Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Boa estreia de The Money Drop

31
Mar15

Anunciado como o programa que irá daqui a uns tempos destronar a liderança de uma década de O Preço Certo, The Money Drop estreou e venceu! Quem diria!

Não acreditava que o novo concurso apresentado por Teresa Guilherme nos finais de tarde da TVI conseguisse chegar e liderar na sua primeira emissão, acreditando que isso ficaria para daqui a umas semanas ou mesmo meses. The Money Drop não só liderou como atirou o seu concorrente mais direto, o programa de Fernando Mendes para a terceira posição no horário. Com um rating baixo, as três apostas de final de tarde dos canais generalistas sempre baixam os seus valores com a mudança de hora, talvez por isso esta estreia ter acontecido precisamente na primeira semana deste novo horário de Primavera/Verão.

Conseguirá Teresa Guilherme manter e elevar a sua posição no horário que dá acesso aos principais serviços noticiosos do dia? A luta começou bem, o programa terá de manter-se como está, ter concorrentes engraçados e que alinham na estratégia do jogo e a aposta tem de ser contínua. 

Estreia com resultado positivo mas veremos como as coisas correrão a partir de agora!

Recordar é viver!

31
Mar15

Por momentos surgiu-me no pensamento o tema A mula da cooperativa, de Max, e das péssimas figurinhas que fiz em criança perante a família a cantar e interpretar este tema! Hoje vejo que fiz grandes figuras e por isso todos riam e achavam graça às minhas cantorias e danças deste tema.

Uma criança com talvez uns sete anos, uns dentes a menos, uns óculos de tamanho gigante e um esqueleto franzino numa só pessoa, eu eu! Esse ser magricela e sem jeito que interpretava do início ao fim A mula da cooperativa, repetindo a proeza junto de avós e tios quando os papás achavam que era engraçado eu poder dar um pouco do meu show caseiro perante a família!

Que vergonha que senti em relembrar este mau momento do passado bem longínquo e que acabou por me marcar, uma vez que nunca mais esqueci certas imagens de mim próprio a dar às pernas e aos braços enquanto entoava que a mula deu dois coices no telhado...