Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

regresso-as-aulas-apoio-escolar-billboard

Vencedores de A República das Bananas [29/04/2016]

28
Abr16

A República das Bananas assentou arraias no Teatro Politeama há alguns meses e desde aí que sessão após sessão tem recebido os aplausos do público que enche a sala lisboeta para assistir a mais um espetáculo produzido pela equipa de Filipe La Féria. Com um elenco de nomes bem conhecidos do público, como é o caso de Rita Ribeiro, Ricardo Castro, Anabela e José Raposo, nesta verdadeira república recheada de bananas o humor e a critica social marcam presença do início ao fim, existindo espaço para vários momentos musicais e de homenagem pelo meio. O Informador viu e teve dez convites duplos para oferecer aos leitores do blog!

Terminado o prazo do passatempo, eis a altura de revelar a lista dos vencedores que serão também contactados via email e que irão assistir à sessão do próximo dia 29 de Abril, Sexta-feira, pelas 21h30, de A República das Bananas. 

A Memória

28
Abr16

a memória.jpg

Autor: David Baldacci

Data: Março de 2016

Editora: Clube do Autor

Número de páginas: 424 páginas

Classificação: 4 em 5

 

Opinião: Um ser com uma memória perfeita no meio de um turbilhão de sentimentos e com muita acção inicia e termina o enredo criado por David Baldacci em A Memória. 

Um crime familiar abala a vida de Decker que a partir dai se transforma na pessoa que não esperava ser. Abalado pela morte das pessoas que mais ama, o nosso protagonista deixa a vida que sempre teve enquanto homem para se afundar nas profundezas da sociedade que o reprime e espezinha. Aos poucos e porque é necessário voltar a acordar das cinzas, Decker é chamado a ajudar na investigação de um caso que tanto lhe diz. E as coisas acontecem numa obra que está pensada do princípio ao fim, percebendo que existe um bom fio condutor quando o autor iniciou a escrita desta narrativa que conta com um herói pouco convencional. 

Com uma memória excepcional e uma perspicácia fora de comum, Decker consegue chegar onde os seus colegas de profissão não alcançam. Imagens do passado, passagens, conversas e pressentimentos encaixam na mente deste homem que perdeu tudo e que aos poucos volta a ter vontade de viver em busca da crua verdade.

Com uma escrita simples e ousada, em A Memória conseguimos ter a noção da força de uma equipa de investigação, em que cada um tem o seu lugar bem específico e de intervenção para que as coisas aconteçam em pouco tempo. Mistério, suspense, acção e acima de tudo força de vencer são os principais atributos deste livro que fornece ao leitor todos os momentos da personagem central dentro do ciclo em que é encaixado para que um bom desfecho aconteça. A primeira verdade passa a estar em segundo plano logo de seguida quando novos pormenores vão sendo descobertos numa intriga que sempre tem algo de novo para contar, sem momentos mortos e com poucas pausas temporais, fazendo com que a cada página exista vontade de seguir em frente para se saber mais. Aos poucos todos somos convidados a entrar na cena do crime, querendo depois conseguir chegar ao ponto chave da questão, o desfecho.

Na parte final e embora sempre tenha gostado da forma como tudo foi contado, achei que nas cenas derradeiras, o autor precipitou-se demasiado, tendo relatado tudo em jeito de corrida, perdendo a oportunidade de conseguir elaborar uma boa cena final que seria digna de tudo o que é descrito ao longo de mais de quatrocentas páginas!

Fatura com contribuinte, sff!

28
Abr16

Por vezes noto que as pessoas ficam incomodadas quando peço para colocar contribuinte nas faturas. Será que estou a exigir algo a que não tenho direito? Quando são os patrões de qualquer estabelecimento então ainda conseguem mostrar uma cara mais do que desagradável em certas ocasiões só por começarmos a frase... «quero contribuinte na fatura, sff».

Não peço nada que não esteja dentro da lei para ser feito e já existem locais em que por saber que as pessoas fazem quase questão de não fornecer sequer o talão de compra para não declararem as suas reais vendas ainda fico com uma maior vontade para lhes pedir para colocarem o contribuinte.