Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

12
Dez17

Raptos no Reino de Deus


O Informador

o segredo dos deuses.jpg

O início da investigação internacional sobre as adoções de há décadas dos bispos e grandes senhores da Igreja Universal Reino de Deus para com crianças de famílias desfavorecidas começou a ser transmitido e a informação não podia ser mais clara. 

Durante a década de 90, quem sabe se ainda não acontece nos tempos que correm, os grandes senhores da IURD proclamaram que para se atingir um estatuto superior dentro da hierarquia do clã, os homens tinham de fazer uma vasectomia que lhes tirava a possibilidade de terem filhos para que não se distraíssem perante as suas obrigações religiosas. Liderar um grande grupo de cidadãos que se revertiam em seguidores de crenças proferidas pelo bispo Edir Macedo, criador brasileiro desta religião, era o bem necessário para se subir na hierarquia e assim foi. Muitos homens foram operados e até os seus futuros genros o fizeram por um lugar de topo. Tudo mudou nos ditos do senhor Edir quando as suas duas filhas quiseram ser mães e eis que a partir daí passou a ser obrigação para todos os casais sem filhos a de adotarem crianças, mesmo que não o quisessem. Todos tinham que adotar para continuarem a fazer parte do universo tão verdadeiro deste reinado. E foi assim que crianças colocadas num lar ilegal em Portugal, criado pelo seio da Igreja Universal Reino de Deus, começaram a ser levadas para várias partes do Mundo para serem adotadas, após serem afastadas das suas famílias e consequentemente raptadas. O silêncio que surgiu com o medo e com a incapacidade de famílias frágeis atuarem na altura fez com que o escândalo ficasse bem guardado, mas agora, mais de vinte anos depois, descobre-se que além de vários jovens saberem que foram adotados num esquema internacional por bispos e ex-bispos da IURD, também os netos de Edir Macedo, o criador deste marasmo, são portugueses e foram levados enquanto crianças para o seio da sua família, onde cresceram, esquecendo um passado.

A Igreja Universal Reino de Deus raptou crianças portuguesas para alterar a história do que defendia, mostrando que assim as filhas do fundador da IURD podiam ter filhos como forma de apoiar crianças desfavorecidas. Vergonha alheia numa investigação da TVI que já está a dar bastante que falar em Portugal e pelo Mundo sobre o homem forte da Record que até agora, mesmo com muitas investigações internacionais em cima sobre suspeitas de corrupção, continua a ser o homem forte que milhões veneram e a quem dão verdadeiras fortunas para que continue a fazer a sua vida de luxo onde parecem não existir barreiras para o crime organizado. 

24
Mar17

Crimes, de Londres para Barcelos


O Informador

O Mundo voltou a abanar com o ataque desta semana em Londres onde várias pessoas morreram e umas tantas outras ficaram feridas por um louco que a conduzir e depois de faca na mão atacou quem lhe apareceu pela frente assumindo que se tratava de mais um ato de terrorismo. Cinco pessoas morreram com este crime que voltou a colocar as ameaças mundiais de novo em alerta. Hoje, dois dias depois, em Portugal, um individuo aparentemente com alguns problemas psicológicos atacou quatro pessoas de forma mortal, estando uma delas grávida de sete meses.

Locais diferentes e histórias diferentes com a mesma quantidade de mortos. Um ser que através das suas crenças tenta mudar o Mundo e chama a atenção para tal faz manchetes mundiais com isso e um louco que sai de casa para matar propositadamente as pessoas que se opuseram um dia à sua vontade é somente notícia nacional. O mesmo número de mortos com uma disparidade enorme de influência social. 

Embora tudo se resuma a crimes e mortes, um atentado é sempre um atentado que mete medo, mesmo que a maioria afirme que luta contra isso, o que não acredito. Existirá sempre receio que estes atos continuem a aumentar e que aconteçam cada vez com uma maior proximidade de nós. No outro caso são problemas pessoais que levam a comportamentos sancionados socialmente. Matou e entregou-se. Errou, assustou uma pequena população que se encontra agora de luto por cinco seres que faziam a sua vida como sempre. Se tinham culpas? Tantas como as vitimas de Londres. Nenhumas!

28
Ago16

Violência na adolescência


O Informador

A sociedade transforma-se e a imprensa não ajuda a acalmar os ânimos! Pelos últimos tempos têm sido várias vezes notícia a agressão entre jovens e este fim-de-semana, quando o caso do adolescente de Ponte de Sor e dos irmãos iraquianos continua bem presente nas nossas mentes, nova situação acontece e desta vez resultou mesmo em morte.

Em Baguim do Monte, Gondomar, um jovem de 14 anos foi agredido em via pública por outro que o seguia «há algum tempo», segundo a informação avançada pela imprensa. O crime terá ocorrido ao longo da noite e está neste momento a ser investigado pela Polícia Judiciária.

A violência entre jovens parece ganhar cada vezes novos contornos por variadíssimos motivos que devem ser debatidos publicamente, mas acredito que a forma como tudo é relatado pelos meios de comunicação social também não ajuda. Os noticiários dão destaque a estes crimes, mostram por vezes a realidade onde a lei não atua e onde consequentemente quem comete os crimes acaba por não ser castigado, tudo parecendo fácil para quem guarda rancor sobre outra pessoa e querem agir com recurso à força. Estarão os jovens preparados para fazerem a divisão entre o bem e o mal quando tudo parece tão fácil de ultrapassar na justiça?

25
Fev15

Escravatura nos supermercados


O Informador

Andava eu por aí a vaguear, quando encontrei o texto que passo a citar pelo blog L'Obéissance est morte. Aqui, a sua anónima autora, mostra o que muitos trabalhadores do nosso país passam pelas grandes empresas que mandam na economia e acabam por fazer o que querem. Não me consigo identificar com este caso por não ter passado por algo semelhante, no entanto já me foram relatadas situações do género que ocorreram dentro de outros grupos comerciais, o que mostra que todos são iguais, mas aqui existe um nome, Sonae/Continente!

sonae.jpg

Os hipermercados são um lugar horrível: cínico, falso, cruel. À entrada, os consumidores limpam a sua má consciência reciclando rolhas e pilhas velhas, ou doando qualquer coisa ao sos hepatite, ao banco alimentar ou ao pirilampo mágico. Dentro da área de consumo, cai a máscara de humanidade do hipermercado: entra-se no coração do capitalismo selvagem. O consumidor, totalmente abandonado a si próprio (é mais fácil de encontrar uma agulha num palheiro do que um funcionário que lhe saiba dar 2 ou 3 informações sobre um mesmo produto), raramente tem à disposição mercadorias que, apesar do encanto do seu embrulho, não dependam da exploração laboral, da contaminação dos ecossistemas ou de paisagens inutilmente destruídas. Fora do hipermercado, os produtores são barbaramente abusados pelo Continente (basta que não pertençam a uma multinacional da agro-indústria), que os asfixia até à morte e, quando há um produtor que deixa de suportar as impossíveis exigências que lhe são impostas, aparece outro que definhará igualmente, até encontrar o mesmo fim. Finalmente, nas caixas do hipermercado, para servir o consumidor como escravos idênticos aos que fabricaram os artigos comprados, estamos nós.

O hipermercado está portanto no centro da miséria que se vive hoje no mundo. O consumidor, o produtor e nós temos uma missão comum: contribuir para que os homens mais ricos do planeta fiquem cada vez mais ricos – contribuir para que a riqueza se concentre como nunca antes na história. Se somos todos diariamente roubados e abusados, é por este mesmo e único motivo.

Vou-vos relatar apenas a minha banal experiência diária (sem pontos de exclamação já que o escândalo é comum a qualquer um dos tópicos que irei descrever). Espero que sirva de alguma coisa, apesar de saber que ninguém se incomodará muito com ela. Afinal, é a mesma selva que está já em todo o lado.

 

  • 1 – salário

Trabalho 20h semanais em troca de 260€ mensais, o que dá pouco mais de 3€ por hora. Que isto se possa pagar a alguém em 2015 devia ser motivo de vergonha para um país inteiro. Que seja um milionário a pagar-me esta esmola devia dar pena de prisão efectiva.

05
Out14

Já é Crime!


O Informador

Já é Crime1 de Outubro de 2014 simbolizará para sempre um dos passos mais importantes dos animais na sociedade portuguesa! A partir de agora maltratar animais já é crime no nosso país, podendo a pena atingir os dois anos de cadeia!

Quero acreditar que a reformulada lei sobre os maus tratos a animais seja colocada em prática e não esteja simplesmente presente no papel para calar quem sempre lutou por estes direitos dos seres vivos que partilham cada vez mais a sua vida connosco. Terá um juiz coragem para condenar os malfeitores sociais que se esquecem que quando estão a maltratar uma vida está a ser sacrificada?!

Um passo tardio mas que chegou, colocando Portugal ao lado dos países desenvolvidos e que defendem os direitos dos animais!

16
Jun14

Um presente... O Caso Renato Seabra


O Informador

O Caso Renato SeabraMeses depois de começar uma parceria onde tenho oferecido livros da Chiado Editora aos leitores do blogue, agora chegou a vez de ser eu o premiado com um mimo da autoria de Marta Dhanis, a jornalista correspondente da TVI nos Estados Unidos que tem acompanhado o caso Renato Seabra desde o dia em que foi contactada pela direcção do canal para tratar da notícia que correu o mundo sobre a morte de Carlos Castro.

Com uma história com os condimentos perfeitos para fazer manchetes pelos tablóides - sexo, dinheiro e homossexualidade -, Renato Seabra, um jovem modelo e Carlos Castro, cronista social, foram os grandes protagonistas de notícias, especulações e um caso de homicídio que muita tinta fez correr.

Marta Dhanis, a jornalista que acompanhou todo o caso de perto, desde a fatídica noite, conta agora o que aconteceu antes da morte de Carlos Castro, onde até as conversas com Renato Seabra são reveladas. Marta foi das únicas pessoas que esteve desde o início perto de todo o processo, falando com os envolvidos e com o círculo de pessoas próximas da relação do jovem de 21 anos com um homem de 65.

O que existia entre os dois? Quais as intenções de ambos na relação que mantinham? Quem é o verdadeiro culpado deste crime? Será que existem mais envolvidos no caso que nunca foram revelados? O condenado esteve sozinho na altura do crime? No futuro, como será a vida de Renato Seabra?

Várias questões são colocadas no livro O Caso Renato Seabra: Por Detrás Das Cortinas, num trabalho de investigação que começou poucas horas depois do crime ter acontecido a 8 de Janeiro de 2011.

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Maria

    Foi exactamente o mesmo que eu e os meus colegas s...

  • David Marinho

    Verdade, e a noção de perigo nas crianças mudou po...

  • O Informador

    Fico contente por te ter dado a conhecer um livro ...

  • O Informador

    Li muitos comentários maldosos sobre esta questão ...

  • O Informador

    A vontade por vezes surge, mas sei que não tenho c...

Mensagens

Pesquisar

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador