Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Toda a Minha Raiva | Sabaa Tahir

Kathartika

toda a minha raiva.jpg

Título: Toda a Minha Raiva

Título Original: All My Rage

Autor: Sabaa Tahir

Editora: Kathartika

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2024

Páginas: 416

ISBN: 978-989-562-624-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Salahudin e Noor são mais do que melhores amigos: enquanto emigrantes paquistaneses que cresceram juntos numa pequena cidade no deserto da Califórnia, entendem-se como ninguém e são quase como família. Mas uma discussão ocorrida no verão quebra o vínculo que havia entre eles.

Agora Sal debate-se por manter o motel da família a funcionar à medida que a doença da mãe, Misbah, se agrava e o pai afoga as mágoas no álcool. Já Noor vive uma situação delicada: trabalha na loja do tio e procura esconder-lhe os seus planos para ingressar na universidade e deixar Juniper para sempre.

Quando as tentativas de Sal para salvar o motel entram numa espiral descontrolada, ele e Noor vêem-se obrigados a questionar o valor da amizade e a encarar, de uma vez por todas, os fantasmas do passado…

 

Sinopse: Toda a Minha Raiva é um romance inspirador sobre o poder da superação e perdão perante o amor, seja ele vivido de que forma for, entre dois jovens paquistaneses que se conheceram numa terra distante de onde nasceram e que acabaram por criar laços que perante várias tempestades ficam presos na balança sobre a força da confiança. Tudo ao mesmo tempo que o leitor vai conhecendo o diário que uma mulher, mãe e tia de coração de ambos os jovens, foi escrevendo em vida sobre o seu passado e presente até ao dia em que sucumbiu e deixou muito por fazer na vida de ambos.

Salahudin e Noor são as duas almas que procuram encontrar o caminho certo para sobreviverem perante uma sociedade que os recrimina e onde várias situações parecem servir de entrave para que vislumbrem um futuro melhor. Estes dois jovens vivem de dor, memórias e o sonho de conquista quando são confrontados com o poder da perda que muito consegue transformar e levar cada um por caminhos não desejados e onde ambos pretendem não ser descobertos. Se existe em Salahudin a vontade de lutar pela reestruturação do motel que tem sustentado a família às custas da sua mãe falecida com um pai alcoólico que não lhe dá qualquer apoio e com diversas contas por pagar, também existe Noor que vive com o seu tio e único familiar que pretende que a jovem siga os seus passos no comércio local sem poder ambicionar os estudos que a poderão levar por caminhos promissores. Juntos pretendem conquistar a estabilidade e paz no futuro e em desespero praticam vários erros que os podem levar a um afastamento, isolamento e recriminação que ambos não tencionam ter. 

O Nome Que a Cidade Esqueceu | João Tordo

Companhia das Letras

o nome que a cidade esqueceu capa.jpg

Título: O Nome Que a Cidade Esqueceu

Autor: João Tordo

Editora: Companhia das Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2023

Páginas: 376

ISBN: 978-989-784-927-5

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Nova Iorque, 1991.

Ao aterrar na América, Natasha, refugiada de um país da ex-União Soviética, está longe de imaginar que o seu exílio se transformará numa aventura labiríntica pela grande cidade e pela alma humana. O caminho desta rapariga cheia de medos e sonhos cruza-se com o de George B., homem marcado por um passado misterioso, que vive em total isolamento em plena cidade, barricado num apartamento apinhado de objectos inúteis.

George oferece a Natasha um emprego bizarro: ler-lhe em voz alta a lista telefónica de Nova Iorque. Enquanto a rapariga aprende a suportar as saudades da sua família e do seu país, esboçando uma nova vida na metrópole vibrante e crua, George, por seu lado, procura obsessivamente um nome entre os milhões de nomes que a cidade esqueceu; um nome que poderá salvá-lo, ou ser a sua danação.

Tomando como inspiração uma história verdadeira publicada no New York Times, João Tordo constrói um romance enigmático, impulsionado pelo acaso e pela memória. O resultado é uma narrativa que disseca a solidão, grande doença dos nossos tempos, confrontando as suas personagens e os leitores com o passado com que todos tentamos reconciliar-nos. O nome que a cidade esqueceu marca o regresso de um dos escritores mais estimados do público a um lugar que lhe é familiar, numa história plena de imaginação, arrojo, candura e compaixão.

 

Opinião: Natasha chega sozinha a Nova Iorque como refugiada da União Soviética e sem nada nem ninguém a quem se amparar, tem de arregaçar as mangas para sobreviver perante as exigências que a sua nova condição lhe exigem. Esta nova vida leva-a a conhecer George, um homem entre tantos, que vive sozinho, isolado dentro de quatro paredes, e que recorre a jovens mulheres que precisam de dinheiro para lhe lerem a extensa lista telefónica em busca de nomes que lhe são familiares e que estão envoltos em segredos. Assim se juntam duas pessoas que vivem perante a solidão numa sociedade em movimento e que levam o leitor a percorrer caminhos que vão para lá da ligação que os une de início. Através de Natasha e George encontramos muito Mundo por vezes sem sairmos de casa pelo recurso da memória, encontramos um pouco de cada um de nós nos momentos em que por vezes só necessitamos de respirar com calma para se seguir em frente por caminhos translúcidos marcados pelas dores de percurso.

João Tordo coloca em O Nome Que a Cidade Esqueceu a sua escrita emotiva e poética onde o poder da descrição das personagens muito bem retratadas e desenvolvidas levam o leitor a sentar-se e a percorrer caminhos ao seu lado para se perceber como cada um irá conseguir dar a volta para seguir em frente perante os presságios que os acompanham do início ao fim.

Os Crimes do Verão de 1985 | Miguel D'Alte

Suma de Letras

os crimes do verão de 1985.jpg

Título: Os Crimes do Verão de 1985

Autor: Miguel D'Alte

Editora: Suma de Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2023

Páginas: 384

ISBN: 978-989-787-069-9

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Uma ilha fustigada por uma tempestade durante a noite. Três desaparecidos. Um culpado. Onde estão os corpos?

Verão. 27 de agosto de 1985. Numa noite de tempestade, duas crianças e a sua cuidadora, Beatriz - uma adolescente de dezasseis anos -, desaparecem da casa de férias dos Mariz, uma família abastada de Lisboa, ligada à banca, na pequena Ilha do Poço Negro.

Quando os pais regressam depois de jantar, encontram a casa vazia e sinais de luta e sangue. Em pânico, e com a ajuda de Ademar Lear - um jovem jornalista que passava na rua a caminho de casa -, contactam as autoridades. A ilha está isolada devido à tempestade, as buscas decorrem toda à noite, sem sucesso. De manhã, após a tempestade passar, uma dupla de inspetores da Polícia Judiciária chega à ilha para investigar. A população acorda em choque e acolhe as forças da autoridade com desconfiança; jornalistas invadem a ilha: o caso torna-se mediático.

Dias depois, o violento namorado de Beatriz é preso. Todas as provas apontam para ele, mas são circunstanciais. É então que confessa os crimes e é condenado.

Até que, em 2012, um documentarista estrangeiro chega à ilha com novas provas sobre o caso e entra em contato com Ademar Leal - jornalista caído em desgraça, atormentado pela investigação que o tornou famoso -, entretanto regressado à ilha.

O que se passou no Verão de 1985?

 

Opinião: Numa noite de Verão em 1985, uma jovem e duas crianças que estavam ao seu encargo desaparecem de forma misteriosa na pequena Ilha do Poço Negro. A família abastada Matiz passava os seus períodos de férias fora de Lisboa e partia para descanso neste paraíso nacional, recorrendo quando era necessário a Beatriz Lessa para tomar conta dos seus filhos sempre que se tinham de ausentar por algumas horas da sua casa de férias para eventos com a população local. No entanto numa noite de tempestade, quando o casal regressa a casa nem sinal da babysitter e dos seus filhos.

A partir daqui o leitor é convidado a conhecer os dias que antecederam estes desaparecimentos, o pós perante a investigação decorrida e o período de 2012, onde o conhecido jornalista Ademar Leal, que acompanhou o caso na altura, é convidado a recuperar este tema por um documentarista internacional, também ele misterioso, e juntos pretendem descobrir, com a ajuda do responsável da GNR, o chefe Pratas, o que na altura dos acontecimentos parece ter ficado mal esclarecido e resolvido pela investigação a cargo de José Gonçalves.

Da Janela Vejo o Sandokan, de Rosária Casquinha da Silva

Intelectual Editora

da janela.jpg

Título: Da Janela Vejo o Sandokan

Autor: Rosária Casquinha da Silva

Editora: Intelectual Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Dezembro de 2016

Páginas: 128

ISBN: 978-989-35283-5-8

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: «Da janela vejo o Sandokan» resume-se a 52 short stories cheias de vida e de curiosidade pelo que rodeia a autora. Ela, que adora "observar da sua janela" as pessoas, a natureza, o milagre da vida, cria estórias e cenários para lá do que observa; diverte-se enquanto absorve a vida real e a possibilidade do imaginário; entrega-se às pequenas coisas que passam despercebidas ao olhar de quem corre, sem saber muito bem para onde; perde-se em pensamentos e observa-se intensamente; contempla a revelação daquilo que é e aspira a ser.

Ela vê o Sandokan da sua janela, e você?

 

Opinião: Da Janela Vejo o Sandokan e tudo o que nos é permitido perceber através do olhar ou pelo poder da imaginação e dos sentimentos. E foi assim que Rosária Casquinha da Silva nos brindou com este seu compêndio de contos onde abre o seu coração perante uma escrita poética mexendo nas suas próprias memórias e histórias e em momentos que vão sendo desfiados perante si e que acabam por ficar de alguma forma como recordação para mais tarde lembrar.

Sabes aqueles pequenos diários que algumas pessoas vão mantendo ao longo da vida e que raramente são partilhados com os outros? Aqui senti que a Rosária deixou que nós, leitores, descobríssemos um pouco do que vai apontando sobre o que lhe tem acontecido ao longo da vida e também perante o que vai sentindo sobre cada situação, mostrando as suas ideias originais sobre os temas que se atravessam na sua caminhada sem perder a sua sensibilidade e ao mesmo tempo colocando uma boa pitada de critica social e sabedoria nos seus pensamentos agora revelados.