Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

09
Set17

Fumos vizinhos


O Informador

Não é que os vizinhos, aqueles meio estranhos que não cumprimentam, não estendem roupa e não geram lixo, agora deram para grelhar carne numa varanda do quarto quando têm do lado da cozinha a rua mesmo ao lado?

Pois é, se nos descuidamos com janelas abertas e roupa estendida fica tudo a cheirar a fumo e como se isso não bastasse, o fogareiro e o carvão que utilizam devem ser tão reutilizados que larga pequenas fagulhas que ficam pelo parapeito das janelas e pelo chão da nossa varanda como se tivesse existido um incêndio. Não sei como é as pessoas conseguem não ter raciocínio para tentarem fazer as coisas corretamente e tentarem estar de acordo com o bem-estar social.

Montaram uma antena de televisão por cabo e deixaram o quintal da vizinhança cheio de pó, não limpam a entrada de casa há meses, não abrem janelas e quando saímos há rua ao mesmo tempo que abrem a porta para saírem o bafo do tabaco quase que nos adormece, a varanda estala quando andam do pó que acumulou e por isso é que está forrada com um pano escuro para não se ver a desgraça, as flores murchas plantadas em vasos partidos, um pássaro que passa os dias ao sol, o berbequim a furar paredes semanalmente pelas primeiras horas do dia ao fim-de-semana...

25
Ago17

Má vizinhança


O Informador

A educação é passada de pais para filhos mas todos podemos ajudar e contribuir para a formação dos mais novos. O pior é quando os mais velhos não têm a base necessária para apoiar os que necessitam e ainda conseguem revelar comportamentos piores e sem qualquer falta de bom senso.

Há uns dias fui ao café fora da aldeia após o jantar e a vizinha, que simplesmente dá os bons dias quando se cruza com alguém, a mãe da miúda que tem medo das pessoas e baixa a cara quando vê alguém, estava sentada com uma filha mais velha na esplanada. Se ao nos cruzarmos na entrada do prédio ainda me responde se nos cruzamos, já quando está sentada parece não conseguir proferir qualquer palavra. A senhora mal me viu a atravessar a estrada e a dirigir-me à esplanada para entrar no café, pegou apressadamente e de forma atrapalhada no telemóvel e começou a fazer que estava a ver alguma coisa, esqueceu-se foi de abrir a capa sebenta que protege o aparelho. 

Foi bem perceptível que a atitude foi para não me dirigir um «bom noite», mas não segui o seu comportamento e ao passar olhei e proferi «boa noite vizinha». No entanto acredito que tenha sido a última vez que lhe dirigi a palavra por iniciativa própria. A senhora vive com a família no prédio há mais de dois anos e o modo de estar é tão estranho que mesmo estando desempregada não sai de casa, não abre janelas, não estende roupa e nunca teve a coragem de lavar as escadas que são partilhadas.

16
Out16

Vizinha do lado


O Informador

Na porta em frente vive um casal com uma jovem miúda há um ano e pouco! Se revelar que até agora aquela rapariga não nos dirige a palavra não fiquem pasmados!

A miúda tem alguns problemas e não sabemos nada acerca daquela família que estacionou por estas paragens, no entanto se os adultos, que não sabemos se são ambos os pais ou não, conseguem pelo menos cumprimentar quando nos cruzamos, da jovem ficamos totalmente sem resposta e olhem que não é só connosco aqui de casa, é com toda a gente.

Existe qualquer coisa com a rapariga, o que deve fazer com que as suas atitudes quando se cruza com pessoas não sejam normais. Se abre a porta e nos vê a sair de casa ou a subir as escadas de imediato fica estática, cumprimentamos e não obtemos resposta, não reage e na rua com a vizinhança quando passa por alguém baixa a cabeça, anda de forma rápida e com ar de medo.

10
Set16

Fadista da madrugada


O Informador

O que fazer quando os vizinhos do lado lembram-se de cantar o fado de madrugada?

O tempo está quente e por aqui existe a tendência, embora não o faça, de dormirem com as janelas abertas para que entre um pouco mais de ar. Por estes dias, talvez por adormecerem tarde ou acordarem cedo demais, a vizinhança lembrou-se, com a janela aberta, de cantar o fado.

Já havia quem se tivesse queixado há uns dias sobre esse facto, mas aqui por casa nada ouvimos na altura, porém desta vez foi diferente! Cantou-se a viva voz para que toda a aldeia, caso tivesse algum interesse, pudesse apreciar o momento!

Acreditamos que a bebida faz mal a muitas pessoas e que num fadista dentro de quatro paredes os copitos tenham ajudado na festa noturna!

30
Nov15

Novos vizinhos


O Informador

A nova vizinhança chegou à porta do lado! Confesso que ainda não os vi, ainda não os ouvi e nem senti o cheiro sequer! Um casal e uma jovem adolescente atracaram no apartamento que estava para alugar há mais de um ano e preparam-se assim para fazerem parte do número quatro da rua onde sempre tenho crescido. 

Ao longo de grande parte da minha vida a «tia» viveu à nossa frente até aos últimos meses que passou no lar de idosos onde acabou por falecer. Agora uns novos habitantes acabam de invadir a casa onde sempre me senti bem com um familiar de empréstimo que cuidou de mim quando os meus pais tinham de sair e não me podiam levar e as coisas acabam neste momento por parecerem estranhas. Pessoalmente confesso que mesmo sabendo e ouvindo as explicações sobre quem se está a mudar por parte dos meus pais, a curiosidade não existe, talvez por sentir que aquele espaço onde tinha um pouco de mim não lhes pertence, não sei! 

31
Jul13

Vizinhos que discutem


O Informador

Não é possível revelar tal falta de respeito que algumas pessoas têm pelos outros. Estava eu a preparar-me para entrar no sono quando começo a ouvir a discussão que vinha da casa ao lado. «Oh não, eles estão todos a mandar vir uns com os outros e eu não vou conseguir dormir...» Pois, não consegui!

Começou por volta da meia noite, mais coisa menos coisa, e durou cerca de cinco horas. Ao longo de todo este tempo, eu deitado na minha cama e entre olhos abertos e fechados fui obrigado a ouvir o que se passava na casa do lado. Os motivos da discussão, as razões por que alguém ia sair de casa, os filhos que circulavam pelo meio da confusão dando palpites sobre o caso e até posso dizer que ouvi a mala a ser feita para se abandonar, talvez por uns dias, o lar de toda uma vida.

Pessoas, eu trabalho e gosto de dormir sossegado na minha caminha que suspira enquanto não me tem por perto, está bem? Vocês gostam de fazer barulho até às tantas com móveis e não só, agora também têm que discutir enquanto tento dormir para não me deixarem hibernar durante a noite e descansar em paz?!

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador

Mensagens

Comentários Recentes

Atual Leitura

_________________________________________________________

Parceiros Literários

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Espaço Cultural

_______________________________________________