Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

30
Ago19

A sesta não é normal

sesta.jpg

 

Sempre me habituei a não dormir a sesta e foi sendo muito raro deitar ao longo do dia e acabar por adormecer. Ultimamente isso não tem acontecido bem dessa forma e percebo assim que os sinais da idade também surgem através do cansaço, mesmo que durma as horas aconselhadas de noite e consiga descansar para me sentir bem.

Não sei o que se passará mas pelas últimas semanas, se durante as tardes de folga me deixo ficar em casa encostado a olhar para a televisão ou a ler, as pálpebras começam a dar aqueles sinais bem notórios de que mais vale desligar tudo, descer a almofada e deixar que o corpo descanse e os olhos se fechem. Começa a ser um ciclo que num dos dois dias de pausa, que geralmente são seguidos, me deixe levar por umas horas pelo sono ao longo da tarde, fazendo com que depois ao deitar no horário noturno leve mais tempo a adormecer, mas chego lá. 

29
Ago19

Para os fãs de Friends

friends.jpg

 

Faço aqui um comunicado aos fãs da mítica série Friends!

Nunca vi a série, nem espreitei qualquer episódio, no entanto e porque a sua crítica é boa e porque também são várias as pessoas que me questionam sobre se já vi esta célebre série que se estreou em 1994 e teve o seu último episódio em 2004, eis que fica aqui prometido de que em 2020 irei ver Friends do início ao fim, porque aqui não existe o sistema de saltar temporadas.

28
Ago19

Mentiras das redes sociais

máscaras redes sociais.jpg

 

Eu partilho, tu partilhas, ele partilha, nós partilhamos, vós partilhais e eles partilham! Aqui está o verbo partilhar no presente do indicativo a iniciar um pensamento sobre o que vai sendo mostrado pelas redes sociais. A questão que levanto é, a realidade que é partilhada é assim tão verdadeira?

Será que todas as partilhas são assim tão reais sobre o dia-a-dia de cada um? Não, ninguém mostra a verdade, no entanto se uns são livres e partilham o que querem e bem entendem e se aproximam com ou sem filtros, à primeira ou com sucessivas tentativas, outros elaboram tanto que só acabam por mostrar que a vida que querem anunciar ao mundo não passa de um rascunho mal elaborado que com o tempo acaba por não funcionar. 

Aquelas selfies que não o são com todos os cuidados do mundo, com a roupa emprestada, a paisagem onde estiveram de passagem é vista sim, mas com o tempo alguém acredita que aquilo é assim tão real e que a vida daquelas pessoas acontece somente entre hotéis de luxo, praias e festas? Será que quem está a partilhar vidas de fachada tem noção que é notório que as vidas não são assim tão belas como as querem fazer pintar para passar aos outros? Vocês trabalham, acordam sem maquilhagem, cozinham, depilam-se, dizem asneiras quando se aleijam e até podem ter uma unha encravada, no entanto tudo é tão belo que até parece que não precisam do emprego onde ganham pouco mais que o ordenado mínimo nacional, visitam lojas da moda mais baratas e dividem o menu do almoço com a cara metade porque não têm fome para mais. Isso é a realidade de quem só mostra o novo fato de banho ao longe para não se ver a marca porque foi comprado numa loja online diretamente da China mas que parece igualzinho ao da Calzedonia, os ténis da Primark que são uma boa imitação de lado mas de forma disfarçada dos da Nike, o chinelo da Lefties que parece os da Havaianas. Tudo mostrado ao longe, de forma a não mostrar diretamente o local das marcas, num estudo de mercado bem conseguido para se mostrar o que não se é. Meus caros, quem vos conhece depois percebe que não têm nada a não ser demonstrações de grandeza quando na realidade se percebe que de grande nada têm à vista, só se for a imaginação para se fazerem passar pelo que não são. 

27
Ago19

A Fábrica de Bonecas | Elizabeth Macneal

 

a fábrica das bonecas capa.jpg

 

Título: A Fábrica de Bonecas

Título Original: The Doll Factory

Autor: Elizabeth Macneal

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2019

Páginas: 384

ISBN: 978-989-8917-97-3

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Londres, 1850. O edifício que albergará a Grande Exposição está a ser construído em Hyde Park. No meio da multidão que ali se junta, duas pessoas encontram-se por mero acaso. Para Iris, uma aspirante a artista, aquele é apenas um encontro efémero, esquecido passados poucos segundos. Mas para Silas, um colecionador fascinado por coisas estranhas, aquele momento marca um novo começo?

Quando Iris é convidada a posar como modelo para Louis Frost, um pintor pré-rafaelita, ela aceita, com a condição de que Louis também a ensine a pintar. De súbito, o mundo de Iris transforma-se numa experiência dominada pelo amor e pela arte, indo além de tudo aquilo com que sempre sonhou.

Só que o mundo de Iris pode ruir a qualquer momento, pois Silas só consegue pensar numa coisa desde o primeiro encontro de ambos. E a sua obsessão torna-se cada vez mais sombria?

 

Opinião: Voltamos a 1850 e entramos no ambiente de A Fábrica de Bonecas, o primeiro romance de Elizabeth Macneal onde diversas personagens ganham vida entre ambientes escuros e assustadores. Conhecendo as gémeas Iris e Rose, que trabalham para a severa Sra. Salter numa fábrica onde bonecas de porcelana são pintadas e embelezadas, o que cria desde logo aquele local pesado a que as bonecas de porcelana são associadas por estarem sempre a olhar para todos os cantos. A par disto, é também dado a conhecer ao leitor o jovem Albie, a criança que encontra os animais mortos e deformados para os entregar a Silas, um colecionador que sonha com a criação do seu próprio museu de objetos esquisitos. No entanto o desenrolar da história acontece a partir do momento em que Iris conhece Louis Frost, um pintor pré-rafaelista, que tal como todos os outros a vêem como um objeto e não como uma mulher com limitações. Será que os sonhos de Iris, perante a desaprovação dos pais em se tornar numa artista e querer aprender com quem já o é seguem em frente ou a visão que têm de si acabará por a levar ao sacrificio e à queda dos planos?

Com Louis apaixonado por Iris a partir do momento em que se conhecem e que a começa a ter como inspiração ao mesmo tempo que lhe dá aulas e com Silas a ser apresentado e a mostrar também interesse na jovem, o que não é coordenado com os seus sentimentos, os pratos da balança parecem equilibados, no entanto as coisas não acontecem bem assim. Os contornos obscuros que envolvem Silas dão o mote para que a loucura de toda a história surja, baralhando sentimentos, desencadeado comportamentos e seguindo de encontro à premissa apresentada na capa, de que «a liberdade é uma coisa preciosa».

Com uma boa escrita mas de ritmo lento e complicado de assimilar no início, A Fábrica de Bonecas não me conseguiu cativar como era de esperar, talvez por ser demasiado leve dentro do estilo que retrata e não conseguir aprofundar os momentos que podiam revelar os reais transtornos e obsessões de cada personagem. Primeiro a falta de envolvimento e depois a incapacidade de aprofundar, levaram a que este romance com pontos de thriller seguisse o seu caminho sem deixar marca. 

Pág. 1/7