Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Banner billboard Saldos 2019
09
Abr18

Crucifixo público

| O Informador

crucifixo.jpg

Os católicos que me perdoem, se assim o entenderem, mas há uns dias a memória trouxe a imagem do crucifixo presente em plena sala de aula, em cima do quadro, que há época ainda era para ser usado com giz. A religião, com imagens obrigatórias para serem traduzidas muito pelo catolicismo. Em criança, miúdo de primária, confesso que aquela cruz já me fazia alguma espécie, e hoje, olhando para trás e sabendo que existem muitos lugares onde a presença do crucifixo ainda é notória no interior das salas de aulas, impondo o que não tem de ser imposto, mostrando falta de coragem para cortar com um poder de outras décadas. 

Tenho uma relação a meio gás com a religião e defendo que nada nesse sentido tem de ser feito como uma obrigação. O que acontecia há umas décadas atrás era quase a permanente pressão para se perceber que a imagem da cruz era importante no crescimento e desenvolvimento de qualquer um. Tenho noção que enquanto aluno de primária não fui pressionado verbalmente por qualquer professor para seguir determinados caminhos dentro da religião, mas a presença daquela imagem, feita em madeira, existia, como uma nuvem que pairava sobre as nossas cabeças. Talvez quem tivesse uma família mais religiosa sentisse uma certa proteção quando olhava para o cimo da parede, o que não acontecia comigo, que ainda hoje sou meio cético em relação à imposição em certos locais públicos de elementos religiosos, não se respeitando o espaço de cada um, que não tem de seguir obrigatoriamente o caminho da maioria e a vontade de um poder que passa para além da política pela sua influência social. 

Nos espaços modernos e renovados de ensino o crucifixo caiu em desuso, no entanto em meios mais pequenos, onde as escolas pouco mudaram ainda, a antiga tradição, imposta em tempos, continua a persistir, como se fosse uma obrigação entrar na sala de aula e rezar diariamente. 

02
Abr18

Greves e más condições prisionais

| O Informador

estabelimento prisional de lisboa.png

O Estabelecimento Prisional de Lisboa continua envolto em polémica com as greves policiais e com as supostas más condições de funcionamento.

Os familiares dos detidos vão mais longe e revelam que o local está empestado de ratos e baratas, tanto nas celas como nas zonas comuns, incluindo as salas de visitas. Quem fala perante a imprensa revela também o desagrado sobre a comida fornecida e a forma de tratamento e tempos entre as refeições.

Más condições, mau ambiente, números de visitas semanais reduzido e com atrasos, dificuldades de controlo perante o número de detidos acima do possível no EPL e o descontentamento de quem controla o local a mostrarem que tudo está mal num sítio onde a calma sempre se torna difícil mas com o descontrolo total o risco acaba por se tornar maior ainda. 

24
Fev18

Campanha para a prevenção de incêndios

| O Informador

Folheto.jpg

Num comunicado que está a ser enviado a todos nós, cidadãos com residência em Portugal e com os dados corretos no sistema estatal, o Ministério da Admininstração Interna e o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural alertam para a importância da limpeza dos terrenos e árvores na prevenção de incêndios. 

Como vale mais citar do que refazer o texto, segue a comunicação que está a ser enviada por vários meios:

Comunicação do Ministério da Administração Interna e do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

Antes que seja tarde, antes que o atinja a si, limpe o mato 50 metros à volta da sua casa e 100 metros nos terrenos à volta da aldeia.

Até 15 de março é obrigatório e vital.

É obrigatório:

  • Limpar o mato e cortar árvores:
  • 50 Metros à volta das casas, armazéns, oficinas, fábricas ou estaleiros;
  • 100 Metros nos terrenos à volta das aldeias, parques de campismo, parques industriais, plataformas de logística e aterros sanitários;
  • Limpar as copas das árvores 4 metros acima do solo e mantê-las afastadas pelo menos 4 metros umas das outras
  • Cortar todas as árvores e arbustos a menos de 5 metros das casas e impedir que os ramos cresçam sobre o telhado;

Se não o fizer até 15 de março, pode ser sujeito a processo de contraordenação. As coimas podem variar entre 140 a 5 mil euros, no caso de pessoa singular, e de 1500 a 60 mil euros, no caso de pessoas coletivas.

E este ano são a dobrar.

Até 31 de maio, as Câmaras Municipais podem substituir-se aos proprietários na limpeza do mato. Os proprietários são obrigados a permitir o acesso aos seus terrenos e a ressarcir a Câmara do valor gasto na limpeza.

É Importante:

  • Mantenha-se informado do risco de incêndio na sua área de residência
  • Verifique se o sistema de rega e mangueiras funcionam
  • Limpe telhados e coloque rede de retenção de fagulhas na chaminé
  • Mantenha afastados da casa e edificações:
  • Sobrantes da exploração agrícola ou florestal
  • Pilhas de lenha
  • Botijas de gás ou outras substâncias explosivas

É vital:

A vida da sua família e a segurança dos seus bens dependem do seu gesto.

Para mais informações ligue 808 200 520

Portugal sem fogos está nas mãos de todos.

Esta informação, não dispensa a consulta do DL n.º 124/2006, de 28 de Junho, na sua redação atual.

Com os melhores cumprimentos

Manuel Gonçalves Cecilio

Subdiretor Geral

Área do Planeamento, Organização e Comunicação

02
Fev18

Ministério Público arquiva Centeno

| O Informador

mário centeno luís filipe vieira.jpg

O Ministério Público andou a rondar Mário Centeno pelos últimos dias devido aos bilhetes oferecidos para ir ver um jogo do Benfica em troca da isenção de IMI do filho de Luís Filipe Vieira, presidente do clube da Luz, só que os dias passaram e agora arquivam o processo. 

O que me chateia neste caso é o facto de não terem dado explicações a todos nós sobre esta investigação. Se andaram a rondar e com suspeitas é porque existiam indícios e agora, do pé para a mão terminam tudo, como se o assunto nem tivesse existido e sido comentado em praça pública. 

Com Luís Filipe Vieira na Operação Lex, o Ministério Público deixa assim passar um caso que podia vir a queimar em Portugal e na Europa o Ministro sorridente e com ar de que tudo faz pela calada. Mais um caso político de possível corrupção onde se fala e nada é verdadeiramente investigado.

Afinal de contas o que aconteceu ao IMI do filho de Vieira para ter ficado esquecido logo na semana em que os bilhetes foram atribuídos? Existiu tramoia para ser tudo abafado ou afinal não passou tudo de um mal entendido e nem existia perdão ao dito valor do IMI?

Nada contra a oferta por parte do Benfica de bilhetes a quem quer que seja, o que me deixa com a pulga atrás da orelha é mesmo a conta que havia, supostamente, para pagar às Finanças e que talvez tenha desaparecido, caso tenha existido. Alguém um dia me conseguirá explicar o que aconteceu então no meio de toda esta situação que estava a começar e quando demos conta já foi?

01
Fev18

«Ela que use roupa decente»

| O Informador

assédio sexual.jpg

Andava a vaguear pelas redes sociais quando me fixei numa partilha da Joana Azevedo, uma das principais animadoras das tardes da Rádio Comercial, onde se podia ler o que se segue. «A Catarina Furtado disse, a certa altura no nosso podcast, que também tinha sido assediada em contexto profissional. Comentário de ouro lá no FB, de uma mulher: “ela que use roupa decente”. Bem-vindos a Portugal.».

É sobre esta partilha que me apetece falar! O comentário que uma mulher faz sobre o modo de estar de outra reflete a realidade aos olhos de muitas mentes pequenas e retrogadas. Em pleno século XXI pergunto-me como é que as pessoas ainda conseguem afirmar que as mulheres é que têm de se recatar através do seu modo de vestir e de estar na vida para que não provoquem comportamentos menos próprios no sexo masculino? Será possível existirem mulheres que ainda culpam outras que se gostam de arranjar e de serem assim as responsáveis por sofrerem de assédio sexual? Este tipo de pensamento já devia estar tão nos anos 70 que hoje parece algo pré-histórico. O que se entende é que para muitas falsas puritanas uma mulher bonita, com o corpo definido e que chame a atenção de qualquer pessoa tem de se disfarçar de ogre para que os homens não olhem sequer. Parece-me que as pensadoras de outros tempos continuam a achar que a culpa nesta problemática está sempre do lado feminino e não nos senhores babados que não respeitam quem está do outro lado. 

Ou seja, as mulheres têm de se voltar a meter em casa, de pano na mão e esfregona na outra, com as janelas fechadas e as saídas minimas à rua onde os trajes têm de conter uma saia a limpar o chão, camisolas de gola alta, lenço a esconder o cabelo, nada de maquilhagem na cara e perfumes bem longe. Certas mulheres perante outras mulheres que se destacam tendem em afirmar que o assédio e os comentários menos bons por parte dos homens para com esses alvos só acontecem exclusivamente por culpa dessas senhoras que pelos vistos não vestem roupas decentes e ainda se pintam para provocarem a ala masculina da sociedade. 

23
Jan18

Crítica entre Mulheres

| O Informador

inveja.jpg

Os Homens podem ter muitos defeitos mas a trabalhar em equipa conseguem ser mais pacientes e bem menos críticos entre si que as Mulheres. Por vezes dou por mim a reparar que até um melhoramento para o trabalho entre todos correr bem, mas que seja dado por outra Mulher, das mais recentes na empresa e que dado as suas funções tem tentado alterar vários pontos de funcionamento, consegue gerar falatório durante horas porque a ideia partiu de outra, aquela que chegou e quer assumir a sua posição, fazendo alguma comichão a quem está há anos e pouco fez para a mudança acontecer. 

Será possível as Mulheres conseguirem não perceber quando existem ideias e alterações que podem vir a facilitar futuramente o trabalho, mesmo que estas soluções sejam dadas por outra? As pessoas têm as suas funções e cada um tem a sua forma de pensar, se cada qual se organizar por si e os melhoramentos se completarem tanto melhor, mas criticar quem tenta mudar as coisas que estão mal quando durante anos não o tentaram sequer fazer é daqueles apontamentos sociais que me parecem ser mais dor de cotovelo que outra coisa. 

O que levará o suscitar de criticas automáticas assim que se percebem determinados comportamentos do outro lado quando se identifica claramente que o problema está exatamente em não se querer mudar porque existe receio da evolução e que os outros, aqueles que conseguem mexer nos dados e arrancar os melhores pontos sejam capazes de agarrar as pontas que alguns têm assumido ao longo do tempo por não existir quem o faça com capacidade.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Sofia

    Oh, Ricardo! Bem. sempre fica mais barato que o Vi...

  • Sofia

    Ou seja, o normal! O pico da gripe vai chegar nas ...

  • O Informador

    Costumo ficar com gripe uma ou duas vezes por ano.

  • Sofia

    Costumas adoecer facilmente?

  • O Informador

    Tenho a confessar que nem sei como me tenho aguent...

Mensagens

Pesquisar