Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Bloggers do Copy Paste

Os blogs nascem como cogumelos por ai e se uns vão ficando com o tempo, existem outros que se esfumam tão rápido como o modo e forma como aparecem. O que não percebo nos bloggers é o facto de em muitos dos casos se cingirem a fazer copy paste de artigos que lhes são enviados via email ou que descobrem pela internet. 

Será que as pessoas não conseguem ter uns míseros cinco minutos para se inspirarem nos textos que lhes enviam de agências de comunicação e não só para elaborarem um novo artigo redigido com as suas próprias palavras sem fazerem o tão célebre Copiar e Colar? É falta de noção de quem tem blogs e não venham dizer que isto é uma moda recente e de quem está a aparecer e a começar a ser blogger agora porque não o é! Existem por ai muitos endereços com anos de experiência que continuam a praticar essa imbecilidade de pegar exatamente no que receberam, que muitas vezes se tiver um erro nem o detetam porque não se dignam sequer a ler, e a publicar sem qualquer alteração de texto. Ou seja, recebem, copiam e colam, colocam o título as tags e vamos lá publicar para terem um novo texto diário para os seus leitores os visitarem e perceberem que existe algo novo para espreitarem.

Sinceramente não percebo como é que ainda existem pessoas com esta capacidade de não serem originais e se deixarem ficar pela simplicidade das coisas sem terem o mínimo de trabalho de criarem algo seu. Como seria tão fácil no meu caso receber a lista dos lançamentos literários e coloca-la tal e qual como me aparece no email ou pegar numa sinopse de um novo espetáculo e publica-la, ficando de igual para igual com o que aparece no portal ou redes sociais da produtora e locais de vendas de bilhetes. Seria fácil e poupava tempo sim! Coloco a sinopse dos livros sim, mas acrescento sempre algo, porque tenho uma opinião para ser dada, tal como o faço com as peças de teatro que vejo e os produtos que experimento. Uma opinião pessoal é importante para mostrarem que são seres que pensam e refletem sobre o que fazem! Não visito blogs que façam somente um catálogo diário sobre os novos lançamentos, preferindo que tudo seja mais completo, podendo ser mostrando o que é lançado sim com o recurso ao copy paste mas depois existirem artigos de opinião sobre o que vão lendo, tal como outros textos sobre eventos e não só de forma a completarem o espaço. 

Cansaço de blogger

Existem momentos na vida em que é necessário falar porque ao fim e cabo se não falarmos com os outros acabamos por ir guardando para nós o que sentimos e isso acaba por massacrar e pesar ao longo do tempo.

Há uns dias andei um pouco saturado, talvez não possa dizer bem saturado, mas os bloggers devem compreender que por vezes achamos que o projeto que estamos a fazer já não vale a pena seguir em frente, mesmo que tudo aponte para coisas boas, percebemos que por vezes acabamos por acusar cansaço, mesmo que um blog não seja algo que nos exija permanência, mas sim dedicação consoante a disponibilidade de cada um. 

Foi por sentir que talvez o blog teria de terminar sem existirem verdadeiros motivos para o fazer, bem pelo contrário, que pensei que não valia a pena o esforço de dedicar minutos ou algumas umas horas diárias a este projeto que me dá tanto gozo fazer. 

Falei com uma pessoa que me aconselhou a parar por uns dias para também descansar e tentar refletir para perceber se era mesmo essa a ideia de colocar um ponto final que queria levar em diante. Acabei por nem levar assim tanto tempo por perceber que este blog já faz parte de mim, já convivemos há uns aninhos um com o outro e acaba assim por ser um espelho da pessoa por detrás das letras e imagens que vão sendo publicadas dia após dia. 

Senti que dias não são dias e talvez por agora andar mais disponível que anteriormente e a ideia de que me deveria dedicar um pouco mais ao blog acaba por atrofiar os pensamentos, já que o tempo é mais mas não é por isso que vejo este espaço de escrita e partilha como uma profissão a que tenho de dedicar a maior parte do tempo livre. Nada disso acontece e não é isso que tenciono levar em diante, optando por ter n' O Informador um escape do dia-a-dia.

Publicidade no blog

No momento em que criei o blog logo lancei blocos publicitários no mesmo e assim irei continuar a fazer. Por vezes percebo que são várias as pessoas curiosas sobre o método de colocar os anúncios e se tal é permitido. Sim, é permitido dentro das fórmulas que tenho, não com janelas a abrirem a torto e a direito e de forma incomodativa que só incomodam os leitores que queiram visitar o blog.

Atualmente utilizo o Google Adsense que numa primeira fase poderá parecer um pouco complicado até se começar a perceber o método, mas tudo é bem explicado pelo Google e não custa nada até perceberem o método para desenharem os anúncios, coloca-los no blog e começarem aos poucos a tirarem os vossos lucros que só são pagos após atingirem um valor superior aos 70€. Os anúncios do Adsense coloco pela barra lateral do blog essencialmente para que não quebre o esquema dos textos e acho que é assim que terá de ser feito para não estragar tanto a imagem. 

Utilizo também o Primetag mas num campo mais soft. Dentro do Primetag existem várias criações possíveis de anúncios, mas opto por essencialmente fazer barras com quatro ou oito produtos de forma a poder colocar no final dos textos. Tem de ser ter em atenção que os produtos selecionados para os anúncios criados neste espaço terão de estar de acordo com o texto, não sendo aleatório. O Primetag é de facto bem mais fácil de utilizar e recomendo, sendo que o seu pagamento também só é feito quando atingirem um valor acima dos 75€.

A Porto Editora na Feira do Livro de Lisboa

autores que nos unem.png

A 87º Feira do Livro de Lisboa decorrerá de 1 a 18 de Junho este ano e as editoras estão apostadas em reforçar a sua oferta e mostrar junto de todos nós que este é o evento literário do ano. Para isso e porque não querem deixar as novidades longe dos leitores que merecem saber de forma antecipada as novidades que estão a ser preparadas, o grupo Porto Editora, de onde fazem parte a Porto Editora, a Bertrand Editora, a Círculo de Leitores, a Temas e Debates, a Quetzal, a Assírio & Alvim, a Livros do Brasil, a Sextante Editora, a Pergaminho, a Contraponto, a Areal Editores, a Raiz Editora, a GestãoPlus Edições, a ArtePlural, a 11x17, a Ideias de Ler, a Albatroz, a 5 Sentidos e ainda a Coolbooks, lançou o portal Autores que nos unem onde todas as novidades e agenda do evento irão ser destacadas. 

autores que nos unem circulo.jpg

Num encontro intimista ao final da tarde na Bertrand do Chiado, responsáveis editoriais e bloggers reuniram-se para partilharem experiências e as novidades que estão prontas para serem anunciadas junto da imprensa e sucessivamente à sociedade que gosta de literatura pelos próximos dias. Diversidade ao longo do evento e a aposta na aproximação entre autores e leitores serão as armas forte do grupo Porto Editora, dando assim continuidade ao que tem vindo a ser feito pelos anos anteriores. 

Os leitores serão assim convidados a visitarem o espaço para conhecerem escritores nacionais e estrangeiros, assistir a tertúlias e showcookings, participar em workshops e assistir a vários lançamentos da primeira fila. Para que tudo isto aconteça são necessários os autores e nesse campo já estão de presença marcada pelo certame, José Luís Peixoto (11 de Junho), Mário de Carvalho (3), Richard Zimler (10 e 11), Gonçalo M. Tavares (15), Bruno Vieira Amaral (10, 11 e 17), Francisco Louça (4), Sérgio Godinho (10), Anabela Mota Ribeiro (4 e 17), Manuela Gonzaga (10), Teolinda Gersão (18) e Alberto S. Santos (10, 11, 15, 17 e 18).

Para além dos autores enumerados, quem também será destaque pela Grupo Porto Editora na Feira do Livro será Francesc Miralles que vem a Portugal desvendar os segredos dos centenários do Japão para uma vida longa e feliz. O espanhol é um dos autores de Ikigai, viva bem até aos cem, onde partilha alguns truques e dicas para refletir e aplicar no dia a dia. 

Estranho Termo de Pesquisa

Eis um termo de pesquisa que me aparece pelo blog como sendo do dia de ontem... «loira casada apanhada na rua fode por ipad».

Gostaria de saber que texto encontraram pel' O Informador com tal informação e como é que tal pesquisa veio aqui parar. Se o procurador me conseguir ajudar a arranjar resposta para o caso agradeço, já que fiquei curioso. 

Quem será a dita loira casada? Qual seria a rua? E quem estaria do outro lado do iPad?

Novidades para os Domingos

Há uns dias surgiu-me uma ideia de voltar a fazer algo que me deu imenso gosto fazer há uns tempos num outro projeto em que participei. E como essa mesma ideia foi alimentada numa simples conversa pelas redes sociais, eis que lhe vou dar andamento e posso-vos dizer que um espaço semanal, dedicado especificamente para os Domingos, está a ser elaborado para ser lançado, ou talvez, relançado de forma séria para chegar e ficar aqui pelo blog. 

Ainda não vos vou dizer do que se trata porque não quero já levantar suspeitas, deixando-vos somente com a ideia de que estou a criar algo que não dependerá só de mim mas que será para ser apresentado aqui pelo blog. Numa fase inicial não sei se terá publicação semanal ou quinzenal, mas será algo para levar a sério e manter de forma regular para habituação dos visitantes que por aqui passam.

Apetece-me arriscar e voltar um pouco a um passado que me fez feliz numa certa altura da vida e será por ai que seguirei o caminho das publicações de Domingo do blog. Não fiquem a pensar que será uma coisa em grande, será um espaço semanal, normal e banal, mas que não dependerá só de mim. 

Vergonha de blogger

Quem me conhece sabe que a lidar com desconhecidos e com uma pequena multidão sou um pouco, para não parecer assim tão mal, acanhado, mas aos poucos e em certas situações começo a perder a dita vergonha, principalmente nos temas que dizem respeito ao blog. 

Lembro-me perfeitamente como se tivesse a acontecer agora mesmo da primeira vergonha que apanhei aquando do levantamento de um convite teatral em Lisboa. Dirigi-me à bilheteira e assim que disse o meu nome, a pessoa que estava no atendimento disse-me de imediato que seguia o meu blog. Eu, sem esperar tal reação que não foi feita de forma discreta, fiquei em modo tomate, envergonhado até mais não, sem saber que dizer e somente com vontade de ter o bilhete na mão e desaparecer com uma vergonha tão grande que não consigo explicar. Fiquei super constrangido por ter sido reconhecido pela primeira vez por uma pessoa que seguia o blog e com quem falava por email para combinar as formas de parceria. 

Após esta vergonha existiram várias situações em que senti estar a ser reconhecido por leitores, ficando envergonhado e tentando disfarçar ou sair mesmo do local, mas nada como a primeira vez. Tudo bem mais tranquilo. Agora começo a ficar mais calmo e ambientado com a situação. Já vou a bilheteiras e sou reconhecido porque me seguem pelas redes sociais, falamos e não fico com tensão só de pensar que vão dizer que sou o Ricardo d' O Informador, já não sentido aquele nervoso miudinho de ter de falar com pessoas que conheço somente pelo Instagram, Facebook ou Twitter

Convidado pel' A Mulher que Ama Livros

Ricardo Trindade, a pessoa envergonhada que não gosta de falar para a câmara foi convidado pela Cláudia do blog A Mulher que Ama Livros, amiga antes mesmo de me ter iniciado neste mundo, para ser o convidado da sua rubrica Seis a dividir por dois. Não podia dizer que não e com vergonha, muitos engasgos e risota à mistura, lá fui com as minhas três sugestões literárias dos últimos anos, O Quarto de JackConfissões de Inverno e Numa Floresta Muito Escura, juntar-me à Cláudia para fazer este vídeo. Ela sugeriu os livros Para a Minha Irmã, Um Dó Li Tá e Ele Está de Volta.

Ia com nervos porque não estou habituado a fazer estas coisas e depois, como podem ver, lá me atrapalhei todo ao falar, mesmo tendo mais ou menos estudado o que devia dizer de forma rápida sobre cada livro. Os enganos que aparecem no vídeo são simplesmente uma amostra das pausas que tivemos de fazer porque foi com cada gralha que só nós sabemos. Confesso agora que até foi divertido. 

Desempregado sem vontade

Pensei que ao estar com mais horas livres de forma diária que iria ter uma maior atenção ao blog e vontade para me dedicar um pouco mais à escrita. Até agora o que deteto é que a vontade que achei que iria surgir ainda não apareceu, tendo mesmo um bloqueio mental quando tento pensar em algo mais elaborado para escrever e publicar por aqui.

A pessoa quando se vê de um momento para o outro com o seu dia-a-dia vazio, sem a rotina de anos, fica quase sem chão, sentindo-se como se não tivesse nada para fazer. É assim que me sinto, uma vez que com tanto tempo livre achei que conseguiria fazer e dar maior atenção ao que por vezes fazia de forma rápida e mais esporadicamente, podendo-me dedicar a tanta coisa, não tendo é a vontade que sempre achei que iria surgir. Acordo mais tarde, durmo mais ou menos o mesmo número de horas que o habitual de quando andava a trabalhar, e depois ao abrir os olhos penso... «tenho isto, isto e aquilo para fazer». Disse bem, penso, porque no final do dia percebo que não fiz nada do que tinha planeado porque me sinto vazio neste momento e a precisar de estabelecer regras para esta vida de desempregado que ainda não o é porque estou agarrado à antiga empresa ainda sem poder procurar novo emprego por enquanto. 

Primeiramente tive duas semanas de férias, depois três semanas que não sei como as posso descrever porque não trabalhei, não fui pago mas também não posso arranjar outra coisa para fazer e agora continuo a aguardar que tudo se resolva para poder respirar e pensar que tudo terminou e que há que começar de novo, finalmente. E acho que é sem esse recomeçar, que se encontra pendente, que parece que ando a fazer equilíbrio numa corda presa entre dois postes e que tento atravessar sem cair num poço bem fundo. Sinto-me um pouco assim, sem saber ainda por onde seguir e como ocupar os dias de forma a sentir-me útil para comigo para o poder fazer para com os outros também.

Tenho lido muito mais, descansado à sombra da relva no jardim com este bom tempo, vejo séries com temporadas que tinha em atraso, faço mais companhia em casa e acompanho mais quem me pede para ir aqui ou acolá fazer alguma coisa. Não me tenho afastado de casa mas saio todos os dias há rua porque sou daquelas pessoas que começa a bater mal do cérebro se não sair um pouco para ver pessoas e arejar a mente. 

Preciso de críticas!

Existem coisas que não se pedem nem ao melhor amigo, mas resolvi enfrentar tudo e todos os que visitam o blog para vos pedir Críticas para com O Informador!

Coisas boas e más ao longo do percurso, dicas para poder melhorar, conteúdos que possa colocar ou de que não gostem, modo de escrita e partilha... Falem, comentem e critiquem com tudo o que vos passar pela cabeça acerca do blog do passado, do presente e do que poderei melhorar, ou não, no futuro.

O que pretendo é que apresentem a vossa verdadeira opinião acerca deste canto de escrita para que também possa ter um maior feedback da vossa parte e poder fazer algo para vos chegar um pouco mais com artigos com que me identifique e que sejam também do vosso agrado. Vá lá, com nome próprio, com o nick de blogger ou de forma anónima, o que peço é que deixem a vossa opinião verdadeira acerca d' O Informador aqui e agora! 

Sejam coisas boas ou más, quero é opiniões para poder mexer alguma coisa que os leitores tenham noção que não resulta e sobre a qual não me tenha apercebido!

Um destaque! Um Obrigado!

destaque sapo fevereiro.png

Existem temas que volta e meia lá se tornam destaque e juntar no sapo.pt o desporto com as aulas de fitness em alemão de A Casa da Cabrita e o futebol com a Quinta Emenda, falar de contas com a redução do défice segundo a visão de BandaLarga e terminar no entretenimento televisivo a comentar o flop que está a ser o programa Let's Dance que teve de dar lugar a nova temporada de Love on Top na antena da TVI comigo, é ouro sobre azul. Tudo isto para dizer que mais uma vez fui destaque no site principal do universo dos sapos mais famosos deste pais. Obrigado!

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador

Mensagens

Comentários recentes

  • O Informador

    Existem os leitores do fast-food e os que gostam d...

  • Psicogata

    Afinal do que gostam os leitores? É a pergunta de ...

  • O Informador

    O que me faz uma certa confusão é ver que alguns d...

  • Psicogata

    Na minha opinião é a atitude correta e acima de tu...

  • O Informador

    Uma questão de não terem noção que estando a menti...

Atual Leitura

_________________________________________________________

Parceiros Literários

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Espaço Cultural

_______________________________________________