Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Notícias atrasadas no tempo

Os famosos e as suas vidas são a grande atracção das revistas apelidadas de cor-de-rosa, porém existem coisas que todos já sabemos há algum tempo mas que alguma impressa só se lembra de noticiar vários meses depois porque essas pessoas estão a dar mais lucro do que antes.

Apetece-te voltar a falar do negócio que a atriz Marta Melro tem com a sua roupa em segunda mão. Antes da Marta ser um rosto do Big Brother Vip já se sabia disto e eu até comentei, talvez de forma inapropriada e não tão bem explicada. No entanto, só agora é que uma revista bem conhecida da nossa praça se lembrou de fazer capa com esta notícia. Então? Isto já se sabia e até outras publicações do mesmo grupo editorial já tinham falado deste negócio, qual a razão de agora voltarem a falar do assunto como se fosse uma novidade?

Podiam voltar a falar, mas fazer manchete de capa como se fosse uma coisa nova e mostrando ao público que a atriz espera por trabalho numa das próximas novelas da TVI e que é por isso que se dedica a vender a sua roupa para ganhar dinheiro não faz sentido.

A Marta já vende a sua roupa há algum tempo e quem segue o percurso da atriz e lê outras revistas já sabia disto, mas parece que as coisas em certas publicações só são faladas quando convém para se poder vender mais um pouco e mostrar que os outros podem estar mal e a precisar de dinheiro, o que não me parece que aconteça.

Todos precisamos de dinheiro, mas a Marta já vende a sua roupa porque percebeu que não precisa de ter tanta quantidade, ajudando-a também estas vendas a poder ter do seu lado um guarda-roupa renovado constantemente. Quando derem notícias tentem estar atualizados e não falarem de coisas que já acontecem há algum tempo e que muitos já sabem, pode ser?

Tanta desistência no Big Brother

A atual e remodelada edição do Big Brother, em versão Vip, tem contado com novidades todas as semanas e em doses industriais no que toca às mudanças e alterações das regras a que os concorrentes estão sujeitos para entrarem, nomearem, saírem e serem expulsos do jogo. Serão estas trocas e baldrocas que têm levado tantos concorrentes a deixarem a casa mais vigiada do país por vontade própria? É que não são um, nem dois... Já três concorrentes abandonaram o jogo!

Marta Melro, Liliana Queiroz e Francisco Macau foram os concorrentes que entraram no primeiro dia para dentro da casa da TVI e que ao longo da sua estadia foram mostrando sinais que a desistência podia acontecer... Até que os avisos se tornaram realidade! Os três jovens concorrentes decidiram deixar este jogo da vida real, bem modelado pela produção, e saíram do Big Brother mostrando que tinham mais para fazer cá fora do que dentro de quatro paredes e vigiados por inúmeras câmaras.

O que terá levado a estas três desistências? Não me parece que tenham sido as vidas que esperavam cá fora, onde a realidade acontece, mas sim a estratégia de jogo que a Endemol e a TVI adoptaram para os concorrentes dentro da casa. Este jogo já não é virgem como as primeiras edições dos reality shwos em Portugal foram. Agora tudo pode ser provocado e feito para criar polémica, nem que para isso se tenham que pisar vidas e provocar emoções em pessoas normais como nós, com a diferença de estarem fechadas dentro de um programa televisivo.

A manipulação do jogo e as estratégias adoptadas pela produção, estação e pelos próprios concorrentes dentro da casa podem ser os principais motivos para tantas desistências terem acontecido, mas como isso não é admitido publicamente, os telespetadores ficam com a ideia que os três concorrentes saíram por estarem com saudades da família e com projetos à sua espera no mundo bem real e também complicado! Eu não acredito nas desculpas adoptadas para as desistências, fazendo-me tudo crer que foi a pressão que levou a tais acontecimentos, no entanto, isto é a minha singela ideia!

Internet, venda, roupa e Marta Melro

O mundo da internet é cada vez mais promissor para a compra e venda de tudo e mais alguma coisa e os famosos da nossa praça também não deixam escapar esta onda e fazem negócio. Apetece-me falar da venda de artigos em segunda mão que tanto anda na moda...

Marta Melro, a atriz que já entrou em várias novelas, principalmente da TVI, revelou esta semana à revista Vidas que encerrou a sua loja online de roupa em segunda mão, mas que «O balanço é muito positivo. Já tive duas lojas, na primeira vendi 300 peças, nesta última, já vendi mais de mil em apenas um ano. Já consegui escoar grande parte das coisas que tinha».

Primeiro quero realçar o facto de que só mesmo quem ganha bem poder ter assim tantas peças de roupa, porque uma pessoa comum não tem mais de mil peças para poder vender e ainda ficar com o que vestir, nem metade, quanto mais... É certo que a Marta é mulher, mas acho que é um exagero ter tanta roupa e não a usar! Também compreendo que muitas das suas peças lhe tenham sido oferecidas, mas mesmo assim é um exagero!

Como percebeu que o que tinha era abusivo lá começou a fazer a sua venda e a lucrar com a mesma. Deve ter feito um bom dinheiro e agora diz que esta venda em segunda mão ajudou-a a perceber que não pode comprar tanta roupa como até aqui fazia porque depois não lhe dá uso.

A venda de peças em segunda mão pelo mundo da internet está na moda e as figuras públicas já perceberam isso e dão asas para poderem assim ganhar uns trocos a mais para reforçarem o seu orçamento, o que acho bem! Já que não precisam, pelo menos vendem por um preço mais baixo do que a peça lhes custou e fazem alguém ficar feliz pela compra!

É uma boa lógica, mas será que fica bem dizer-se publicamente que se têm assim tantas peças de roupa para vender e que a maioria quase nem foram usadas? Criticaram e gozaram tanto com a mala que a Pepa queria e estas coisas dos famosos são levadas como se fosse algo normal de acontecer!

Eu vejo com normalidade isto acontecer porque até defendi o desejo da Pepa na altura, por exemplo, e compreendo que os famosos tenham mais peças de roupa que as pessoas que trabalham no supermercado, mas tinha que comentar esta venda em segunda mão das peças de Marta Melro por achar que outras pessoas o deveriam também fazer para seu próprio bem e pelos outros, já que não precisam de ter tanta coisa em casa como devem ter.