Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

14.02.16

Amor na viuvez


O Informador

Anos e anos de amor correspondido e depois quando um parte como é vivida a solidão que tem de seguir de mãos dadas com quem enfrenta a dor do luto?!

Neste Dia dos Namorados também é bom pensar nos que ficaram sozinhos pelos últimos tempos pela perda física do seu companheiro de vida, aquele com quem foi criada uma família recheada de bons e maus momentos de união e onde o amor existe. Como ultrapassar uma fase conturbada após anos de felicidade e reaprender a celebrar com um testemunho diferente os dias que supostamente foram de alegria ao longo de algum tempo?

Vivemos e festejamos por tudo e mais alguma coisa, esquecendo de quem perde ao longo da vida a sua metade, o elo perfeito para uma vida também ela perfeita de conjugação de dois seres que se completam e que seguem de mãos dadas com um amor correspondido e interrompido pelas causas da vida. 

Muitos não ligam a dias marcados para lançar os foguetes e celebrarem o amor, por exemplo, mas como ficarão os que sempre ficaram de mãos dadas neste dia célebre do amor? Acredito que a tristeza cause mossa, peso e traga consigo aquele verdadeiro sentimento de solidão que os apaixonados com a sorte do seu lado não conseguem entender. Os verdadeiros crentes continuam a celebrar o amor eterno com o seu companheiro que entretanto possa partir, mas nada é como antes. Uns tempos de luto, a vontade de reagir é pouca ou nenhuma mas a fé que a volta irá ser dada acontece e por vezes quando menos se espera. 

Acredito que sempre, em qualquer idade, existe espaço e tempo para dar a volta à situação, reencontrando o amor. Sabe-se que quem ama e fica sozinho não pensa de imediato em voltar a encontrar a paixão, mas o que é certo é que nos assuntos do coração a surpresa por vezes também faz das suas, existindo sempre a hipótese de voltar a encontrar a companhia perfeita que irá encher de calor um ser outrora em comunhão com a tristeza e pessimismo. Não digo que um grande amor de uma vida que entretanto foi interrompida seja esquecido, nada disso, mas que pode ficar acompanhado por outro amor, vivido de outra forma, isso é possível, basta ter vontade de seguir em frente e pensar na felicidade que pode espreitar ao virar da esquina, sem medos e pensamentos sobre seguir ou não em frente quando a vontade existe.