Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Os Crimes do Verão de 1985 | Miguel D'Alte

Suma de Letras

os crimes do verão de 1985.jpg

Título: Os Crimes do Verão de 1985

Autor: Miguel D'Alte

Editora: Suma de Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2023

Páginas: 384

ISBN: 978-989-787-069-9

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Uma ilha fustigada por uma tempestade durante a noite. Três desaparecidos. Um culpado. Onde estão os corpos?

Verão. 27 de agosto de 1985. Numa noite de tempestade, duas crianças e a sua cuidadora, Beatriz - uma adolescente de dezasseis anos -, desaparecem da casa de férias dos Mariz, uma família abastada de Lisboa, ligada à banca, na pequena Ilha do Poço Negro.

Quando os pais regressam depois de jantar, encontram a casa vazia e sinais de luta e sangue. Em pânico, e com a ajuda de Ademar Lear - um jovem jornalista que passava na rua a caminho de casa -, contactam as autoridades. A ilha está isolada devido à tempestade, as buscas decorrem toda à noite, sem sucesso. De manhã, após a tempestade passar, uma dupla de inspetores da Polícia Judiciária chega à ilha para investigar. A população acorda em choque e acolhe as forças da autoridade com desconfiança; jornalistas invadem a ilha: o caso torna-se mediático.

Dias depois, o violento namorado de Beatriz é preso. Todas as provas apontam para ele, mas são circunstanciais. É então que confessa os crimes e é condenado.

Até que, em 2012, um documentarista estrangeiro chega à ilha com novas provas sobre o caso e entra em contato com Ademar Leal - jornalista caído em desgraça, atormentado pela investigação que o tornou famoso -, entretanto regressado à ilha.

O que se passou no Verão de 1985?

 

Opinião: Numa noite de Verão em 1985, uma jovem e duas crianças que estavam ao seu encargo desaparecem de forma misteriosa na pequena Ilha do Poço Negro. A família abastada Matiz passava os seus períodos de férias fora de Lisboa e partia para descanso neste paraíso nacional, recorrendo quando era necessário a Beatriz Lessa para tomar conta dos seus filhos sempre que se tinham de ausentar por algumas horas da sua casa de férias para eventos com a população local. No entanto numa noite de tempestade, quando o casal regressa a casa nem sinal da babysitter e dos seus filhos.

A partir daqui o leitor é convidado a conhecer os dias que antecederam estes desaparecimentos, o pós perante a investigação decorrida e o período de 2012, onde o conhecido jornalista Ademar Leal, que acompanhou o caso na altura, é convidado a recuperar este tema por um documentarista internacional, também ele misterioso, e juntos pretendem descobrir, com a ajuda do responsável da GNR, o chefe Pratas, o que na altura dos acontecimentos parece ter ficado mal esclarecido e resolvido pela investigação a cargo de José Gonçalves.

Da Janela Vejo o Sandokan, de Rosária Casquinha da Silva

Intelectual Editora

da janela.jpg

Título: Da Janela Vejo o Sandokan

Autor: Rosária Casquinha da Silva

Editora: Intelectual Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Dezembro de 2016

Páginas: 128

ISBN: 978-989-35283-5-8

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: «Da janela vejo o Sandokan» resume-se a 52 short stories cheias de vida e de curiosidade pelo que rodeia a autora. Ela, que adora "observar da sua janela" as pessoas, a natureza, o milagre da vida, cria estórias e cenários para lá do que observa; diverte-se enquanto absorve a vida real e a possibilidade do imaginário; entrega-se às pequenas coisas que passam despercebidas ao olhar de quem corre, sem saber muito bem para onde; perde-se em pensamentos e observa-se intensamente; contempla a revelação daquilo que é e aspira a ser.

Ela vê o Sandokan da sua janela, e você?

 

Opinião: Da Janela Vejo o Sandokan e tudo o que nos é permitido perceber através do olhar ou pelo poder da imaginação e dos sentimentos. E foi assim que Rosária Casquinha da Silva nos brindou com este seu compêndio de contos onde abre o seu coração perante uma escrita poética mexendo nas suas próprias memórias e histórias e em momentos que vão sendo desfiados perante si e que acabam por ficar de alguma forma como recordação para mais tarde lembrar.

Sabes aqueles pequenos diários que algumas pessoas vão mantendo ao longo da vida e que raramente são partilhados com os outros? Aqui senti que a Rosária deixou que nós, leitores, descobríssemos um pouco do que vai apontando sobre o que lhe tem acontecido ao longo da vida e também perante o que vai sentindo sobre cada situação, mostrando as suas ideias originais sobre os temas que se atravessam na sua caminhada sem perder a sua sensibilidade e ao mesmo tempo colocando uma boa pitada de critica social e sabedoria nos seus pensamentos agora revelados. 

O Meu Nome é Lucy Barton | Elizabeth Strout

Alfaguara

o meu nome.jpg

Título: O Meu Nome é Lucy Barton

Título Original: My Name Is Lucy Barton

Autor: Elizabeth Strout

Editora: Alfaguara

Edição: 2ª Edição

Lançamento: Setembro de 2016

Páginas: 176

ISBN: 978-989-665-117-6

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Lucy Barton está numa cama de hospital, a recuperar lentamente de uma cirurgia que deveria ter sido simples. As visitas do marido e das filhas são escassas e pouco aproveitadas por Lucy. A branca monotonia dos dias de hospital é quebrada pela inesperada visita da mãe, que fica cinco dias sentada à sua cabeceira. Mãe e filha já não se falavam há anos, tantos quantos os que Lucy passou sem visitar a casa onde cresceu e os que a mãe passou sem a visitar em Nova Iorque, nem sequer para conhecer as netas.

Reunidas, as duas trocam novidades e cochichos sobre os vizinhos da infância de Lucy, mas, por baixo da superfície plácida da conversa de circunstância, pulsam a tensão e a carência que enformaram todos os aspectos da vida de Lucy: a infância de pobreza e privação no Illinois, a fuga para Nova Iorque (a única dos três filhos que o fez) e a desintegração silenciosa do casamento, apesar da presença luminosa das filhas. Com um passado que ainda a atormenta e o presente em risco iminente de implosão, Lucy Barton tem de focar para ver mais longe e para voltar a pôr-se de pé.

Mais ainda do que uma história de mãe e filha, este é um romance sobre as distâncias por vezes insuperáveis entre pessoas que deveriam estar muito próximas, sobre o peso dos não-ditos no seio das relações mais íntimas e sobre a solidão que todos sentimos alguma vez na vida. A entrelaçar esta poderosa narrativa está a voz da própria Lucy: tão observadora, sábia e profundamente humana como a da escritora que lhe dá forma.

 

Opinião: Lucy Barton é uma sonhadora escritora que se encontra presa numa cama hospitalar onde poucas visitas recebe do marido e das filhas, no entanto existe uma pessoa de quem tem estado afastada que a vai acompanhar neste percurso solitário e de luta. A mãe de Lucy regressa após vários anos de afastamento e as horas que começam a partilhar no quarto do centro hospitalar traduz-se num duro embate de sentimentos de situações mal resolvidas onde as memórias de ambas acabam por ainda no tempo presente magoar. 

O Meu Nome é Lucy Barton traduz-se num romance onde o debate entre a comunhão entre mães e filhas acontece e se na maioria dos casos essa união significa paz, amor e cumplicidade, neste caso e também como retrato de várias famílias, por aqui existe a mágoa, os temas tabu do passado e agora a vontade de ambas em recuperarem o tempo perdido mas sempre com muito receio por não existir confiança mútua. 

Crime no Expresso de Natal | Alexandra Benedict

Guerra e Paz

crime no expresso de natal.jpg

Título: Crime no Expresso de Natal

Título Original: Murder on the Christmas Express

Autor: Alexandra Benedict

Editora: Guerra e Paz

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2023

Páginas: 264

ISBN: 978-989-702-960-8

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Na véspera de Natal, o comboio noturno para as Terras Altas da Escócia descarrila, juntamente com os planos festivos dos seus passageiros. O comboio está preso na neve no meio do nada e há um assassino em série à solta entre as carruagens. Quem dorme no comboio nocturno pode nunca mais acordar.

Conseguirá Roz Parker, uma antiga inspectora da Polícia Metropolitana de Londres, encontrar o assassino antes que ele ataque de novo?

Todos a bordo para um… Crime no Expresso de Natal.

 

Opinião: Oh! Oh! Oh! É Natal e existe um crime no comboio noturno que tem como destino as Terras Altas da Escócia. Tudo parecia correr como planeado na vida de Roz Parker, uma recente reformada da Polícia Metropolitana de Londres. A sua filha está prestes a ser mãe, o Natal aproxima-se e a inspetora está de malas feitas para partir para a sua reunião familiar. Primeiramente o adiamento da partida do comboio devido às más condições climatéricas logo a começar a causar algum transtorno na agenda de Roz, seria esse um mal maior se depois na viagem não tivesse acontecido um descarrilamento de uma carruagem e um crime que foi o ponto de arranque para outros que se seguiram. Ou seja, a ex-inspetora Roz ficou com uma investigação em curso porque dentro do comboio que já seguia atrasado algumas pessoas apareceram mortas e um culpado estava entre os passageiros, tudo isto ao mesmo tempo que a sua filha se torna mãe e lhe dá o poder familiar de ser avó pela primeira vez. 

Crime no Expresso de Natal é aquele comboio a alta velocidade entre a ternura e o crime onde várias personagens com pouco em comum se unem num entre carruagens com destino aos seus dias natalícios em família e de um momento para o outro são surpreendidos por crimes que levam a investigações e um rol bem forte de cenas inesperadas que os fazem passar a noite de Natal juntos mas com bastantes receios porque não podem confiar nos desconhecidos que os acompanham. 

Que Pouca Vergonha | Guilherme Fonseca

Manuscrito Editora

que pouca vergonha livro.jpg

Título: Que Pouca Vergonha

Autor: Guilherme Fonseca

Editora: Manuscrito Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2023

Páginas: 184

ISBN: 978-989-9078-98-9

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Guilherme Fonseca não tem um pingo de vergonha. Ora repare: nem sempre se lava dos joelhos para baixo por preguiça, trata os gatos por «filhos», tem pavor a quem dobra sacos em triângulos e nojo de banhos de imersão.

Mas não comece já a apontar-lhe o dedo, que o leitor também é um sem-vergonha: é bem provável que circule na faixa do meio, seja viciado em true crime ou publique 34 stories seguidas quando a sua amiga faz anos. Porquê? Não bastava uma?

Há filósofos, pensadores e comentadores preparados para responder às grandes questões da Humanidade. Guilherme Fonseca prefere as pequenas e insignificantes:

- COMO É QUE O PUTIN FAZ COCÓ?

- PORQUE É QUE OS DENTISTAS INSISTEM EM FALAR CONNOSCO QUANDO ESTAMOS DE BOCA ABERTA?

- QUANDO É QUE PARAMOS COM OS TRIGGER WARNINGS?

- PORQUE É QUE NÃO SABEMOS FAZER «BICHAS»?

Depois do sucesso de Deve Ser, Deve, dedicado à estupidez dos chalupas negacionistas, o humorista vira a atenção para a sua própria estupidez. E para a do leitor. E para a de toda a Humanidade, no fundo. Uma pouca-vergonha, é o que é.

 

Opinião: Que Pouca Vergonha vem a ser esta? Guilherme Fonseca revela neste seu compêndio do humor que o próprio não tem um pingo de vergonha quando faz ou deixa por fazer determinadas coisas. O autor deste manual bem disposto do reconhecimento humano revela vários factos sobre a sua pessoa onde a higiene e os hábitos alimentares estão em destaque em parceria com o facto de ser um anti social no que toca a atender chamadas telefónicas e como eu o entendo.

Numa segunda fase desta obra aplaudida pela sua esposa, Rita da Nova, Guilherme Fonseca fala dos leitores, ou melhor, dos indivíduos indisciplinados que circulam na faixa do meio da auto estrada e que não sabem fazer bichas em Portugal, sendo por outro lado viciados em true crime nas plataformas de streaming e na partilha de várias stories para felicitarem alguém do seu aniversário ou quando não publicam um post sobre um falecimento de alguém famoso. 

Guilherme Fonseca fala sobre os seus podres e o que lhe causa comichão nos outros e depois existe todo um "nós" sobre as questões sociais que estão na atualidade e que acabam por inquietar todos e mais alguns, até os mais conservadores e com zero pingo de humor a correr pelo seu lindo e esbelto corpo de Verão.

Olá, Linda | Ann Napolitano

TopSeller

ola linda.jpg

Título: Olá, Linda

Título Original: Hello Beautiful

Autor: Ann Napolitano

Editora: TopSeller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2023

Páginas: 464

ISBN: 978-989-787-7160-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: William Waters cresceu numa casa silenciada pela tragédia, na qual os seus pais mal conseguiam olhar para ele, muito menos amá-lo; mas quando conhece a vivaz e ambiciosa Julia Padavano, é como se o seu mundo se iluminasse. E com Julia vem a sua família, pois ela e as três irmãs são inseparáveis: Sylvie, a sonhadora, é feliz com o nariz enfiado nos livros; Cecelia é um espírito livre, apaixonado pelas artes; Emeline cuida pacientemente de todos eles. Com os Padavanos, William experimenta um novo sentimento: ter um lar, pois cada momento naquela casa é repleto de caos amoroso.

É então que a escuridão do passado de William vem à tona, colocando em risco não apenas os planos cuidadosamente pensados por Julia para o futuro de ambos, mas também a inexorável devoção das irmãs umas pelas outras. O resultado é uma desavença familiar catastrófica que muda irremediavelmente as suas vidas.

Será a inabalável lealdade que outrora os ligava forte o suficiente para voltar a reuni-los quando é mais importante?

 

Opinião: A história de quatro irmãs bastante unidas é acompanhada pelo leitor a partir do momento em que William entra nas suas vidas. William cresceu numa família disfuncional, tornando-se num adulto solitário e quando conhece Julia que entra no mundo das irmãs Padavano e o seu rumo é alterado. A paixão entre os dois acontece desde cedo e William encontra uma família bem distinta da sua, entregando-se e percebendo que estas quatro irmãs se complementam bastante pelas suas diferenças mas acima de tudo pelo amor que nutrem umas pelas outras. 

A Porta Trancada | Freida McFadden

Alma dos Livros

porta trancada.jpg

Título: A Porta Trancada

Título Original: The Loched Door

Autor: Freida McFadden

Editora: Alma dos Livros

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2023

Páginas: 272

ISBN: 978-989-570-175-9

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Há sempre uma boa razão para uma porta estar fechada...

Nora tinha onze anos. Não fazia a mínima ideia de que, enquanto fazia os trabalhos de casa no quarto, o seu pai passava o tempo a matar mulheres na cave... Até ao dia em que a polícia lhes bateu à porta.

Décadas depois, o pai está a cumprir pena de prisão num estabelecimento de segurança máxima e Nora é uma cirurgiã de sucesso com uma existência tranquila e solitária. Ninguém sabe que o pai é um conhecido assassino em série e Nora deseja que assim continue.

Um dia, uma das pacientes de Nora é assassinada da mesma maneira única e cruel usada pelo pai para matar as suas vítimas.

Alguém conhece o passado de Nora e quer imputar-lhe a culpa deste crime. No entanto, Nora não é uma assassina como o pai. A polícia não a pode acusar. A não ser que procurem na sua cave…

 

Opinião: "Eu sou a Nora Nierling, uma cirurgiã reconhecida, e vou contar a minha vida atual com o recurso a lembranças de um passado cujo rumo foi alterado quando o meu pai foi preso há vinte e seis anos por ser um assassino em série que praticava os crimes na cave da nossa própria casa e que me levou a adotar o nome Nora Davis para não ser reconhecida como a filha de um assassino." Este podia ser o mote para o início de A Porta Trancada, porque de facto é mesmo isto que resume o início deste excelente thriller de Freida McFadden.  

Nora tem uma vida solitária e sem família, uma vez que nunca visitou o pai na prisão, a mãe se terá suicidado por ser cúmplice dos vários crimes e por também sempre ter optado por não deixar que os outros se aproximassem de si. Com uma certa estabilidade a nível profissional, de um dia para o outro Nora começa a ser confrontada pelo surgimento de algumas das suas pacientes mortas com sinais de violência como os que o seu pai praticava nas suas vítimas. Nora é a principal suspeita do detetive Barber perante estes novos crimes e é a partir daqui que o leitor é convidado a desconfiar de quem está por detrás deste mistério porque os poucos que rodeiam a cirurgiã podem esconder segredos para incriminarem uma pessoa que somente quis distância do peso do seu passado.

 

Enquanto o Fim Não Vem | Mafalda Santos

Suma de Letras

enquanto o fim não vem.jpg

Título: Enquanto o Fim Não Vem

Autor: Mafalda Santos

Editora: Suma de Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2023

Páginas: 256

ISBN: 978-989-787-174-0

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: O inspetor Lobo quer descobrir quem matou Laura. Afonso quer que o deixem escrever o que ele gosta. Gabriela quer que o inspetor Lobo faça o seu trabalho e quer que Afonso escreva o que lhe pedem.

Mas Laura continua morta, os pais dela pressionam as forças policiais, e é preciso apanhar o culpado. Ou será mais que um? Que forças estranhas os rodeiam sem que deem por nada?

Quando Afonso perde a namorada, Júlia, num horrível acidente, vê no luto a oportunidade que precisa para parar de escrever, sem ninguém contestar.

Se o leitor acha que já percebeu este livro, podemos afirmar, com toda a certeza, que não. Porque quando pensa que descobriu o que se passou, Mafalda Santos abre outra cortina com outra realidade, desafiando-nos. Mas quando o fim, finalmente, chegar, pode ter a certeza de que não passará despercebido.

 

Opinião: Se dúvidas existirem sobre o futuro promissor de Mafalda Santos acredito que quem pegar em Enquanto o Fim Não Vem fique convencido que este é um nome que se irá falar bastante pelos próximos tempos. Estreei-me com a obra da Mafalda com este romance e se disser que o li em menos de vinte e quatro horas podes mesmo acreditar porque a vontade de devorar cada capítulo foi sendo mais que muita talvez pela forma original como esta narrativa é contada, tudo graças a uma excelente capacidade criativa que foi implementada neste livro que me conquistou do início ao fim sem qualquer hesitação. 

Dom Camilo e o Seu Pequeno Mundo | Giovannino Guareschi

Bertrand Editora

dom camilo e o seu pequeno mundo.jpg

Título: Dom Camilo e o Seu Pequeno Mundo

Título Original: Mondo Piccolo - Don Camillo

Autor: Giovannino Guareschi

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2023

Páginas: 264

ISBN: 978-972-25-468-9

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Uma viagem através da leitura à planície italiana «onde não há palmo despido de verdura», com uma cultura e história únicas, na companhia de um conjunto de personagens que fazem prova do humor refinado e da sensibilidade humana do seu autor.

Estamos no mundo da Bassa italiana, impetuoso e sanguíneo, e perante os seus dois protagonistas: o padre Dom Camilo - por vezes intempestivo na sua missão pastoral - e Peppone, o presidente de Câmara comunista, sempre pronto a ignorar - quando se trate de casos de consciência - as diretivas do partido.

Um livro que tem início no período do pós-guerra, e onde, entre rivalidades e ressentimentos persistentes, dilemas éticos e proclamações de ultimatos que nunca se concretizam, Giovannino Guareschi pinta, com grande sensibilidade, um retrato dos conflitos entre o Estado e a Igreja, as paixões políticas e culturais, e a vida de todos os dias numa pequena vila italiana «da planície paduana que está entre o Pó e os Apeninos».

Publicado pela primeira vez em livro há 75 anos, este é um «pequeno mundo» como um conjunto de episódios maravilhosos, lições sábias e não menos comovedoras, nos quais Dom Camilo e Peppone encarnam dois seres humanos de alma pura, que apenas desejam a salvação e o bem-estar dos seus concidadãos. Porque o respeito, a empatia e a amizade nada têm que ver com a cor da bandeira ou da batina.

 

Opinião: Um livro que une uma coleção de histórias divertidas e de leitura fácil mas que não são para mim no sentido de ser um leitor de gostar de ter um fio condutor do início ao fim sem andar em modo salta pocinhas com pequenos apontamentos sobre peripécias que se passam no convívio diário entre um padre (Dom Camilo), um comunista (Peppone) e uma personagem que dispensa apresentações mas que nesta narrativa conta com um bom toque de ironia, Cristo. 

Os Segredos Para Ler e Influenciar Pessoas | Alexandre Machado

Manuscrito

os segredos para ler.jpg

Título: Os Segredos Para Ler e Influenciar Pessoas

Autor: Alexandre Machado

Editora: Manuscrito

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2023

Páginas: 192

ISBN: 978-989-987-93-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Nos bastidores da nossa «vida normal», os serviços secretos de inteligência atuam todos os dias. Nas sombras, com recurso a técnicas de influência, persuasão e controlo, estes operacionais enganam mestres do crime, por vezes, durante anos. É fundamental que assim seja: só desta forma é possível desmantelar redes de tráfico, apanhar assassinos e proteger inocentes.

E se essas técnicas confidenciais viessem a público? E se tivéssemos acesso aos segredos da manipulação humana, para aprender a ler pessoas, prever comportamentos, recolher informação, influenciar e persuadir?

Depois de um longo e criterioso processo de autorização por parte das agências de inteligência e governos, o resultado está aqui. Alexandre Machado, conselheiro de unidades de operações psicológicas (PsyOps), revela pela primeira vez em livro as técnicas dos serviços secretos de inteligência.

 

Opinião: A mente humana é um verdadeiro desafio para quem a estuda e o poder da manipulação perante o próximo não é para todos, no entanto existem boas técnicas com provas dadas e utilizadas pelos serviços secretos mundiais para influenciar quem nos rodeia de alguma forma.

Alexandre Machado é um verdadeiro especialista em operações psicológicas e serviços de inteligência e colocou muito mas não tudo o que sabe da matéria no livro Os Segredos Para Ler e Influenciar Pessoas onde a manipulação de pessoas é a grande base de toda a teoria a ser colocada pelo leitor em prática. Como causar uma boa primeira impressão, detetar mentiras, influenciar indivíduos a solo ou em grupo e ser um bom líder são alguns dos pontos em destaque neste compêndio comportamental para ler e estar perante o próximo de forma a contaminar o seu processo de ação.