Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

01
Ago17

A Sociedade dos Sonhadores Involuntários [José Eduardo Agualusa]


O Informador

a sociedade dos sonhadores involutários.jpg

Autor: José Eduardo Agualusa

Editora: Quetzal

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2017

Páginas: 280

ISBN: 978-989-722-332-7

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: O jornalista angolano Daniel Benchimol sonha com pessoas que não conhece. Moira Fernandes, artista plástica moçambicana, radicada em Cape Town, encena e fotografa os próprios sonhos. Hélio de Castro, neurocientista brasileiro, filma-os. Hossi Kaley, hoteleiro, antigo guerrilheiro, com um passado obscuro e violento, tem com os sonhos uma relação ainda mais estranha e misteriosa. Os sonhos juntam estas quatro personagens num país dominado por um regime totalitário à beira da completa desagregação. 

A Sociedade dos Sonhadores Involuntários é uma fábula política, satírica e divertida, que desafia e questiona a natureza da realidade, ao mesmo tempo que defende a reabilitação do sonho enquanto instrumento da consciência e da transformação.

 

Opinião: Após opiniões distintas para com as três anteriores obras de José Eduardo Agualusa que li nos últimos anos, quis voltar ao contacto com as criações do autor mas as coisas não correram lá muito bem. A Vida no Céu, Barroco Tropical e Um Estranho em Goa foram obras do escritor que se revelaram uma montanha russa entre o bom e o frouxo, agora voltei a ficar com uma impressão a meio caminho sobre A Sociedade dos Sonhadores Involuntários. 

Embora tenha entrado a conta gotas nos sonhos que dão vida a esta história que une a realidade do próprio autor e a critica sobre a situação política de Angola em forma de comentário social com a imaginação, confesso que não consegui desfrutar desta viagem pelos sonhos da melhor maneira.

30
Jul17

Atual leitura... A Sociedade dos Sonhadores Involuntários [José Eduardo Agualusa]


O Informador

a sociedade dos sonhadores involutários.jpg

A Vida no Céu, Barroco Tropical e Um Estranho em Goa foram obras da autoria de José Eduardo Agualusa que li e tive opiniões distintas de livro para livro. Agora, dois anos após a última experiência literária com o escritor, irei voltar a viajar com as suas narrativas através de A Sociedade dos Sonhadores Involuntários, um dos recentes lançamentos da Quetzal que volta a ser, mais uma vez, a casa editorial nacional de Agualusa. 

22
Jun15

Um Estranho em Goa


O Informador

1507-1.jpg

José Eduardo Agualusa não desfrauda com as suas obras. Com Um Estranho em Goa o autor volta a provar que mesmo com livros pequenos e de rápida leitura a surpresa de uma boa narrativa existe. Com 200 páginas onde um romance unido a lendas, tradições e citações é relatado, Um Estranho em Goa é daqueles livros para ler de uma assentada. 

Partindo de viagem para Goa em busca de uma verdade histórica, o narrador apresenta-se sob a forma de um autor, José, com que facilmente o leitor se consegue identificar. Acreditando em crenças e estando atento a conversas cruzadas, rapidamente o nosso herói percebe que para além do que foi investigar existem vários factos que podem alterar o rumo de uma sociedade. Através do recurso a memórias que se atrapalham por vezes com as emoções à flor da pele, a verdade consegue prevalecer num labirinto de intriga e omissões clandestinas. Unindo o romance a um forte roteiro turístido, Agualusa convida-nos a visitar Goa, mostrando-nos hábitos históricos e recentes de um povo cada vez com menos diferenças culturais. 

Com uma escrita fluida mas elaborada, José Eduardo Agualusa destaca-se sempre pela sua forma explicativa dos factos. Sem recorrer a mundos fantásticos e com o cruzamento entre a história e a acção do momento, as personagens vão andando por Goa sempre com missões omitidas e onde no final de contas o que interessa é a verdade dos factos sob a perspetiva de cada qual. 

Uma obra que não consegue conquistar o grande público da literatura rápida mas que tem os seus leitores assíduos, aqueles que gostam de parar para pensar e ficar com um pouco da mensagem que uma história tem para passar.

21
Jun15

Atual leitura... Um Estranho em Goa


O Informador

Com os dias de férias a passarem, o bom tempo a fazer-se sentir e a praia e piscina há espera, os livros andam sempre dentro da mala. Depois de ter terminado Cem Anos de Solidão já em período de férias e ter lido À Procura de Alaska, chegou agora a vez de voltar, um ano e meio depois, à escrita de José Eduardo Agualusa através de Um Estranho em Goa. 

Do autor já li A Vida no Céu e Barroco Tropical, agora, porque na Feira do Livro de Lisboa Um Estranho em Goa estava a bom preço, lá veio um exemplar comigo como escolha literária destas férias. Expetativas? Que surpreenda tanto como A Vida no Céu, a história da cidade flutuante! 

01
Dez13

Leituras de Novembro


O Informador

Domingos Amaral, José Eduardo Agualusa e Tiago Rebelo formaram a minha tripla de autores lidos ao longo do mês de Novembro através dos livros Já Ninguém Morre de Amor, Barroco Tropical e Uma Noite em Nova Iorque, respectivamente. Três romances, dois mais simples e um mais complexo, que me preencheram várias horas de leitura ao longo de todo o mês!

Já Ninguém Morre de Amor1Já Ninguém Morre de Amor

O amor e as suas formas fatídicas para levar as pessoas até ao poço da morte... Assim poderia ser descrito o livro de Domingos Amaral. Através de quatro gerações de uma família, o autor conta diferentes histórias de amor que levaram os seus protagonistas à rampa que os deixou partir com o coração abalado ou em êxtase. O amor mata se não for correspondido, magoa quando se torna bem forte e atraiçoa os mais preparados! Domingos Amaral escreve a bom ritmo e sem grandes alaridos, fazendo com que os seus romances sejam as minhas opções nas horas para desanuviar de livros bem complexos.

Barroco TropicaBarroco Tropical

Parecendo, em certas partes, uma auto biografia, em Barroco Tropical, José Eduardo Agualusa flutua através de histórias e lendas para contar a sua aventura. Mostrando a sua sabedoria, o autor mostra neste livro a sua escrita absorvente e translúcida que deixa o leitor agarrado e com vontade de chegar ao final, na tentativa de se descobrir como tudo termina, já que a história agarra e procura-se sempre mais. Sendo um autor sem tempo, que ora avança até ao futuro, ora recorre a momentos do passado, Agualusa sabe como ninguém unir o imaginário à realidade para tornar as suas criações em palavras que ajudam qualquer um a viajar pelo seu mundo. Aconselhável!

Uma noite em nova iorqueUma Noite em Nova Iorque

Calmo, preenchido, simples e agradável são características que podem descrever este romance de Tiago Rebelo. Um livro com sentimentos fortes sem grandes complicações na escrita e palavras que conseguem conquistar qualquer leitor que goste de uma história sem grandes artifícios e malabarismos linguísticos. Em Uma Noite em Nova Iorque dois trios amorosos cruzam-se passando a batata quente entre si até que tudo acontece sem nada prever com um final que poderá ser o esperado mas onde se vai acreditando que tal não irá mesmo tornar-se no desfecho de uma história corrida e sempre com altos e baixos na vida das personagens.

21
Nov13

Barroco Tropical


O Informador

Barroco TropicaJosé Eduardo Agualusa voltou a surpreender-me através do seu Barroco Tropical! Por vezes parece que a sua imaginação ultrapassa os limites apurados da realidade, no entanto e porque as lendas existem, a sua sabedoria para com estas histórias está toda presente através das suas palavras!

Em Barroco Tropical existem várias personagens que poderiam ser retiradas sem se dar conta, porém todos parecem ter algum sentido, desde Núbia de Matos, a mulher que caiu do céu, a Bartolomeu Falcato, o personagem central da história que parece ser uma parte que Agualusa quer revelar de si próprio de forma indirecta. Com duas histórias a serem contadas, existe pelo meio Kianda, a grande diva deste romance, uma cantora que arrasa corações e arrasta multidões através da sua voz e forma de estar.

Com uma escrita absorvente e translúcida, Agualusa convida o leitor a sonhar e a viajar através das suas aventuras onde os altos e baixos se cruzam no emocionante mar de conflitos pela paz interior de cada um.

A alegria e a felicidade no amor são dois estados diferentes e com significados que se podem opor quando necessário, segundo o autor...

«A alegria não se parece com a felicidade, a não ser na medida em que um mar agitado se parece com um mar plácido. A água é a mesma, apenas isso. A alegria resulta de um entorpecimento do espírito, a felicidade de uma iluminação momentânea. O álcool pode levar-nos à alegria - ou um cigarro de liamba, ou um novo amor - porque nos obscurece temporariamente a inteligência. A alegria pode, pois, ser burra. A felicidade é outra coisa. Não ri às gargalhadas. Não se anuncia com fogo de artifício. Não faz estremecer estádios. Raras são as vezes em que nos apercebemos da felicidade no instante em que somos felizes.»

Agualusa é um autor intemporal que sonha e realiza, faz e refaz, quebrando regras e reescrevendo a história como se fosse a primeira vez que esta é contada. Um mundo existente onde a imaginação se cruza com as lendas, o passado e o futuro! Aconselhável!

Sinopse: Uma mulher cai do céu durante uma tempestade tropical. As únicas testemunhas do acontecimento são Bartolomeu Falcato, escritor e cineasta, e a sua amante, Kianda, cantora com uma carreira internacional de grande sucesso. Bartolomeu esforça-se por desvendar o mistério enquanto ao seu redor tudo parece ruir. Depressa compreende que ele será a próxima vítima. Um traficante de armas em busca do poder total, um curandeiro ambicioso, um antigo terrorista das Brigadas Vermelhas, um ex-sapador cego, que esconde a ausência de rosto atrás de uma máscara do Rato Mickey, um jovem pintor autista, um anjo negro (ou a sua sombra) e dezenas de outros personagens cruzam-se com Bartolomeu, entre um crepúsculo e o seguinte, nas ruas de uma cidade em convulsão: Luanda, 2020.

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários Recentes

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador