Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

12
Jan18

Deus Não Mora em Havana | Yasmina Khadra


O Informador

deus não mora em havana.jpg

Autor: Yasmina Khadra

Editora: Editorial Bizâncio

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2017

Páginas: 256

ISBN: 978-972-53-0586-7

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: No momento em que o regime castrista perde o alento, «Don Fuego» continua a cantar nos cabarés de Havana. Outrora, a sua voz electrizava as multidões. Agora, os tempos mudaram e o rei da rumba tem de ceder o seu lugar. Entregue a si próprio, conhece Mayensi, uma jovem «ruiva e radiosa como uma chama», pela qual se apaixona perdidamente. Mas o mistério que cerca essa beldade fascinante ameaça o seu improvável idílio.

Cântico dedicado aos fabulosos destinos contrariados pela sorte, Deus não Mora em Havana é também uma viagem ao país de todos os paradoxos e de todos os sonhos.

Aliando a mestria e o fôlego de um Steinbeck contemporâneo, Yasmina Khadra conduz uma reflexão nostálgica sobre a juventude perdida, incessantemente contrabalançada pelo júbilo de cantar, de dançar e de acreditar em amanhãs felizes.

 

Opinião: Yasmina Khadra convida o leitor, como o próprio título da obra indica, a viajar até Havana para conhecer Don Fuego, um otimista artista que aos sessenta anos enche salas de espetáculos com público que surge de todos os cantos do Mundo. Só que nem tudo é controlado na vida de todos nós e de um momento para o outro o cantor que já teve Fidel, Leonid Brejnev e Pérez Pardo pela sua plateia percebe que uma mudança súbita na liderança do cabaret onde brilha todas as noites irá alterar o seu percurso profissional e consequentemente a sua vida pessoal. 

Começou assim o meu conhecimento enquanto leitor para com a vida de Juan del Monte Jonava, Don Fuego, uma personagem rica e verdadeira para com os seus sentimentos no tempo do regime de Fidel Castro. A música e os sonhos do cantor em união com a força de um povo onde a família e os valores são tornados como base importante para a sociedade acabam por ser a base desta história onde rapidamente consegui perceber que estava perante um bom romance. 

Com a vida do avesso mas sem perder a verdadeira esperança de começar de novo, Don Fuego consegue mesmo assim olhar para quem se encontra em pior situação e é assim que se cruza com Mayensi, uma jovem que o conquista facilmente pela sua beleza e forma de trato. O tempo vai passando, a situação profissional vai sofrendo os seus altos e baixos e a jovem descoberta continua sob a sua alçada, redescobrindo o nosso herói o amor onde o companheirismo e a cumplicidade são descobertos ao mesmo tempo que se vai procurando reencontrar um lugar social que foi perdido de um momento para o outro. Mas quem será Mayensi, que misteriosamente aparece para mexer com a vida de Juan, e que não me inspira grande confiança logo de início?

08
Jan18

Nenhuma Verdade Se Escreve no Singular | Cláudia Cruz Santos


O Informador

nenhuma verdade se escreve no singulare.jpg

Autor: Cláudia Cruz Santos

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2017

Páginas: 248

ISBN: 978-972-25-3478-9

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: A vida pessoal de Amália encolhe ao mesmo ritmo que a atenção prestada à sua vida profissional se expande. Na sua sala de julgamentos entram homicidas, ladrões, traficantes de droga, jogadores de futebol corruptos, deportados ou vítimas de crimes sexuais. Em sua casa, deixou de entrar o homem que ama, e Marta, a menina que acolheu, sonha regressar ao bairro social onde vivia antes de ser institucionalizada. 

Amália passa as noites acordada, presa nas suas muitas perguntas sem resposta, a olhar para um quadro misterioso onde uma mulher engaiolada segura, inerte, as chaves que poderia usar para se soltar — até que resolve, ela própria, ir à procura do que significa a palavra liberdade.

 

Opinião: Primeiramente conhecemos Amália, uma profissional realizada mas que na sua vida intima perdeu a pessoa que amava sem qualquer explicação, tendo ficado para trás, sozinha, com amigos e conhecidos por perto e sem uma vida familiar, sendo no presente uma figura carente e fria. Posteriormente aparece Marta, uma jovem que ao entrar na vida de Amália, tudo altera para bem das duas. Rodeada de problemas familiares e a necessitar de apoio, Marta é acolhida por Amália, mas em seu redor circulam um avô protetor da jovem e um pai onde problema é a sua principal definição. De um momento para o outro a vida de Amália é alterada e as certezas perante a solidão são colocadas em causa, transformando o seu dia-a-dia em torno dos cuidados para com Marta, uma jovem que conquista pela sua força de vontade mas que acaba por se mostrar vulnerável pela vida que já passou onde o abandono lhe provocou fragilidades mas ao mesmo tempo uma maturidade com bases vem vincadas. Com Marta em seu redor é necessário lutar contra a individualidade a que está habituada e esse é um dos pontos fortes desta história. Aprender a partilhar para saber cuidar sem esquecer que quem está do outro lado tem as suas próprias ambições, desejos e vontades. 

Com uma história simples e contada de forma lenta, Nenhuma Verdade se Escreve no Singular é daqueles livros que contam uma história onde não existe vontade de terminar, fazendo com que o leitor se deixe embalar pelas palavras que mostram dois universos femininos que se cruzam em determinados momentos das suas vidas para se ajudarem mutuamente a descobrirem novos horizontes e capacidades. Esta narrativa tem uma particularidade rara de convidar o leitor a desfrutar pausadamente da história criada, absorvendo cada personagem para que se reflita um pouco sobre o que faria se estivesse em determinada situação, não existindo pressa para que se termine a leitura porque a vontade de conhecer o desfecho tem de ser adiada pela força do pressentimento sobre o que poderá acontecer.

A par da história central e por influência da autora, que tem um passado profissional e literário ligado à justiça, ao longo do que é contado somos convidados a conhecer outras vidas, as histórias que são relatadas em julgamento para que sejam avaliadas por Amália. As reflexões da jurista sobre as decisões a tomar e os problemas dos outros são tomados como parte importante desta narrativa por aparecerem em uníssono com as alterações que lhe estão a ser impostas na sua vida particular. 

04
Jan18

Ler Nunca é Demais


O Informador

book.jpg

2018 chegou e uma nova etapa literária era necessária lançar e colocar no Goodreads para que me volte a surpreender e consiga ultrapassar a meta que pretendo atingir pelos próximos meses. Para este novo ano serão 40 os livros que pretendo ler. Serão doze meses de leitura, com narrativas para todos os gostos e géneros bem distintos entre si. Irei manter alguns autores de eleição por estas leituras e também quero continuar a conhecer novas escritas e métodos de contar uma boa história. 

Foi em 2015 que comecei a colocar objetivos anuais nas leituras que faço. Ao longo do ano não vou ligando muito a esta contagem, no entanto o que tem acontecido é que algumas semanas antes do final de cada ano percebo que o objetivo está ultrapassado, fazendo com que coloque de ano para ano um número maior que pela terceira vez consecutiva foi atingido com sucesso.

Em 2015 os 24 livros que pretendia ler foram alcançados, tendo conseguido atingir as 26 obras lidas. Já em 2016 subi a fasquia para os 25 e acabei por ler 33. Em 2017 consegui voltar a superar-me e dos 30 pretendidos consegui fazer ainda melhor e chegar aos 40. Agora e porque consegui melhorar em três anos a fluidez das leituras, eis que a fasquia sobe para os 40, pretendendo pelo menos ler o mesmo número de livros que em 2017, mas querendo que esse número seja ultrapassado, nem que seja para os 41.

02
Jan18

Uma Vida Muito Boa | J. K. Rowling


O Informador

uma vida muito boa.jpg

Autor: J. K. Rowling

Editora: Editorial Presença

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Dezembro de 2017

Páginas: 80

ISBN: 978-972-23-6135-4

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Em 2008, J.K. Rowling proferiu um discurso profundamente marcante na Universidade de Harvard perante uma audiência de jovens recém-formados. Uma Vida Muito Boa, agora publicado pela primeira vez em língua portuguesa, contém palavras sábias de J.K. Rowling, proporcionando orientações a todos os leitores que se encontrem num momento de viragem decisivo das suas vidas, colocando questões profundas e estimulantes: como aceitar o fracasso? Como podemos usar a nossa imaginação em benefício não só de nós próprios mas também dos outros?

Partindo das suas vivências enquanto jovem recém-formada, a mundialmente famosa escritora trata neste pequeno livro de algumas das questões mais importantes da vida com inteligência e força emocional. Abordando temas como o fracasso, as adversidades, a imaginação e a inspiração, este livro permanece tão relevante hoje como da primeira vez que J.K. Rowling proferiu estas palavras, há 9 anos.

A Presidente da Universidade de Harvard, Drew Gilpin Faust, afirmou: «O percurso de J.K. Rowling constitui um poderoso exemplo. O discurso que a autora de Harry Potter proferiu constitui uma dádiva extraordinária para todos nós que tivemos o privilégio de a ouvir e agora de a ler.»

J.K. Rowling doará as receitas provenientes das vendas deste livro à Lumos Foundation, instituição de solidariedade a que preside.

 

Opinião: J. K. Rowling foi convidada para fazer o discurso de abertura da cerimónia de formatura na Universidade de Harvard em 2008 e a autora de Harry Potter através do seus momentos únicos e palavras sinceras conseguiu, embora de início reticente, chegar ao coração dos seus ouvintes numa cerimónia que todos os que a presenciaram deverão manter nas suas recordações para a vida. 

De leitura rápida, para as páginas de Uma Vida Muito Boa foi transcrito todo o discurso que J. K. Rowling proferiu, fazendo-o acompanhar neste pequeno volume por imagens descritivas sobre cada momento que é contado ao longo do texto que mostra que do insucesso à glória, todos poderemos conquistar algo mais para as nossas vidas. O que a autora acabou por fazer foi uma simples mas grande demonstração da mudança que cada um pode implementar em si, bastando deixar que os seus sonhos se tornem realidade, lutado para que tal aconteça sem deixar que quem sempre esteve do seu lado ficasse para trás. 

Dando conselhos sobre os pontos de vista pessoais para atingir o sucesso e usando a imaginação para alcançar novos patamares, em Uma Vida Muito Boa os fãs de Harry Potter não são esquecidos porque ter Rowling a discursar sem dar um toque do seu mundo mágico não seria a mesma coisa e numa tentativa de orientação para os alunos formatos em Harvard a comparação com o sucesso da sua saga é inevitável, mostrando que é lutando pelo desejo que se conseguem atingir os objetivos, mesmo que pelo caminho o fracasso apareça para ajudar a reforçar a força perante o futuro. 

31
Dez17

Literatura | Preferidos de 2017


O Informador

2017 foi o ano em que um maior número de obras literárias me passaram pelas mãos e pelos olhos. Li quarenta livros de forma completa, e quem segue o blog regularmente já deve saber que mesmo que não goste não deixo uma leitura a meio. Além de continuar a acompanhar vários autores de que gosto, percebi que é na novidade e desconhecido que tenho também de fortalecer a leitura, ganhando novos conhecimentos através dos diferentes estilos cada vez mais usados pelas obras lançadas. Agora que 2017 termina, faço um balanço literário, elegendo os três livros que mais me chamaram a atenção entre as quatro dezenas que me fizeram companhia.

 

Em primeiro lugar tenho a destacar, sem qualquer dúvida no momento da escolha, um livro documentário que me fascinou do início ao fim. É Isto que Eu Faço, de Lynsey Addario, onde uma foto jornalista conta através de imagens e através de uma escrita fluída e sincera a realidade que enfrentou ao longo de anos em que viveu entre destroços de guerra por vários continentes, enfrentando inúmeros contratempos e colocando a sua própria vida em risco. Este é dos melhores auto retratos que li até hoje, percebendo a crua realidade que é descrita pela autora que não se deixou levar por palavras bonitas como forma de embelezar o que verdadeiramente quis contar. É Isto que Eu Faço é a realidade que muitos viveram pelos quatro cantos do Mundo, entre batalhas e o que restou após os grandes conflitos gerados pelas grandes potências. Esta obra marcou-me, sendo um verdadeiro prodígio literário para quem gosta de perceber quem está do outro lado da barricada e vive os momentos dramáticos pelo amor à profissão.

27
Dez17

Atual leitura | Nenhuma Verdade Se Escreve no Singular | Cláudia Cruz Santos


O Informador

nenhuma verdade se escreve no singular.jpg

Cláudia Cruz Santos lançou o seu primeiro romance, Nenhuma Verdade Se Escreve no Singular, após a publicação de várias obras jurídicas, mas manteve nesta nova área literária o gosto pelo Direito, tendo criado em Amália, a personagem central desta narrativa, uma juíza que concretizada profissionalmente mas com várias questões sobre os caminhos que a justiça tem tomado. Amália tem na sua vida pessoal a solidão e embora rodeada de amigos, conhecidos e interesseiros, a determinado momento percebe que é necessário mais para seguir em frente, necessitando de alguém para apoiar e sentir ao mesmo tempo o pilar que recusou ao longo dos anos em que a profissão ficou com todo o papel principal dos seus objetivos. É nesse ponto que enquanto leitor encontramos Marta, a jovem adolescente que surge na vida de Amália para a alterar para sempre. 

É esta a minha atual leitura, num livro lançado pela Bertrand Editora e que à primeira vista parece querer mostrar que ninguém consegue ser feliz sozinho. Dentro de dias revelar-vos-ei um pouco mais sobre esta história de aprendizagem e amor.

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • O Informador

    O problema da atual direção do canal foi querer te...

  • O Informador

    Opções de uma direção que já não sabe onde pode pe...

  • O Informador

    Logo para começar é o atraso no início da reunião....

  • Ricardo Rodrigues

    Sinceramente, acho que eles querem é deixar o cair...

  • P. P.

    É o que acontece nas reuniões de profs.

Mensagens

Pesquisar

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador