Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Banner billboard da campanha 50 livros com 50% desconto
12.04.18

Vencedores dos Convites Duplos | Balas e Purpurinas - O Lado B da Eurovisão | 13/14.04.2018


O Informador

balas e purpurinas.jpg

A pouco tempo de Portugal receber o Festival Eurovisão, Henrique Feist, cantor, actor e encenador, desvenda o outro lado do festival que poucos conhecem. Num espectáculo original, Henrique Feist, após o sucesso de bilheteira do seu último espectáculo sobre os anos 60, promete levar novamente o público numa viagem ao passado. Uma viagem pela história da Eurovisão, focada também muito no aspecto histórico e político porque, para além da componente de espectáculo e entretenimento, o festival tem uma grande carga política. A partir do dia 29 de Março, no Auditório do Casino Estoril, a história, factos, acontecimentos, o lado B do Festival Eurovisão será desvendado, num espectáculo maravilhoso, cantado e tocado ao vivo.

Balas e Purpurinas, O Lado B da Eurovisão, o novo espetáculo musical da Artfeist estreou no final de Março no Auditório do Casino Estoril. Após várias oportunidades para ganharem convites para o espetáculo eis que continuamos a querer que todos possam ver esta produção. Sendo assim estiveram convites duplos para distribuir pelas sessões dos próximos dias 13 e 14 de Abril, Sexta-feira e Sábado, respetivamente.

Num musical interpretado por Henrique Feist, Dora, Valter Mira, Catarina Pereira e Augusto Gonçalves, com o apoio do maestro Nuno Feist, os grandes temas do festival serão interpretados ao vivo enquanto se desfiam factos históricos de cada época. Pretendendo puxar pela lembrança do público através de um ambiente de boa disposição, Balas e Purpurinas pretende acima de tudo homenagear os nomes mais marcantes que passaram pelo Eurovisão, de Portugal para a Europa, abrindo o baú das memórias perante a plateia do Auditório do Casino Estoril.

12.04.18

Perfis pessoais partilhados


O Informador

redes sociais par.jpg

Há uns anos parecia ser uma moda absurda, hoje continua a ser ridículo mas com uma existência em menor escala. Falo dos perfis nas redes sociais de casais que se juntam para partilharem Facebook, Instagram e as restantes plataformas de partilha online por onde abrem conta. O que significará para os casais unirem os seus perfis num só onde tudo o que é publicado pertence aos dois, não se sabendo ao certo quem publica, quem poderá estar do outro lado, caso se tente perguntar alguma coisa ou comunicar por mensagem privada e a situação acaba por ser tão caricata como psicadélica. 

No meu pensamento é um autêntico disparate, daqueles erros tão grandes como se alguém tivesse de partilhar os seus talheres enquanto está a comer. Qual a necessidade de namorados e casados terem uma conta em comum pelas redes sociais? Só tenho uma explicação que posso resumir em duas palavras. Ciúme e controlo. Mulheres e Homens que não confiam nos seus parceiros e tentam assim que os mesmos não sejam livres no mundo da internet para que não falem com desconhecidos, visto os comentários e conversas depois ficarem visíveis perante a visita do outro, controlando-se assim tudo o que se fala e partilha perante as amizades virtuais que podem, em alguns casos, passar para a realidade.