Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

17
Fev18

Ruído na Biblioteca


O Informador

biblioteca fábrica das palavras.jpg

Frequentar uma biblioteca tem como característica encontrar algum silêncio para que a concentração seja exata, já que o local não é um centro de convívio nem uma parque de diversões. Geralmente nas entradas existem avisos para ser mantido o silêncio, só que por vezes o problema não vem dos visitantes mas sim dos próprios funcionários.

Há uns anos, quando era adolescente, para fazer tempo até apanhar o autocarro que me levava do centro do concelho para a aldeia, acabava por ficar um pouco na biblioteca pelos computadores municipais, aproveitando também para ler alguma da imprensa que estava exposta. Já na altura lembro-me de ver os bibliotecários responsáveis pelo espaço a andarem constantemente atrás das pessoas a pedirem silêncio e com o típico som «xchiuuuu». Hoje, mais de quinze anos depois, a história continua a mesma e os pensamentos que tenho também se mantém.

Se formos analisar, o que aquelas pessoas que estão como responsáveis não fazem, é que pedem silêncio aos visitantes da biblioteca, no entanto depois estão atrás do balcão ou andam pelos corredores, a falarem uns com os outros em alto e bom som, como se não estivessem dentro de um local onde os próprios pedem para as pessoas falarem baixo para que não perturbem os outros. Afinal em que ficamos? É que quem devia dar o exemplo acaba por mostrar exatamente o contrário e por vezes dá vontade, mesmo que o barulho dos outros não me perturbe, de perguntar aos funcionários se as regras que tentam impor não se aplicam aos próprios.

15
Fev18

Conclave | Robert Harris


O Informador

IMG_4196.JPG

Autor: Robert Harris

Editora: Editorial Presença

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2018

Páginas: 272

ISBN: 978-972-23-6148-4

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: O Papa morreu.

Por detrás das portas trancadas da Capela Sistina, cento e dezoito cardeais vindos de todo o planeta preparam-se para votar na eleição mais secreta do mundo.

São homens santos. Mas têm ambições. E têm rivais.

Ao fim das próximas setenta e duas horas, um deles tornar-se-á a figura espiritual mais poderosa da Terra.

 

Opinião: Robert Harris não para e com cada obra que lança surpreende pela sua fantástica capacidade de criação e elaboração de histórias que cativam pelo seu conteúdo mas também através da forma como são contadas. É assim que do início ao fim me senti rendido a Conclave, a surpresa que o autor me fez numa narrativa que explora o ato da escolha do próximo Papa após a morte de outro. 

A Igreja na literatura, geralmente, é um dos temas que não me consegue atrair, no entanto todo o mistério criado através dos olhos de Lomeli após a morte do Papa e perante a organização do próximo conclave onde a eleição do próximo responsável pela Igreja será feita cativou-me de forma total, não existindo margem para dúvidas sobre esta excelente obra de Harris. 

O cardeal Lomeli, próximo do agora anterior Papa é surpreendido pela notícia de que o ciclo terminou e o próximo Conclave terá de ser marcado. Assim começa esta narrativa que junta cento e dezoito cardeais, de todo o Mundo, na Casa de Santa Marta para que ao longo de três dias seja eleito, por votação sigilosa, pessoal e segundo as regras, o próximo responsável da Igreja. Lomeli com esta repentina notícia fica encarregue de tomar as rédeas sobre a preparação do Conclave, fazendo as convocatórias necessárias e recebendo na véspera do primeiro dia de votação os nomes que irão eleger e entrar na disputa pelo lugar. Um a um ou acompanhados, os cardeais chegam para descansarem, conversarem e reunirem ideias para que pela primeira vez que tenham de escolher um nome tenham a certeza sobre em quem vão votar. Uma votação feita, duas votações e a eleição tarda em acontecer e será a partir daí que as intrigas ocorridas ao longo do período de isolamento surgem, ficando segredos do passado a descoberto com mistérios revelados e vidas paralelas a serem colocadas em questão, gerando várias mudanças súbitas nas votações seguintes onde é necessário eleger um nome. 

Este é daqueles livros onde apetece contar tudo o que se vai passando, desde a chegada de um nome desconhecido para todos os restantes que acreditam que o elenco está completo e reunido até à descoberta de um pecado físico que se acaba por juntar a várias listas de dinheiro passado de mão em mão para que os votos num momento importante como o de um Conclave sejam dirigidos a determinado nome. Os pecados da Igreja vão passando de século em século e nem num dos momentos mais importantes os factos obscuros de alguns são deixados de lado, já que a intriga e a verdade deve andar de mão dada para que o lugar seja ocupado pelo melhor, o que realmente merece e tem poderes para honrar o que deverá ser a Igreja perante os fiéis. 

07
Fev18

Vencedor | Deixa-me Odiar-te


O Informador

deixa-me odiar-te livro.jpg

Lançado hoje, 7 de Fevereiro de 2018, pela editora Clube do Autor, Deixa-me Odiar-te, da autoria de Anna Premoli, é um dos romances vencedores do Prémio Bancarella. Como um exemplo das relações amor-ódio que vão sendo criadas por diversos ambientes sociais, nesta narrativa o que começa mal entre dois colegas de trabalho tende a melhor com o tempo e convivência, até que o amor acontece. 

Para premiar os leitores do blog no mês onde o Amor anda no ar, um exemplar de Deixa-me Odiar-te esteve disponível em passatempo ao longo dos últimos dias. Agora é o momento de revelar que foi a Fátima Martinho a vencedora deste romance amplamente elogiado. O sorteio foi feito através do sistema random.org onde todos os participantes que comentarem o texto do passatempo com acesso à sua página do Facebook ou deixando o link do mesmo foram contabilizados. 

Agradeço a todos os que tentaram a sua sorte e partilharam este desafio pelas suas redes sociais, deixando-vos com a sinopse de Deixa-me Odiar-te e com a promessa de que novas oportunidades literárias irão surgir dentro de pouco tempo.

05
Fev18

Marcada Para Morrer | Peter James


O Informador

marcada para morrer.jpg

Autor: Peter James

Editora: Clube do Autor

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2018

Páginas: 472

ISBN: 978-989-724-409-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Se há livros capazes de suspender a respiração normal do leitor, este é um deles. Tal como a obra anterior de Peter James, Marcada para Morrer é um thriller que promete dar que falar (e noites sem dormir).

Escutou-a a gritar. Um grito aterrador. Depois, surgem os corpos assassinados, uns no passado e outros no presente. No final, a perversidade por trás destes crimes vai surpreendê-lo e arrepiá-lo.

Até que ponto um passado tortuoso é capaz de gerar uma mente monstruosa e vingativa? O que fazer quando o pior mal existe naqueles em quem mais confiamos?

 

Opinião: Agarrando a série de Roy Grace a meio, rapidamente entrei na cena do crime para me deixar levar por misteriosos desaparecimentos onde cada local é marcado e vigiado para que o assassino seja rapidamente descoberto. Com base na vida do detetive Grace, o centro de toda a ação, fui levado por caminhos e descobertas macabras onde cada desaparecimento dá o mote para se seguirem pistas baseadas em pouco mas que com o tempo e como se um puzzle fosse sendo montado, conduzirão ao verdadeiro autor de todos os mistérios de Marcada para Morrer. 

Não conhecia a escrita de Peter James, não acompanhando até aqui a vida de Roy Grace enquanto personagem central de policiais mas fiquei interessado através desta criação onde o mistério de cada caso é tão bem elaborado que por muito que os dados sejam lançados ao longo do que é contado perante a investigação e do outro lado de cada caso, os passos dados e revelados acabam sempre, mas mesmo sempre, por surpreender por conseguirem mostrar que as dicas lançadas não passam disso mesmo, um mero abrir de apetite do que se passa verdadeiramente dentro do que é descoberto sobre o que foi feito. 

Em Marcada para Morrer encontramos desaparecimentos súbitos de jovens mulheres, todas com a mesma aparência, onde uma descoberta do passado que também se reflete sob a mesma base une cada caso. Grace é convidado a assumir o cargo maior da investigação, tudo ao mesmo tempo em que se encontra num período de mudanças familiares, onde um bebé chega à família e a compra de uma nova casa é feita, sendo necessário criar condições para a alteração de residência. Mas como tudo pode acontecer com um grande mistério em mãos para ser desvendado e a morte de uma colega para valorizar num momento onde as contradições sobre o bom senso e as vontades se fazem sentir por não se conseguir chegar a todo o lado ao mesmo tempo? E o que fazer no caso de Roy quando subitamente a sua ex-mulher, desaparecida há vários anos para parte incerta, poderá estar de volta? Tudo acontece na vida do detetive que acaba por enfrentar um período difícil ao longo de poucas semanas, mostrando que na realidade quem está nesta profissão por gosto tem muito para enfrentar, correndo o risco de perder vários apontamentos importantes da sua vida pessoal por um caso mais intrincado e exigente. 

30
Jan18

Ganha | Deixa-me Odiar-te


O Informador

deixa-me odiar-te livro.jpg

As relações por vezes começam num cruzamento onde uma má impressão inicial aos poucos vai sendo colmatada pelo interesse no outro através de pontos que se vão destacando, mostrando que afinal o que poderá ter sido um sentimento inicial de ódio transforma-se com o tempo em amor e é assim que Jennifer e Ian se encontram ao longo do romance Deixa-me Odiar-te, que será relançado pelo Clube do Autor no próximo dia 7 de Fevereiro. 

Da autoria de Anna Premoli e vencedor do Prémio Bancarella, este moderno romance retrata uma história onde não faltam pormenores da atualidade entre os vários momentos de divertimento e ternura que vão sendo vividos entre o par protagonista deste envolvente enredo.

Para vos deixar ainda mais curiosos com este relançamento, eis que tenho um exemplar para vos oferecer. Como? Ora bem, neste mesmo texto só têm de deixar um comentário com o que quiserem. Podem basear-se no tema «amor/ódio», nos romances que mais vos marcaram, o que esperam ler pelas próximas novidades que estão a ser lançadas no campo literário, o que quiserem mesmo comentar, até podendo deixar um simples «Eu participo!». Não será o melhor comentário o premiado, visto que selecionarei o vencedor através do sistema automático random.org, que me dará um número aleatório que será atribuido pela ordem de participação. O que é necessário é que comentem este mesmo texto aqui no blog pela caixa de comentários, com a sessão de Facebook aberta para depois conseguir contactar o vencedor de forma mais fácil. A par do comentário, a partilha do link deste texto pelo vosso feed de Facebook é essencial para a participação pode ser aceite. 

O desafio irá decorrer até às 18h00 de dia 7 de Fevereiro, dia do lançamento da reedição da obra e por agora resta-me desejar-vos boa sorte! O livro será enviado por correio na semana seguinte ao término do passatempo, não me responsabilizando pelo extravio do exemplar!

28
Jan18

Antes Que Seja Tarde | Margarida Rebelo Pinto


O Informador

antes que seja tarde.jpg

Autor: Margarida Rebelo Pinto

Editora: Clube do Autor

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2017

Páginas: 272

ISBN: 978-989-724-400-1

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Neste novo livro de Margarida Rebelo Pinto encontramos três mulheres de gerações diferentes, desde os anos 60 até aos dias de hoje, com vidas sentimentais atribuladas e algo em comum: a atração pelo proibido. 

Antes que seja tarde é um romance sobre o lado mais selvagem do amor, quando a paixão manda mais do que a razão e os sentidos falam mais alto. Os amores proibidos nunca caem na rotina, mas serão o caminho certo para o verdadeiro amor? O que fazer quando não se pode construir uma vida com quem se ama? 

O destino cruzado destas 3 mulheres leva-nos a uma viagem alucinante sobre o lado obscuro das relações, onde a mentira, a traição e o adultério andam a par com a dignidade de uma grande história de amor.

 

Opinião: Divertido, sarcástico, atual e vertiginoso! É assim que posso descrever Antes Que Seja Tarde, o romance de Margarida Rebelo Pinto onde os amores se alimentam de casamentos com traições que dão origem a desamores através de conquistas extra-conjugais onde o que está fora acaba por ser mais interessante que a vida matrimonial que se dá a conhecer perante uma sociedade que critica mas que no fundo consegue seguir os mesmos caminhos de atração física entre relações rápidas e espontâneas.

Antes Que Seja Tarde revela a história de três mulheres, de diferentes gerações mas com algo em comum, o amor pelo outro, numa relação teoricamente proibida e onde não existem barreiras nem metas a atingir porque o tempo exige que se desfrute do atual sem pensar no amanhã. A rapidez com que cada relacionamento acontece, a perceção de que não se pode exigir algo mais a quem está na sua cama, numa tarde quente de Verão mas que à noite tem uma família à espera porque a família continua a ser o porto seguro de quem comete a traição mas não deixa a estabilidade de sempre, pensando nas aparências e nos filhos. Procurar prazer por fora, não querendo algo duradouro e fugindo do amor verdadeiro são os pecados dos tempos modernos, pecados esses tão bem descritos e contados por Margarida Rebelo Pinto nesta sua nova paixão literária onde os prazeres carnais, os sonhos, a realidade e a fuga avançam e recuam como se cada personagem se encontrasse numa roda viva entre o correto e a tentação de pisar o risco. 

27
Jan18

Do Lixo para a Biblioteca


O Informador

homens biblioteca lixo.jpg

O passado mês de Setembro assinalou a abertura de uma biblioteca pública bem especial em Ancara, a capital da Turquia. Livros abandonados voltaram a estar ao dispor de todos graças aos homens que recolhem o lixo da cidade.

Tudo começou com a partilha de livros encontrados entre os trabalhadores e suas respetivas famílias, mas o projeto foi ganhando destaque e os habitantes da cidade além de começarem a deixar livros que já não queriam em casa em locais estratégicos onde sabiam que os funcionários camarários iriam passar para recolher o lixo, começaram também a entregar diretamente algumas das suas obras já lidas para uma segunda utilização e leitura, dando assim a oportunidade a que todos possam usufruir de boa literatura. 

A adesão, que começou fraca, foi ganhando força e acabou por existir necessidade de criar uma biblioteca pública para depositar todos estes livros encontrados e trocados, existindo atualmente mais de seis mil exemplares pelas estantes do espaço que a autarquia disponibilizou para o efeito. Situada numa antiga fábrica de tijolos, a nova biblioteca social conta com obras para todos os gostos literários sendo fruto de uma coleção que acaba por ganhar valor pelo modo como foi e tem sido conseguida. 

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Mensagens

Pesquisar

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador