Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Dias gelados

05
Fev15

Temperaturas baixas com muito frio e algum vento à mistura têm sido cada vez mais recorrentes de ano para ano! E agora, neste Inverno 2014/15, parece que a tradição está a adensar-se ainda mais! Seremos capazes de resistir a tanto gelo com estas vagas vindas sabe-se lá de onde?

De dia o sol tem despertado, embora com algum vento, ainda se consegue estar recostado a algum canto onde os raios de luz conseguem ajudar ao aquecimento por uns tempos. O pior está pela manhã, quando se sai da cama e uns minutos depois o frio da rua espera-nos, e ao serão, onde ao chegar a casa já não apetece mais sair! Quando chegarão os dias amenos, assim com o calor a aparecer aos poucos para afastar estas semanas invernais e congeladas?

A bater o dente!

Serviços finais

05
Fev15

Sim, é complicado afirmar a alguém que o seu contrato não irá ser renovado! Sim, é paralelamente complicado assistir à reacção da mesma pessoa por ficar ainda contente por ver o seu emprego deixar de existir sem qualquer direito ao fundo de desemprego! Sim, não sei o que se passa pela cabeça das pessoas quando expressam o que vão pensando no confronto com determinadas situações que pela ideia de quem lhes dá as más notícias acredita-se que a reacção ficaria de mãos dadas com a tristeza!

Um emprego com poucos meses e que pareceu na altura ter ajudado a aliviar as contas de uma recente família apareceu e agora terminou! Informa-se a pessoa em questão que o seu contrato está a terminar e que o mesmo não será renovado por mais um tempo, isto por uma quebra do trabalho necessário e também pela pouca evolução demonstrada ao longo das semanas em que a oportunidade surgiu para mostrar se valeria mesmo a pena continuar a insistir e apostar num determinado trabalhador ou não.

Chama-se o contratado para lhe dar as más notícias, antes pensa-se que as coisas que se irão dizer dentro de quatro paredes não são boas de afirmar e muito menos de ouvir e depois, na presença do protagonista do despedimento, percebe-se que afinal a ideia de custo e tristeza só ficou mesmo para quem tomou a decisão. Quem gosta mesmo de ser despedido sem qualquer direito a subsídio de desemprego e ainda fica contente quando as contas familiares necessitam de um ordenado para continuarem a correr bem?

Confesso que não percebo os novos trabalhadores do presente, aqueles que aparecem em entrevistas e afirmam não querer trabalhar, só andando a passear em busca daquele emprego de sonho, aquele que muitas vezes nem os próprios sabem qual é! Faz-me confusão como as pessoas não se preocupam em ganhar as suas coisas com força de vontade, não ficando nada preocupados ao voltarem para casa, sem qualquer dinheiro que lhes garanta sobrevivência pelos próximos meses! O que terão estes seres em mente para o dia de amanhã em que não terão um emprego que os ajude a pagar as contas que se vão acumulando com o passar dos dias?!