Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Vida de Amizade

25.12.16Publicado por O Informador

Os anos vão fazendo com que as pessoas se cruzem, conheçam e acabem por perceber que os afastamentos também acontecem, por algum motivo, várias vezes com explicação de pelo menos uma das partes, mas sempre com uma explicação. 

Ao longo destes trinta anos de vida criei amizades de infância que com o crescimento fui deixando para trás em detrimento de novos conhecimentos que me fizeram sentir muito mais completo, dando-me essas novas amizades um círculo onde senti que seria feliz. Aos poucos fui deixando todo o grupo de escola primária que me foi acompanhando para conhecer de uma melhor forma algumas pessoas que ainda hoje fazem parte da minha vida. Se me posso ter arrependido das escolhas que fui fazendo na altura de forma involuntária em algum momento, hoje não sinto falta alguma de quem fui deixando pelo caminho por esses anos. Passamos de melhores amigos a conhecidos e em alguns casos nem um simples «olá» quando nos cruzamos proferimos, tal o que ficou do que outrora foi uma amizade de garotos.

Na adolescência, já tendo deixado relações para trás, voltei a conhecer, criando laços para depois nem todos, podendo até dizer, para quase nenhuns ficarem no círculo de amizades que queria ter na minha vida futura. Sou estranho, egocêntrico e não preciso de dezenas de amigos para ser felizes. Fui conhecendo, tentei manter comigo quem queria e fui deixando mais uma vez os outros, aqueles que seriam passageiros para trás. 

Mas foi na passagem da adolescência para a fase adulta que finalmente percebi que os verdadeiros amigos da altura seriam os que ficavam comigo até hoje. As amizades que surgiram após a primária, as amizades de secundária e algumas que já surgiram depois disso. Dispensei pessoas da minha vida por atitudes e comportamentos com que não concordei, que podiam não me afetar diretamente, mas por serem rotina acabaram por quebrar os nervos de qualquer pessoa.

Hoje sei quem tenho do meu lado, os meus, aqueles que defendo, de que preciso para ser feliz. Não preciso de os ver todos os dias, não preciso de os ouvir ou ler alguma coisa a toda a hora, mas sei onde estão, sei que a qualquer momento nos podemos requisitar mutuamente e esses meus são aquela família que procurei ter fora de casa, aquelas pessoas que sempre quererei ter comigo ao longo dos anos que cá estarei. Ser velhote e sentar no banco de jardim a conversar sobre um passado que nos foi unindo num elo que nos ajudou a seguir em frente. 

Amo os escolhidos e pelos quais fui escolhido como amo a minha família de sangue! Todos fazem parte de mim, dos que conheci, às pessoas que escolheram para fazerem parte também da nossa ligação e do que já criaram para que os laços alargassem para uma verdadeira família de gerações. Amor não se paga, amor cuida-se e vocês cuidam de mim da maneira que vos deixo estarem no meu íntimo! Obrigado!

3 Comentários

Comentar Post