Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

07.05.18

Eu Saio na Próxima, e Você? | Filipe La Féria Produções


O Informador

eu-saio-na-próxima-e-você.png

Um Homem e uma Mulher conhecem-se no metro em Lisboa nos anos 70 do século passado, começam a conversar e decidem voltar a encontrar-se e após um mês de contactos casam-se. Mas o matrimónio está condenado ao fracasso. Ambos se dirigem ao público apresentando as suas razões do falhanço da relação evocando recordações, personagens do passado e experiências que os marcaram e que influenciaram comportamentos posteriores.

Um casal que se conhece no Metro e que em pouco tempo se apaixona. Mais tarde, em palco, contam a sua vida conjugal, os bons e os maus momentos, as complicações e a família, os ciúmes e as contradições conjugais. Marina Mota e João Baião enchem o palco do Teatro Politeama na comédia Eu Saio na Próxima, e Você?. Com texto adaptado por Filipe La Féria, da autoria de Adolfo Marsilhach, este trabalho além de percorrer a vida de um casal cheio de altos e baixos, como todos os outros, acompanha a história de um país a partir dos anos 70, com várias dicas premonitórias sobre o que vai acontecer no futuro, o atual presente. 

Os dois atores, bem acarinhados pelo público, mostram ao longo de mais de duas horas a sua versatilidade e talento em palco, percorrendo memórias que vão muito para além do espaço dos dois, voltando à infância de cada um onde outras pessoas passaram, olhando para a família nem sempre aceite pelo outro lado de um casal porque sogra é sempre sogra e a mãe da sogra então... Olhando para o passado da nação com a recordação de espaços marcantes de Lisboa como o Cabaret Maxime e olhando para o momento de liberdade com o 25 de Abril, passando pela Guerra Colonial com a memória sobre Raul Solnado, vários são os momentos sociais que ganham destaque nesta comédia.

Da comédia ao musical, em Eu Saio na Próxima, e Você?, Mariana e João mostram o à-vontade que lhes é tão característico, protagonizando bons momentos de comédia onde as intervenções junto do público existem intercaladas com o canto e dança que se cruzam entre atos de riso mais fácil onde nesse ponto Marina Mota ganha destaque pelas suas performances tão bem trabalhadas que com gestos ou trejeitos acabam por mostrar que um bom ator não debita somente textos de forma exemplar, dando mesmo o corpo às balas, provando que um ator é feito de um todo. Olhando para este trabalho, percebe-se que a escolha deste texto foi feita exatamente para os dois atores darem vida a estas personagens que se cruzam com o passado para explicarem o presente. Mariana e João são essencialmente dois dos principais rostos da história do Teatro Politeama e olhando para este espetáculo, não existem outros atores que melhor encaixariam neste trabalho onde a cumplicidade é muito importante em palco.