Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

15
Mai20

Sob Céus Vermelhos | Karoline Kan

Quetzal Editores

sob céus vermelhos capa.jpg

 

Título: Sob Céus Vermelhos

Título Original: Under Red Skies

Autor: Karoline Kan

Editora: Quetzal Editores

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2020

Páginas: 304

ISBN: 978-989-722-465-2

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Muito na linha de Cisnes Selvagens, de Jung Chang, mas tendo como objeto a China das novas gerações, este é um relato não ficcional e na primeira pessoa, com digressões para o passado (político e familiar) e a observação das múltiplas vertentes sociais e culturais da história moderna da China, em constante mudança. 

Karoline Kan está na vanguarda dessa mudança: nasceu em 1989, como segunda filha - ainda durante a vigência da Política do Filho Único - numa China rural. Chegou ao ensino superior e conquistou a autonomia económica sem ter de se casar e fazendo o trabalho que escolheu: escrever para revistas e jornais de prestígio internacional. As grandes referências de Karoline Kan são Jung Chang, Xinran e Xiaolu Guo - todas elas autoras publicadas pela Quetzal.

 

Opinião: Sob Céus Vermelhos é um retrato de uma jovem millennial perante a vida familiar das últimas gerações. Nascida na época do 04 de Junho, o massacre da Praça Tienanmen, e passando parte da sua infância em duas pequenas vilas até que conseguiu uma mudança para a cidade e posteriormente para Pequim, onde atingiu a sua liberdade com a entrada para a universidade. Num grande testemunho sobre a política e cultura chinesas ao longo de gerações, com todas as alterações comportamentais que se foram sucedendo. Nesta narrativa o leitor é convidado a fazer uma viagem real e intimista pela história familiar de Karoline Kan, o nome que Chaoqun adotou, enquanto viaja pelos costumes ocidentais.

Logo de início senti grande empatia com o modo como tudo é relatado. As várias questões que se foram levantando ao longo dos tempos são mencionadas nesta narrativa de forma crítica, como é o caso da política do filho único, perante a qual Chaoqun passou por ser a segunda filha do casal, para mais menina, tendo sido paga uma coima após o seu nascimento e sempre ser considerada como uma "criança negra", por não ser bem-vinda. Os abortos na segunda gravidez quando já existia um menino eram obrigatórios e tudo era vigiado através de um sistema de planeamento familiar. Com dois filhos, e sendo o mais novo uma menina, a família ficava mal vista perante a sociedade, ajudando na decisão deste núcleo a mudar-se da vila para a cidade com as perspetivas também de uma mudança económica. Chegados à cidade era considerados migrantes com vários pontos de marginalização, existindo uma grande discriminação na altura entre quem sempre viveu na cidade e quem surgia das aldeias na busca de novos lugares e empregos. 

Neste retrato social de décadas existe espaço para muitos outros temas, tal como a religião proibida porque a lei do governo é a base. A morte em que um dos pares falecendo ficar em cinzas em espera que o seu cônjuge parta para voltarem a estar juntos. O envio de dinheiro como forma de ajuda entre familiares, mesmo que distantes para a ajuda das cerimónias fúnebres. Estes são alguns dos destaques deste livro de outros tempos. Já no presente o interesse continua pelo mesmo patamar por existir o debate entre a internacionalização, os empregos, a língua e os relacionamentos intercontinentais e também geracionais. 

09
Abr20

O Último Oráculo | James Rollins

Bertrand Editora

916A88C8-8805-4A23-ADDB-7CDC65D62981.JPG

 

Título: O Último Oráculo

Título Original: The Last Oracle

Autor: James Rollins

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2020

Páginas: 496

ISBN: 978-972-25-2978-5

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Em Washington, D.C., um sem-abrigo morre nos braços do comandante Gray Pierce, atingido pela bala de um assassino. Mas a morte deixa para trás um mistério ainda maior: uma moeda ensanguentada uma relíquia antiga relacionada com o oráculo grego de Delfos. Enquanto perseguidores implacáveis procuram o artefacto roubado, Gray Pierce descobre que a moeda é a chave para desvendar uma conspiração que remonta à Guerra Fria e ameaça os próprios alicerces da Humanidade.

Desde os templos da Grécia Antiga aos mausoléus mais deslumbrantes, dos bairros pobres da Índia às ruínas radioativas da Rússia, dois homens têm de correr contra o tempo para resolver o mistério que remonta ao primeiro grande oráculo da História o oráculo grego de Delfos.

Mas uma questão permanece: Será o passado suficiente para salvar o futuro? Mestre na arte de combinar a intriga histórica e religiosa com as aventuras mais alucinantes, James Rollins traz de volta a Força Sigma para lutar contra um grupo de cientistas sem escrúpulos que lançaram um projeto de bioengenharia capaz de conduzir a Humanidade à sua extinção.

 

Opinião: O Último Oráculo fez-me companhia de forma tão severa que só quando me fui aproximando do final é que consegui entender a maioria dos meandros de tudo o que foi acontecendo ao longo do desenrolar da narrativa, mas já não deu tempo para a mudança de opinião.

Desenrolando-se num ciclo distribuido por vários locais e com personagens ocas, sem importância e bastante desorientadas durante grande parte do que é contado. As pistas surgem para se seguirem objetivos mas todos parecem vaguear numa tentativa nula e destrutiva de encher páginas sem nada conseguir ser acrescentado ao essencial de um thriller que une radiação nuclear e autismo como pontos fortes mas onde não existe um fio condutor plausível e com capacidade para fazer o leitor seguir em frente porque em tudo faltam explicações e apresentações sobre o quem é quem numa história que pretende elaborar demais mas onde o essencial é esquicido. 

26
Mar20

Laranja de Sangue | Harriet Tyce

Topseller

laranja de sangue.jpg

 

 

Título: Laranja de Sangue

Título Original: Blood Orange

Autor: Harriet Tyce

Editora: TopSeller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2020

Páginas: 320

ISBN: 978-989-668-759-5

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: «Só mais uma noite. Depois acabo com isto.»

A vida de Alison parece perfeita. Tem um marido dedicado, uma filha adorável, uma carreira em ascensão como advogada e acaba de lhe ser atribuído o primeiro caso de homicídio. Só que Alison bebe. Demasiado. E tem vindo a negligenciar a família. Além de que esconde um caso amoroso quase obsessivo com um colega que gosta de ultrapassar os limites.

«Eu fi-lo. Matei-o. Devia estar presa.»

A cliente de Alison não nega ter esfaqueado o marido e quer declarar-se culpada. No entanto, há algo na sua história que não parece fazer sentido. Salvar esta mulher pode ser o primeiro passo para Alison se salvar a si própria.

«Estou de olho em ti. Sei o que andas a fazer.»

Mas alguém conhece os segredos de Alison. Alguém quer fazê-la pagar pelo que fez. E não irá parar até ela perder tudo o que tem.

 

Opinião: Alison é a personagem central de Laranja de Sangue, um thriller contado na primeira pessoa e de forma diferente do habitual, uma vez que a situação de crime acaba por não ser o foco central da narrativa que destaca em grande parte a forma de estar na vida desta advogada. 

Sendo o leitor convidado a entrar na vida de Alison para conhecer todos os seus dramas pessoais, instabilidades, confidências e receios, de início poderá mesmo este ser um ponto que poderá afastar quem não quer conhecer os dramas de uma mulher amargurada, desequilibrada e com comportamentos autodestrutivos que se deixa levar pelo álcool em vários momentos do seu dia-a-dia, deixando família para trás e desafios profissionais inacabados. No entanto o tempo é amigo da perfeição e é assim que a aparente fraqueza de Alison conquista quem está deste lado.

Num thriller mostrado de forma diferente, envolvente e convincente com um final esperado mas ao mesmo tempo elaborado de modo a surpreender pela forma como tudo acontece, Laranja de Sangue é de leitura rápida e que prende para se querer, mesmo com todo o melodrama de Alison, chegar a uma conclusão para se entender cada significado plausível para os comportamentos tidos ao longo dos últimos tempos por esta mulher deslocada e sem capacidade para encontrar o seu novo caminho. 

28
Jan20

Uma Vida Perfeita | Danielle Steel

Bertrand Editora

uma vida perfeita capa.jpg

 

Título: Uma Vida Perfeita

Título Original: A Perfect Life

Autor: Danielle Steel

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2019

Páginas: 296

ISBN: 978-972-25-3595-3

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Aos 47 anos, Blaise McCarthy é uma brilhante jornalista televisiva que parece ter tudo: beleza, inteligência e coragem. Mas, por trás desta imagem triunfante, há outras coisas que guarda consigo… Do seu segundo casamento, teve uma filha, Salima, que ficou cega por causa da diabetes. Esta vive durante todo o ano numa instituição especializada, o que permite a Blaise concentrar-se na sua carreira. Porém, um imprevisto determina que Salima tenha de voltar para casa da mãe. Os mundos, pessoal e profissional, de Blaise colidem e os seus segredos mais bem guardados ficam expostos. De repente, a sua vida deixa de ser perfeita e torna-se real. Mãe e filha juntas serão capazes de enfrentar um mundo que não conseguem controlar?

 

Opinião: Várias foram as obras de Danielle Steel lidas ao longo dos últimos anos e geralmente com uma boa avaliação pelas histórias elaboradas, mesmo que a base seja muitas vezes o romance entre duas pessoas teoricamente de mundos distantes e com ideias futuras também diferentes. Desta vez a fórmula não funcionou como na maioria dos casos e Uma Vida Perfeita acaba por ter um enredo cansativo, repetitivo e bastante previsível desde o primeiro momento. 

Uma mulher com uma vida estável e corrida, a viver sozinha e com uma filha a viver num colégio para ter apoio devido a uma cegueira que surgiu com os diabetes, o leitor é convidado assim a conhecer de forma rápida o ponto de partida da vida de Blaise e do que a rodeia. Uma jornalista e apresentadora de sucesso de um canal televisivo, com estabilidade mas que logo me desilude pelo facto de deixar a filha num colégio pela doença. Afinal de contas o que interessa a Blaise, a família ou a carreira? Um ponto negativo que é raro acontecer nos romances de Steel que costumam estar muito corretos nestes pontos onde a família é o mais importante e que neste caso mostra uma profissional de sucesso que só se preocupa com as aparências e audiências a desfavor de uma filha doente e que não sente o apoio e presença da própria mãe. 

A história desenvolve-se e de início percebe-se a alteração, uma vez que de um momento para o outro Blaise terá de receber a filha em casa por uns meses devido a um incidente no colégio. Com Salima para cuidar e sem tempo, surge um educador para a ajudar e a partir daqui e de forma bastante óbvia, nem preciso contar o que vai acontecer em menos de trezentas páginas.

 

07
Jan20

A Irmandade - Ameaça Global | Pedro F. Ribeiro

Editora Gato-Bravo

a irmandade capa.jpg

 

Título: A Irmandade - Ameaça Global

Autor: Pedro F. Ribeiro

Editora: Editora Gato-Bravo

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2019

Páginas: 240

ISBN: 978-989-8938-43-5

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: No livro A Irmandade – Ameaça Global, a aventura policial criada pelo escritor Pedro F. Ribeiro, acompanhamos a história do pequeno Lucas que, aos doze anos, sofre uma tragédia em família. Todos são mortos e ele é o único sobrevivente. Quem o acolhe é Hércules, que o leva para ser treinado e para crescer dentro do rigor militar de uma força clandestina, a Irmandade. A equipa compunha-se de Hércules, Prometeus, Atlas e o seu mais recente integrante, Lucas. Todos eles eram igualmente marcados pela violência e buscavam fazer justiça com as próprias mãos. Acompanhado, em maior parte, pelo seu mentor, Lucas lutará contra as suas emoções e a sua natureza, enquanto lida com as ameaças, neste romance de sangue, suor e lágrimas.

 

Opinião: Pedro F. Ribeiro estreia-se na literatura com este seu A Irmandade - Ameaça Global e desde já posso dizer que logo pelos primeiros e curtos capítulos, fiquei convencido com a história que me estava a ser contada sobre Lucas, ou melhor dizendo, Espectro. 

Com um início bem explicativo e onde é dado a conhecer Lucas em ambiente familiar para que fique a solo no Mundo, sem mãe e irmão. Com a morte de ambos, a criança é levada por Hércules, um completo desconhecido que o recolhe para um ponto distante onde lhe dá a conhecer outros dois jovens, Atlas e Prometeus. A partir daqui, Lucas entra na Irmandade onde a grande aventura começa com treinos, sanções, aprendizagens, dedicação e um só intuito, a defesa. 

Iniciando de forma calma e explicativa, este romance funciona na perfeição, dando a conhecer o essencial sem cansar para que a ação entre na rapidez necessária que prende o leitor por conseguir cativar pelas personagens bem construídas e apresentadas, sejam elas as que estão do lado do bem e as que parecem de tudo fazer para não deixarem saudades, mesmo com o impulso que transmitem ao desenrolar da história.