Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

leituras-verao-billboard
02
Dez17

Curtas e Diretas #97

A comunicação social adora mesmo andar atrás do Presidente da República. Acredito até que existam guerras internas em algumas redações sobre os escolhidos para acompanharem o tio Marcelo diariamente. Será que ainda teremos uma grande reportagem com o título «Realidade do Presidente Marcelo», num acompanhamento exaustivo, 24 sobre 24 horas, em modo reality-show, sobre a vida do senhor? Falta muito pouco, tão pouco até!

02
Dez17

Convites duplos para O Último Dia de um Condenado [09 e 10.12.2017]

o ultimo dia de um condenado.jpg

Virgilio Castelo está de regresso aos palcos nacionais através do novo espetáculo produzido pela Yellow Star Company numa comemoração sobre os 150 anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal (1867-2017). Através de O Último Dia de um Condenado de Vitor Hugo, o ator fará companhia ao público que a partir de 07 de Dezembro estiver pela plateia do Teatro Armando Cortez. Com encenação de Paulo Sousa Costa, este espetáculo encontra-se em cena de Quinta a Sábado pelas 21h30 e aos Domingos pelas 18h00.

Como O Informador continua de mãos dadas com a Yellow Star Company, eis que surge assim a oportunidade de oferecer convites duplos aos leitores e visitantes do blog. Sendo assim tenho para oferecer cinco convites duplos para a sessão de Sábado, 09 de Dezembro, pelas 21h30, e sete convites duplos para a sessão das 18h00 de Domingo, 10 de Dezembro. 

01
Dez17

Vencedores dos convites duplos para A Bela e o Monstro [02.12.2017]

a bela e o monstro.png

Recentemente estreada uma nova temporada do musical A Bela e o Monstro no Auditório do Casino Estoril, o público está assim de novo convidado a assistir a este espetáculo que tem agradado a miúdos e graúdos ao longo dos quatro anos em que já se encontra em cena e em digressão pelo país. Agora e porque é Natal, as personagens conhecidas de todos nós voltaram aos arredores da capital e aqui pelo blog estiveram dois convites duplos disponíveis para oferecer a quem se inscreveu no desafio que agora termina. 

Sorteados de forma aleatória através do sistema random.org, Liliana Sá e Susana Simões foram as vencedoras dos convites duplos destinados à sessão das 11h00 de Sábado, 02 de Dezembro. As vencedoras irão assim ter a oportunidade de assistir a este espetáculo que conta com a interpretação de Mara Prates, Luis Pacheco, Jorge Kapinha, Mafalda Teixeira, Patricia Candoso, Diogo Garcia, Anilson Eugénio, José Nuno e Júlio Mesquita num texto adaptado por Paulo Sousa Costa e encenado por João Didelet. 

01
Dez17

Um Mais Um [Jojo Moyes]

um mais um.jpg

Autor: Jojo Moyes

Editora: Porto Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2017

Páginas: 424

ISBN: 978-972-0-03002-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Uma mãe por conta própria

Jess Thomas faz o seu melhor, dia após dia. É difícil lutar sozinha.

E, por vezes, assume riscos que não devia. Apenas porque tem de ser…

 

Uma família caótica

Tanzie, a filha de Jess, é uma criança dotada e brilhante a lidar com números, mas sem apoio nunca terá oportunidade de se revelar.

Nicky, enteado de Jess, é um adolescente reservado, que não consegue sozinho fazer frente às perseguições de que é alvo na escola.

Por vezes, Jess sente que os filhos se estão a afundar…

 

Um desconhecido atraente

Ed Nicholls entra nas suas vidas. Ele é um homem com um passado complicado que foge desesperado de um futuro incerto. Ed sabe o que é a solidão. E quer ajudá-los…

 

Uma história de amor inesperada

Um mais um - A fórmula da felicidade é um romance cativante e original sobre duas pessoas que se encontram em circunstâncias difíceis.

 

Opinião: Um Mais Um é daqueles romances que acabam por não surpreender na generalidade da história que vai sendo contada, no entanto é uma narrativa que me acabou por conquistar desde o início pela simplicidade e verdade dos factos que vão sendo contados. 

Neste romance onde a busca da felicidade escondida acontece Jojo Moyes consegue provocar um misto de emoções junto do leitor que começa por acompanhar a vida de Jess e dos seus dois filhos, Tanzie e Nicky, numa vida solitária e de luta diária onde um adulto faz de tudo para nada faltar junto dos mais novos que estão ao seu cuidado. Uma luta diária onde as contas estão para pagar, a comida é necessária pela mesa onde a tristeza não pode ser mostrada para que nada influencie a vida familiar. As dificuldades rotineiras de Jess, os problemas de bullying para com Nicky junto dos outros miúdos na escola e as contas exatas de Tanzie revelam uma família que facilmente conquista o leitor logo na fase inicial de perceção da história e é ai que Jojo Moyes mostra que tem a fórmula certa para nos prender desde o primeiro instante a Um Mais Um.

Contando a história primeiramente entre as vidas comuns de Jess, Tanzie e Nicky e acrescentando depois e para fazer contrassenso o milionário Ed Nicholls, a autora vai mostrando o passado destas quatro figuras até ao momento em que se encontram para uma viagem inesperada e recheada de tantos contratempos que os dias parecem anos e esse tempo consegue ser tão bem descrito com o que vai acontecendo que consegui chegar ao final a pensar que tudo tinha acontecido ao longo de semanas, quando grande parte da ação não durou sequer uns ligeiros dias. Jojo é uma excelente contadora de histórias e isso está bem provado em Um Mais Um onde em algum momento o leitor fica cansado da informação que está a receber. Tudo nesta criação parece tão real e faz sentido, desde o abandono de Jess por parte do marido que a deixou com uma filha do casal nos braços e a criar ainda um filho que não é seu, deixado pelo marido aos seus cuidados e provando que a família não se faz só de sangue mas sim dos afetos. Depois a mudança que Ed vai vendo acontecer ao lado desta família que não está dentro das normas que a sociedade dita como normais. A conturbada viagem para alcançar um sonho, a descoberta e aproximação com o passado, os receios, os medos e as questões que vão sendo colocadas por cada personagem são fulcrais junto do leitor que vai ficando preso aos desenvolvimentos que estão por acontecer, tendo chegado a pensar que talvez a união pudesse mesmo terminar num contra-tempo. 

A base é simples, fácil de perceber o final, embora se possa hesitar em alguns momentos que os caminhos não seguirão o trajeto desejado, mas a forma como esta narrativa está embrulhada cativa e conquista de tal modo que nem os limites onde Jess vive, os receios de Nicky, os estudos matemáticos de Tanzie e os problemas judiciais de Ed deixam de fazer sentido. Juntos numa viagem onde as experiências de vida distantes, poderes económicos dispares e uma adrenalina recheada de preconceitos que se aliam ao conhecimento do outro fazem a diferença e mantém a curiosidade sobre como o que começa em tempestade conseguirá terminar em beleza, mesmo quando nada segue o caminho da pacificação.

Pág. 13/13