Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Doces e Televisão

03
Ago15

Neste momento estou com a televisão ligada porque A Única Mulher está em estado de alerta, o computador ligado com um episódio de Tyrant em espera para ser visto, uma caixa de gomas do Lidl pela secretária e uma barra de Milka de Morango a espreitar. 

Conseguirei resistir aos motivos chocolateiros após fechar a cápsula de gomas? Doces e mais doces com o mundo televisão a dar o mote para ir comendo e não ser lembrado dos males adocicados que vou cometendo!

Sapatos Italianos

03
Ago15

sapatos-italianos.jpg

Autor: Henning Mankell

Ano: Maio de 2012

Editora: Editorial Presença

Número de páginas: 288 páginas

Classificação: 2 em 5

 

Opinião:

Com um início de apresentação de Fredrik Welin enfadonho, este homem solitário que vive numa ilha glaciar há mais de uma década com o seu cão e gata passa todo o tempo a vaguear pelo pequeno território que é seu, a única coisa que sabe ter na vida. 

Só que de um momento para o outro entra na rotina deste ser isolado Harriet, uma antiga e forte paixão que trás consigo uma grande revelação que começa a alterar o rumo de vida que Fredrik tem. Será que existe sempre tempo para recomeçar de novo qualquer relação? Algo que foi descoberto por este homem que vê entrar na sua existência pessoas cujas quais nem sonhava existirem. 

Através de um texto fluído mas monótono, o autor Henning Mankell relata ao leitor o quase dia a dia das alterações de vida que vão acontecendo com o sexagenário que anteriormente só via o carteiro e poucos mais aparecer com as suas maleitas imaginárias. Uma narrativa sem interrupções mas monótona onde tudo parece demorar para acontecer, não me tendo este romance conquistado em alguma das suas partes. 

Mínimos

03
Ago15

12345.jpg

Prometia, tem cumprido junto da maioria do público mas não me convenceu! É certo que gostei e soltei várias gargalhadas ao longo dos noventa minutos de Mínimos, no entanto não sai da sala de cimena com a sensação que esperava.

Usando a boa fama que os pequenos bonecos amarelos conseguiram junto dos fãs em Gru, o Maldisposto, a aposta é certeira num filme protagonizado pelos verdadeiros heróis de outrora, no entanto podiam ter feito um outro enredo em detrimento das perseguições onde os maus da fita existem sempre.

Não gosto de ver filmes animados onde tudo se baseia nos bonecos andarem atrás dos vilões para salvarem a honra do convento, neste caso a honra da coroa. Qual a razão de não terem feito o filme com os Mínimos com uma história familiar e bem mais animada sem armas e maroscas para conseguirem alcançar o que tanto queriam?

Certo que os pequenos vivem em comunidade e protegem-se mutuamente, lutando como um todo e passando uma grande mensagem nesse campo, no entanto esse estilo é deveras irritante nos momentos em que Scarlett interege com a comunidade amarela de forma completamente desnecessária.