agora que tentei rebuscar o período a que tenho direito. 

09
Jul18

Encontros indesejados

| O Informador

pessoa.jpg

Existem dias em que nem todos estamos para aturar certos cromos que nos aparecem pela frente. Estava num desses dias quando me apareceu pela frente uma antiga colega de trabalho daquelas que tanto fala para não dizer nada, que acaba por cansar só de saber que quando me vê ao longe já vem a pensar no tanto que tem para contar sobre a sua vida.

Foi uma situação deste género com que me deparei há uns dias. Tinha estacionado o carro para seguir a minha vida e eis que ainda no parque de estacionamento vejo de frente, ainda com alguma distância, a pessoa que desejava não ter encontrado naquele dia. Sei que de forma rápida o cérebro tentou que me escapasse para algum lado, mas o olhar foi fulcral e ao mesmo tempo que a vi também fui apanhado na ratoeira e tive de seguir em frente.

Naquele momento pensei que teria de ser simpático, dar um pouco, mas mesmo pouco, de conversa para não transmitir uma de mal educado e colocar a máscara de simpatia própria para o momento. Assim foi, lá segui o meu caminho, cumprimentamos-nos e fiquei uns bons vinte minutos a conversar, ou melhor, a ouvir um quase monólogo daqueles que têm direito a histórias do dia mas também a memórias do tempo de trabalho e de figuras que só ouvimos falar e nem sabemos quem são ao certo. 

19
Jun18

Negativismo diário

| O Informador

mau pensamento.jpg

Um dia que começa com o pensamento de que valho pouco ou nada nesta vida dificilmente consegue terminar com um raciocínio correto, uma vez que a disposição predefinida para as horas em que me encontro acordado não altera de ânimo leve.

Há dias e dias e quando acordo com os pés de fora, de mal com o Mundo e acima de tudo contra o ego que habita por aqui é o desastre total. Abrir os olhos após uma má noite de sono, pensar no que de mau sou, deixando para trás as coisas boas que sei que possuo e assim começa um dia que ao ser iniciado com pensamentos negativos por esse modo continua.

Sair de casa de mau humor, disfarçando porque não sou de deixar que os outros detetem assim tão facilmente o meu mau estado de espírito e ficar a remoer no quanto mau eu sou, talvez mesmo um espantalho, daqueles mal cheiroso que não valem um tusto e que deambulam por ai como quem não quer a coisa. Duvido que seja o único a ter maus dias onde tudo parece tão horrível na vida que a vontade é desaparecer, terminar com tudo e recomeçar algo novo, num outro ponto e longe de tudo o que conquistamos e temos ao nosso redor. A maldade interior é real e embora existam seres que se achem imaculados, quem não tem os seus podres e não tem dias de merda na sua história de vida?

18
Jun18

Sempre a Comer

| O Informador

comer.jpg

Certezas, certezas não tenho, mas quase que aposto que a maioria dos leitores que estão a ler estas palavras se vão identificar com a minha partilha enquanto esfomeado nos períodos em que passo mais horas seguidas em casa. 

Se andar a trabalhar e ocupado mentalmente durante várias das horas em que me encontro acordado as refeições são feitas de duas em duas horas, visto tentar manter sempre períodos mais ou menos exatos para comer alguma coisa, do pequeno-almoço ao segundo pequeno-almoço, o almoço, o lanche, o segundo lanche, passando pelo jantar e pela dita ceia, onde petisco sempre alguma coisa antes de me deitar com a finalidade de adormecer. Isto acontece em dias teoricamente normais, no entanto se estiver em casa mais tempo que o normal é o descalabro total. 

Imaginemos uma tarde inteira sem sair. Almoço, passada talvez uma hora vou ver o que posso tirar da despensa para matar o bicho. Passado mais um pouco abro o frigorífico e tiro uma fatia de fiambre. Um pouco depois lá resolvo lanchar, fazendo umas torradas e chá ou iogurte, mas como se não bastasse, eis que regresso em menos de nada para comer umas bolachas ou mesmo uma taça de flocos.

Sério, eu acredito que não serei caso isolado, mas uma pessoa que esteja mais parada em casa tem assim tanta necessidade de andar sempre com o pensamento em trincar alimentos que nos façam bem mas também gulosices que só servem mesmo para tirar a ideia que vai surgindo enquanto estamos a ver uma série, a ler ou escrever?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Não que seja a prática a recomendar obviamente o q...

  • Sofia

    A letra de médico no geral é ilegível! As empresas...

  • O Informador

    No campo profissional acho que sempre consegui man...

  • Sofia

    A nível pessoal tens o.pode de decisão de deixar a...

  • O Informador

    Quando não tenho empatia inicial na vida não tento...

Mensagens

Pesquisar