Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

18.03.16

Lisboa/Porto por 9,5€


O Informador

comboio.jpg

A CP a partir do final do mês tem um bombom, que me parece trazer alguma na manga, para os seus utentes. Fazer a viagem entre cidades ficará mais barato. Viajar de Lisboa ao Porto e vice-versa, por exemplo, ficará a custar somente 9,5€.

Ao que tudo indica pela informação tornada pública irão existir descontos na ordem dos 65% em viagens de longe curso em Alfa Pendular e de 62% em deslocações intercidades.

Se eles dão algo bom aos utentes o que existirá para já como contrapartida? Os bilhetes terão de ser adquiridos com, pelo menos, oito dias de antecedência e existem lugares limitados por cada ligação entre cidades. 

18.03.16

Trabalhar cedo é tortura


O Informador

Um estudo revelado há dias vai de encontro à minha ideia diária... Trabalhar antes das dez da manhã é equivalente a tortura!

Segundo o Dr. Paul Kelley, investigador da Universidade de Oxford, o facto de trabalharmos antes das dez da manhã custa bastante... «Antes dos 55 anos, os ritmos circadianos dos adultos estão completamente fora de sincronia com trabalhos normais das nove às cinco, o que representa uma grave ameaça para o desempenho, humor e saúde mental.» Com os dados deste estudo, o investigador revela ser necessária uma alteração global na forma de trabalhar, defendendo que o trabalho diário deverá começar mais tarde, tal como os horários escolares das crianças. Outros estudos vão de encontro a este, revelando que em termos escolares os piores rendimentos andam pelas primeiras horas do dia, estando os melhores a partir das onde da manhã. Dr. Kelley defende que «Os trabalhadores estão geralmente privados de sono. Nós temos uma sociedade privada de sono. É extremamente prejudicial aos sistemas do corpo, porque estamos a afectar os sistemas emocionais e de desempenho físico no nosso corpo. O nosso fígado e o nosso coração têm padrões diferentes e estamos a pedir-lhes para mudarem duas ou três horas. Esta é uma questão internacional. Todo o mundo está a sofrer e não precisa.»