Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

leituras-verao-billboard
31
Out13

Mais vistos de Outubro

Existem curiosidades de um blogue que por vezes são engraçadas para partilhar com quem nos segue no dia-a-dia e este mês, também inspirado por alguns textos que a Mau Feitio tem partilhado de vez em quando ao divulgar os posts mais vistos do dia, lembrei-me de mostrar os meus Mais Vistos de Outubro. E existem surpresas que muitos nem vão perceber como aparecerem entre os 10 mais de O Informador!

  1. O Informador [Página Principal] - http://oinformador.com/
  2. Passatempo - A Culpa - http://oinformador.com/passatempo-a-culpa/
  3. Primark invade o Colombo - http://oinformador.com/primark-invade-o-colombo/
  4. TVI acorda para a ficção - http://oinformador.com/tvi-acorda-para-a-ficcao/
  5. O carro do filho de Cristiano Ronaldo - http://oinformador.com/o-carro-do-filho-de-cristiano-ronaldo/
  6. A Bárbara, o Carrilho e a Imprensa - http://oinformador.com/barbara-e-carrilho/
  7. Sala IMAX do Colombo - http://oinformador.com/sala-imax-do-colombo/
  8. Ups! O Coelho é uma Ave - http://oinformador.com/ups-o-coelho-e-uma-ave/
  9. Aníbal: Casting ou Convite - http://oinformador.com/anibal-casting-ou-convite/
  10. O Homem de Constantinopla - http://oinformador.com/o-homem-de-constantinopla/

Alguns destes posts tiveram a sua publicação em Outubro, mas metade deles já tem alguns meses e ainda continuam a ser destaque entre os melhores do rating do meu blogue. Percebo que a maioria tem palavras chave que recrutam, através do Google e companhia, mais visitantes para esta minha casa online, mas também gostaria de ver outros textos que me deram talvez um maior prazer no momento da escrita a entrarem nesta lista dos mais vistos!

No último dia de Novembro, se não me esquecer, voltarei a publicar algo semelhante para ver se esta lista mudou por completo ou se existem os assuntos que chegaram até aqui para ficarem e não deixarem o seu posto de comando!

31
Out13

Blogue do Mês - Cláudia Oliveira, a Mau Feitio

A partir de agora, e uma vez por mês, irei partilhar a minha escolha do mundo blogueiro através de um novo espaço, Blogue do Mês! Para os mais atentos, a escolha deste primeiro mês é quase óbvia, para os mais distraídos deixo aqui a informação de que a dona deste local escolhido é minha amiga e prima afastada. Razões para a escolha? Afinidade e o facto de ter sido ela uma das pessoas que me apoiaram na criação de O Informador! Isto para não falar do facto de que sou um seguidor desta sua casa online!

Cláudia Oliveira, a Mau Feitio

«Ela não anda, ela desfila, ela é top, capa de revista!» Não, ela não se acha nada assim, mas que tem estilo tem e de que sabe bem o que quer, disso também não tenho dúvidas. Antes de me aventurar neste mundo da escrita blogueira já visitava este espaço da Cláudia porque assim tinha de ser para me encontrar a par das opiniões desta jovem quase mãe do meu priminho! Ela tem uma entidade bem vincada e um feitio complexo, conjuga na perfeição com o meu sentido de amizade e partilha com todos o que tem. Pode ser má mas também sabe ser bem boazinha, dependendo dos gostos e da vontade!

No seu blogue partilha a sua vida, as suas ideias e vontades, os seus gostos literários e de moda e conta as suas peripécias e aventuras desde Junho de 2008. Eu cheguei mais tarde e fiquei fã! Posso concordar com muitos dos seus textos mas também existem os que vão contra os meus gostos, no entanto e porque tudo na vida é assim, só tenho a dizer que a favor ou contra, eu gosto de seguir esta Mau Feitio! Visitem-na!

«Foi este mau feitio que me deixou na penúria em que hoje vivo alegremente»

José Eduardo Agualusa

Como já disse logo no início deste texto, a partir de agora, e uma vez por mês, irei eleger o Blogue do Mês por aqui, como tal e porque também quero conhecer novos horizontes neste mundo, aos blogueiros que me seguem e que me queiram dar a conhecer o seu espaço para quem sabe os também poder partilhar por aqui, enviei-me através de comentário ou por email - geral@oinformador.com - o vosso endereço!

30
Out13

Remetente errado e incompreendido

Um pormenor... Quando uma pessoa se afirma perante os outros como sendo detentora de algum dinheiro a modos de poder oferecer o que tem porque não é por isso que os seus euros saem beliscados, existe necessidade de se enviarem mensagens ou fazerem chamadas para alguém, sendo que o remetente é outro? Passo a explicar...

Querem saber da pessoa X, mas como esse ser é de uma rede móvel diferente da de quem quer saber de si, o que se faz? Envia-se uma mensagem para um possuidor de um número em que não se paguem mensagens, mesmo que nessa hora se saiba que o destinatário e o que acaba por receber a sms não estão juntos. Quando se quer saber realmente de alguém não se envia mensagem ou liga directamente para a pessoa, mesmo que se tenham que gastar uns míseros cêntimos? Não faz nenhum sentido andar a incomodar os outros com assuntos que não são seus só porque quem se acha rico parece não ter dinheiro para gastar com o carregamento do seu telemóvel e opta assim por fazer passar a sua mensagem através de pessoas para quem não pagam as palavras que são transmitidas!

Existem tantas coisas incompreendidas que nem sei por onde começar num role de acções desnecessárias e que neste caso fizeram com que não respondesse à mensagem que me foi enviada para ser transmitida a outra pessoa porque os 0,10€ que se iriam pagar se a mesma fosse enviada de forma direta custa muito a quem se gaba de ser uma pessoa que é elogiada pelos responsáveis do seu banco por não perceberem como alguém com a sua idade conseguiu amealhar tanto... Pode ter, mas como não tem vida social, tem perdido todo um mundo em busca da riqueza que não lhe trás a mínima felicidade!

Incompreensões!

30
Out13

Vou ler... Já Ninguém Morre de Amor

Já Ninguém Morre de Amor1Domingos Amaral logo me conquistou aquando do momento em que li o seu Verão Quente e há uns meses atrás voltou a fazê-lo com Quando Lisboa Tremeu. Agora e porque quero continuar a saborear as obras do autor português, chegou a vez de me deixar levar através de Já Ninguém Morre de Amor.

Este foi um dos dois livros que encomendei numa das promoções de 50% da FNAC e fez com que deixasse as mais de dez obras que estão em lista de espera pela mesa de cabeceira para trás, isto porque neste momento é um romance calmo e que não me leve a flutuar por mundos complicados que quero apreciar e prefiro como companhia.

Lá vou eu entrar na realidade amorosa descrita por Domingos Amaral em Já Ninguém Morre de Amor!

Sinopse: Dizem que já não há paixões impossíveis e fatais, que isso são coisas do passado... Mas só o dizem porque não conhecem a história dos Palma Lobo...
Os homens têm memória, alimentam-se de histórias, e as que mais nos marcam são aquelas que determinam a vida dos nossos antepassados. Esta é a história de uma família, os Palma Lobo. Bisavô, avô, pai e filho. Roberto, Álvaro, Jorge e Salvador. Nomes diferentes, mas o mesmo sangue e muito em comum: mulherengos, excêntricos, excessivos, todos marcados pela loucura e pela tortura da paixão. Foram todos homens invulgares, todos dominados por paixões privadas, amores e loucuras, e era nesse círculo íntimo do coração e do sexo que a sua vida se destina a viver e a terminar. Passando por Moçambique, Angola, Lisboa, Alentejo e Brasil, a sua vida é uma epopeia à espera de ser revelada. Já Ninguém Morre de Amor é a odisseia dos Plama Lobo. Um enterro fictício, um homem enforcado com cães e gatos na mesma árvore, um homem que morre a fornicar e um fogo posto para fazer arder o local do pecado... esta não é uma história de amor, é uma história sobre amor.
29
Out13

O Livro dos Homens Sem Luz

O Livro dos Homens Sem LuzPoderia dizer muita coisa boa sobre O Livro dos Homens Sem Luz, no entanto nesta primeira obra que li da autoria de João Tordo a desilusão é o grande destaque porque este simboliza um dos livros que mais odiei ler. A principal razão... Não consegui entrar na história e li todas as suas 216 páginas sem conseguir encaixar com as suas personagens e locais! Um horror!

A escrita é óptima e corrida mas esta história de personagens que se cruzam e trocam de lugares não entrou na minha cabeça de maneira nenhuma! Pelo modo como tudo é contado e pela forma como Tordo mostra os seus ambientes posso dizer que irei voltar a ler algo da sua autoria porque também percebo que existem alturas em que não nos encontramos tão predispostos para determinadas narrativas e esse facto deverá ter aparecido no meu inconsciente porque logo de início fiquei sem perceber tudo o que se estava a passar. Odiei este livro, embora reconheça que tem pormenores relevantes, tendo ficado com a impressão que existe muita coisa boa para descobrir no universo literário deste autor e é isso que quero desvendar com uma próxima leitura!

Um pormenor... Consegui depois perceber a história porque a mesma me foi contada horas depois de ter terminado a minha leitura, mas posso garantir que este O Livro dos Homens Sem Luz não me convenceu por lado nenhum!

Sinopse: Ao perder tudo, um homem isola-se no silêncio de um apartamento londrino, e a sua vida começa a ser comandada pela voz de um desconhecido ao telefone; um casal fica, de um momento para o outro, soterrado nos escombros de uma casa destruída pela guerra durante o blitz alemão sobre Londres; um estudante vítima de insónia mergulha num mundo de irrealidade permanente, temendo o ameaçador vizinho do quarto contíguo; um médico mórbido constrói uma máquina de tortura num hospital isolado da costa de Brighton.

Os segredos por revelar de todas estas personagens perpassam num romance cheio de enigmas e vozes e criam uma atmosfera de suspense e claustrofobia que faz de cada página um passo expectante na direcção de uma escuridão cada vez maior, de um desenlace ao mesmo tempo macabro e romântico.

Com ecos de Kafka e de Auster e influências do novo conto gótico, O Livro dos Homens sem Luz revisita os clássicos da literatura de mistério – de Wilkie Collins a Edgar Allan Poe -, oferecendo-lhes um espaço peculiar no qual o autor entrega o destino das personagens a si próprias.

Pág. 1/13