Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

13
Jul18

Hippie | Paulo Coelho

O Informador

hippie paulo coelho.png

Título: Hippie

Autor: Paulo Coelho

Editora: Pergaminho

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2018

Páginas: 224

ISBN: 978-989-687-505-3

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Paulo é um jovem que quer ser escritor. Deixa crescer o cabelo e parte numa viagem pelo mundo em busca da liberdade e do significado mais profundo da existência. Uma jornada que vai desde a prisão como terrorista pela ditadura militar brasileira, em 1970, enquanto viaja pela América do Sul, até ao encontro com Karla, em Amesterdão, e a decisão de partirem juntos para o Nepal no Magic Bus. No caminho, os companheiros que vivem uma extraordinária história de amor também passam por transformações profundas e abraçam novos valores para as suas vidas.

O mais autobiográfico dos livros de Paulo Coelho, que nos leva a reviver o sonho transformador e pacifista da geração hippie.

 

Opinião: Olhar para as obras de Paulo Coelho e refletir sobre a verdade das suas partilhas foi uma constante nas leituras que fiz do autor. Agora surgiu Hippie e vi uma realidade, talvez transformada para criar um outro impacto, sobre uma fase da vida de um autor que vive o dia sem receio do que está para vir. Aprender, conhecer e experimentar sob o lema da liberdade individual.

Numa narrativa com protagonistas reais, embora com nomes trocados, em Hippie o leitor é levado a partir numa viagem com o autor entre um grupo de desconhecidos com histórias para serem contadas enquanto o percurso segue e lembranças do passado se vão juntando às curiosidades do momento onde nada fica por dizer e fazer. Do sexo às drogas, das reflexões às dúvidas existenciais, o trajeto vai sendo feito entre zonas onde a ditadura impera com perseguições, medos e represálias, sem que nunca os viajantes sem medo deixarem de fazer o que pretendem, já que o seu lema é viver, aprendendo com o que os rodeia e sem deixarem nada por fazer. Em Hippie partimos da América do Sul até ao Nepal num autocarro onde diversas visões se juntam para que por vários dias vivam de forma despreocupada e de auto-conhecimento.

01
Jul18

Ganha | Alice no País das Sapatilhas | Manuscrito

O Informador

alice no país das sapatilhas.jpg

Alice, 15 anos, é a miúda mais popular do colégio. Namora com o Mister Giraço do 12º ano e o seu blogue, «Alice no País das Sapatilhas», soma visitantes e seguidores. Likelikelike! O seu sonho de vida é ser uma Fashion Blogger, sempre atenta às últimas tendências.

Mas, a um mês de fazer 16 anos, o feed da sua vida muda radicalmente quando os pais decidem ir viver para Rolhas, uma pequena e remota aldeia de Trás-os-Montes onde nem sequer há Internet. What? OMG! Vários emojis de espanto!

Susana Tavares poderá ser um nome estranho para muitos, mas não para todos. Conhecida no mundo da ficção nacional onde trabalhou entre as principais produtoras televisivas, nas equipas de guiões de novelas e séries de ficção, como é o caso de Floribella, Rebelde Way e Massa Fresca, a autora, licenciada em jornalismo, também elaborou a história do filme Beat Girl. Mais recentemente o caminho da literatura entrou na sua vida através dos livros inspirados na série Massa Fresca. A partir daí o gosto ficou e agora surge Alice no País das Sapatilhas, um romance destinado ao público adolescente mas que todos podem ler. Podem saber um pouco mais sobre esta história lançada pela editora Manuscrito em www.facebook.com/alicenopaisdassapatilhas e no blog https://nopaisdassapatilhas.blogspot.pt.

Para ti, que estás desse lado, tens aqui a oportunidade de ganhar um exemplar de Alice no País das Sapatilhas. Esta hipótese irá estar disponível até às 19h00 de dia 08 de Julho, Domingo, e nesse mesmo dia será revelado o nome vencedor nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. O premiado será contactado via email com a notícia sobre o prémio. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem...

06
Jun18

Os Humanos | Matt Haig

O Informador

os humanos.jpg

Autor: Matt Haig

Título original: Humans

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2018

Páginas: 320

ISBN: 978-989-8869-82-1

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: E se a terra fosse o planeta mais absurdo do universo?

O professor Andrew Martin, génio matemático, acaba de descobrir a chave para os maiores mistérios do Universo. Ninguém sabe do salto que isto representará para a Humanidade... exceto seres evoluídos de outro planeta.

Determinados a impedir que esta revelação caia nas mãos de uma espécie tão primitiva quanto os humanos, estes seres enviam um emissário para destruir as provas. E é assim que um alien intruso, completamente alheio aos costumes, chega à Terra. Rapidamente, ele descobre que os humanos são horrendos e têm hábitos ridículos - comida dentro de embalagens, corpos dentro de roupas e indiferença por trás de sorrisos... Esta espécie não faz sentido!

Durante a sua missão, sob a pele e identidade de Andrew Martin, este alien sente-se perdido e odeia todos os terráqueos. Exceto, talvez, Newton, um cão. Contudo, quanto mais se envolve com os que o rodeiam mais fica a perceber de amor, perda, família; e de repente está contagiado: será que afinal há qualquer coisa de extraordinário na imperfeição humana?

 

Opinião: Os Humanos consideram os possíveis seres de outros planetas como algo estranho, a ser descoberto, mas antes disso são rotulados como extraterrestre ou aliens. Agora vamos imaginar o contrário, onde um ser de outro planeta chega à Terra e começa a apontar o dedo a todos os atos, movimentos e comportamentos estranhos que cada individuo pratica.

Isto acontece de forma bem contada em Os Humanos, onde um ser de outro planeta chega à terra para substituir o professor de matemática Andrew Martin que estando perto de revelar um segredo que pode alterar o futuro da humanidade, é retirado de cena e substituído por um ser vindo do espaço que nada conhece e pouco, numa fase inicial, compreende. Começando por enfrentar as maneiras e costumes dos terráqueos, o ser no corpo do professor é como um critico social, para mais quando surge de um local muito mais avançado que o nosso planeta. O nosso? Perdão, o planeta deles, dos humanos, já que enquanto leitores deste livro somos todos extraterrestes e estamos a conhecer a Terra.

Enviado para uma missão secreta e incumbido de a levar até ao fim, este Vonadoriano, que vem do planeta Vonadoria, tem como função eliminar provas e quem possa saber um pouco sobre a revelação que o professor Andrew terá feito acerca dos números ímpares. Só que lidando com os humanos será que este Vonadoriano consegue não criar laços com a sua nova família e elementos mais próximos do dia-a-dia?

Os Humanos é daqueles livros que nos coloca literalmente ao contrário, deixando-nos a pensar sobre determinados temas cuja opinião pessoal é banal e que por vezes se formos a simplificar tudo seria diferente. E se pensarmos no futuro, será que andaremos na rua vestidos como agora? E a comida é um bem essencial para a sobrevivência? Ver televisão ou jogar consola é um modo de entretenimento que serve mesmo para quê? A critica gratuita à forma como habitamos o planeta e o modo de interação pessoal são pontos de interesse desta história que nos leva a acompanhar a vida do novo Andrew que aos poucos aprende a conviver como um humano, ultrapassando o choque inicial com a sua chegada até por se dar conta que aos poucos os seus próprios comportamentos são feitos consoante a normalidade dos seres que estavam destinados a abater para salvaguardar um segredo que tinha de ficar esquecido para sempre. Aos poucos este ser nulo começa a nutrir sentimentos, vontades e com as suas atitudes conquista o que não tinha no seu vazio inicial. 

Após uma descoberta autêntica estaremos prontos para regressar de onde viemos ou optaremos por continuar num planeta onde tudo era mau quando surgiu? Este livro é mais do que a sua história, dando uma lição sobre os julgamentos que todos fazemos sobre determinadas comunidades e locais sem nos darmos ao trabalho de conhecer um pouco melhor cada espaço e pessoa antes de formarmos uma opinião sobre o que está perante o nosso olhar critico. O novo Andrew enfrentou o desconhecido com um objetivo e alterando a sua forma de ver e sentir cada momento mostra que também nós podemos retificar cada erro de pensamento sobre o que num primeiro impacto nada nos diz e provoca. 

25
Mai18

Feira do Livro de Lisboa | Clube do Autor

O Informador

88ª Feira do Livro de Lisboa arranca hoje, 25 de Maio, e a editora Clube do Autor presenteia os leitores e visitantes do certame através da presença de um dos seus autores nacionais mais conhecidos. Miguel Sousa Tavares estará hoje mesmo, pelas 19h00, no espaço da editora a autografar o seu novo livro, Cebola Crua com Sal e Broa. 

Esta será a primeira presença no espaço do Clube do Autor na Feira do Livro deste ano, mas outros convidados estão já agendados, deixando-vos algumas das novidades pelos próximos dias. 

24
Mai18

Feira do Livro de Lisboa | Guerra & Paz

O Informador

feira do livro de lisboa guerra e paz.jpg

A editora Guerra & Paz estará presente, como habitualmente, na Feira do Livro de Lisboa, que se realiza de 25 de Maio a 13 de Junho, e este ano o espaço da editora contará com vários dos seus autores de destaque, que estarão em sessão de autográfos e em contacto com os leitores que visitarem o certame. 

Luís Gaivão será o primeiro a marcar presença no espaço da editora, onde dia 26, Sábado, pelas 17h00, estará disponível para autografar o seu livro História de Portugal em Disparates. Já no Domingo, 27, a partir das 15h00 serão Manuel S. Fonseca, Sedrick de Carvalho, Leonor Figueiredo e João Céu Silva a falarem e autografarem o livro Angola, Presente e Futuro. No segundo fim-de-semana estarão Luís Pedro Cabral com o livro A Cidade dos Aflitos no Sábado, pelas 15h00 e no mesmo horário de Domingo estarão no espaço Manuel S. Fonseca, Ana Almeida, Elizabete Agostinho, Raquel Palermo e João Miguel Matos com as coleções juvenis Os Livros Estão Loucos e Caderno de Memórias de Dificil Acesso. No mesmo dia, Domingo, 3, Jorge Rio Cardoso, espera pelos seus leitores com os livros Este Ano Vais Ser o Melhor Aluno «Bora Lá?» e O Professor do Futuro. Para terminar, a 9 de Junho, Sábado, será António Manuel Ribeiro com És Meu, Disse Ela a autografar os exemplares que os visitantes da Feira lhe pedirem, estando o autor disponível para falar com os seus leitores. 

 

21
Mai18

A Rapariga de Auschwitz | Eva Schloss

O Informador

a rapariga de auschwitz.jpg

Autor: Eva Schloss

Título original: After Auschwitz

Editora: Marcador

Edição: 1ª Edição (Reimpressão)

Lançamento: Abril de 2018

Páginas: 284

ISBN: 978-989-754-357-9

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Milhares de leitores em todo o mundo conhecem a história de Anne Frank, a adolescente cuja vida terminou em Bergen-Belsen durante o Holocausto.

Em A Rapariga de Auschwitz, vão conhecer a sua irmã e companheira de brincadeiras: Eva Schloss. Apesar de, ter sido levada para Auschwitz com apenas quinze anos, a sua história não terminou aí. Ela conseguiu sobreviver.

Este livro incrível é a memória viva dos acontecimentos que marcaram esse período tão dramático da história mundial.

 

Opinião: A Rapariga de Auschwitz é mais do que uma história, é uma representação da triste realidade que foi o Holocausto. Através da voz de Eva Schloss é possível acompanhar uma história de coragem onde a esperança sobre a sobrevivência sempre esteve presente perante a situação de uma jovem que passa pelo campo de concentração de Auschwitz com a sua mãe, tendo sido separadas de pai e irmão na seleção sobre para onde seguiam dentro de um dos locais mais marcantes da história mundial. 

Em A Rapariga de Auschwitz, Eva relata a sua vida, iniciando a sua narrativa no período antes da guerra onde a vida familiar parecia perfeita. Os momentos de confusão onde Eva andou fugida com os seus familiares mais próximos, saltando de casa em casa pela Holanda onde a população foi ajudando os judeus a fugirem de uma morte quase certa. Só que se uns ajudavam, outros tinham mais a ganhar se estivessem do lado dos nazis a apanhar os fugitivos que evitavam os campos de concentração. 

Desde cedo me rendi à forma expressiva como Eva retrata as suas vivências de jovem adolescente, mostrando um bom ambiente de amor familiar que aos poucos se foi desvanecendo pelos contratempos que lhes foram causados. Aos 15 anos esta jovem teve de crescer de forma imediata, passando dentro dos espaços de terror a proteção de sua mãe para ser a própria a cuidadora com a esperança que tudo terminasse e que ambas conseguissem sobreviver e voltar a encontrar a restante família após o período de guerra. Da viagem em vagões transportadores de animais para Auschwitz, a chegada com a marca corporal que deixou memórias eternas, o corte de cabelo, a fraca alimentação, os trabalhos, a descuidada higiene e os maus tratos, tudo é descrito nesta fantástica obra que me conquistou do início ao fim. Esta narrativa é um retrato sobre a destruição da sociedade judaica na Europa que da perseguição ao assassinato em cadeia mostra a forma como os direitos humanos na altura eram fortemente infligidos, tal como hoje continuam a ser um flagelo em vários pontos territoriais, não em tão grande escala, sendo ainda certo que esta forma de desumanidade ainda continua a persistir em pleno século XXI. 

Ao longo de A Rapariga de Auschwitz Eva conta como sobreviveu no campo de concentração mais temido da história da humanidade, lidando com a dor, o sofrimento e tendo a morte bem perto. Viver em Auschwitz e sobreviver foi para muito poucos e esta jovem ficou para contar o que sentiu ao longo do tempo que enfrentou as forças e os mandamentos nazis numa luta desigual que felizmente para Eva acabou por ficar como marca na sua vida, ao contrário dos muitos que não restaram para contar o que viveram. Um relato impressionante onde tudo é contado de forma ficcional mas é bom lembrar que este livro é de não-ficção, tendo de antemão o leitor consciência que o retrato visível através das palavras é a verdade descritiva sobre tudo o que aconteceu antes, durante e após o período critico.

11
Abr18

Encontrei-te nas Páginas de Um Livro | Xavier Bosch

O Informador

encontrei-te nas páginas de um livro.jpg

Autor: Xavier Bosch

Título original: Algú Com Tu

Editora: Marcador

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2018

Páginas: 208

ISBN: 978-989-754-356-2

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Encontrei-te nas Páginas de Um Livro é um romance sobre a força perdurável do amor. Jean-Pierre Zahardi, galerista na Rive Gauche, é um espírito livre. Paulina Homs, com uma tranquila vida familiar em Barcelona, chega a Paris para o casamento da prima. Como se o destino o tivesse preparado, entre eles nascerá uma atração inesperada que mudará as suas vidas para sempre. Este livro é a crónica da procura e da reconstrução de uma história de amor, a de Paulina e Jean-Pierre, através das recordações, dos documentos e do testemunho das pessoas que conheceram a paixão clandestina do casal. Será a filha de Paulina, Gina, que descobrirá muitos anos depois da morte da mãe o grande amor que a marcou para sempre.

 

Opinião: Um romance descoberto no presente por Gina sobre o passado de Paulina, a sua mãe. Este é o mote de Encontrei-te nas Páginas de Um Livro, da autoria de Xavier Bosch, um romance que acaba por aproximar dois momentos nas vidas de mãe e filha a partir de um simples cartão deixado num livro. 

Gina depara-se subitamente com um passado desconhecido da sua mãe, quando de um dia para o outro e de forma inesperada lhe aparece pela frente Mark, o possuidor da chave que leva Gina a sair momentaneamente do seu país numa viagem de descoberta por um passado que sempre desconheceu e sobre o qual nunca teve qualquer tipo de ideia. Deixando tudo para trás, Gina deixa-se passar por Pauline, o nome por quem Mark procurava através de um cartão, encontrado no interior de um livro e que o levou a procurar a famosa mulher. Dois jovens desconhecidos viajam juntos e entre mentiras, omissões e verdades, conseguem viver dias de loucura, deixando que as suas emoções os fizessem saborear cada momento, ao mesmo tempo que se conheciam de forma rápida, tal e qual como vamos mais tarde a descobrir que terá acontecido entre Pauline e Jean-Pierre.

Conhecendo o artista no casamento da sua prima Julia, os dias seguintes ao dia do enlace revelam-se eternos, onde cada momento marcou para sempre a vida de pessoas distantes e que descobriram a paixão em tão curto espaço de tempo, existindo do lado de Pauline um casamento de onde nasceu Gina. As visitas guiadas, os momentos a sós entre quatro paredes, os jantares românticos e a inebriação do prazer e do amor num romance clandestino mas forte. Rapidamente tudo aconteceu e a separação foi inevitável, ficando para sempre na memória de cada um e nas cartas trocadas com o tempo este envolvimento que fez esquecer muitos outros momentos de cada um que pareceram meros acasos ao lado de três dias tão especiais.

young-adult-50-mrec

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

  • Cláudia C Silva

    Adorei a forma como (nos) conduziste (no) texto!Eu...

  • P. P.

    Gostei muito do texto e da fotografia. Aliás, ador...

  • O Informador

    Bom dia!

  • imsilva

    No sofá, a ler o que escreveste ontem à noite, mas...

  • O Informador

    Existem muitas habitações por este país fora que t...

Pesquisar

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook