Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

27
Jun16

O Pavilhão Púrpura


O Informador

o pavilhão púrpura.jpg

Autor: José Rodrigues dos Santos

Data: Maio de 2016

Editora: Gradiva

Número de páginas: 704 páginas

Classificação: 4 em 5

 

Opinião: A trilogia lançada através do primeiro volume intitulado por As Flores de Lótus ganhou novo alento através de O Pavilhão Púrpura, a continuação da história que cruza continentes para relatar a vida de quatro pessoas, o português Artur, a chinesa Lian-Hua, o japonês Fukui e a russa Nadezhda! Se tinha gostado da primeira parte, da segunda então nem se fala!

Com um trabalho de casa bem feito, José Rodrigues dos Santos reconta factos históricos ao mesmo tempo que as suas personagens de ficção vão passando pelos problemas da primeira metade do século XX. Em As Flores de Lótus o lançamento destes quatro heróis da vida comum é feito e agarra o leitor ao mesmo tempo que nos vamos deixando levar pelo espírito de aprendizagem rigorosa do que foi acontecendo na época. Mas neste segundo volume desta fantástica trilogia a qualidade aumenta, ficando o leitor ainda com maiores perspectivas sobre o que está para surgir pelas páginas seguintes.

O que terá Artur em comum com Salazar para os seus destinos se voltarem a cruzar com grande ênfase? Será que o jovem militar é uma das chaves do responsável das Finanças do país para seguir em frente e conseguir atingir alguns dos patamares que foi alcançando ao longo do tempo em que esteve no poder? Neste segundo volume os feitos do português começam devagar mas ao longo do desenrolar do romance, Artur vai ganhando destaque devido a todas as mudanças que vão acontecendo no país. 

E Liah-Hua após o rapto conseguirá voltar a estar com a sua família e seguir em frente numa vida familiar pacata pela China ou tudo mudou ou irá mudar na vida desta jovem ocidental?

Fukui era em As Flores de Lótus a personagem que mais se destacou na minha leitura, no entanto o japonês foi perdendo força neste segundo romance e passou um pouco despercebido, embora tenha os seus pontos chave que irão ser desenvolvidos no final, assim o espero!

A grande surpresa deste romance são as grandes reviravoltas que a vida de Nadezhda vai dando em tão pouco espaço de tempo! A fugir de um país recheado de obrigações partidárias e ditadura, a família da jovem russa acaba por deixar tudo o que tinha e que vai sendo retirado para abraçar uma nova vida onde o passado pesa até que começam a encontrar estabilidade. Isto quando o inimigo de Nadezhda parece estar mais perto do que se julgava, fazendo um final surpreendente mas que de certo modo poderá ser previsto pelo leitor ao longo de uns capítulos anteriores ao final! Uma tragédia contada de forma crua pelo autor acaba por dar o mote para o que está para surgir na continuação desta trilogia, deixando o leitor em suspenso e bastante curioso com as voltas que tudo poderá dar daqui para a frente na vida de Nadezhda!

Esta é uma das melhores obras do autor que tem neste segmento literário um dos seus melhores trabalhos! Com quatro personagens centrais que ainda não se cruzaram mas que acredito que o conhecimento os faça circularem pelas mesmas vias em breve, José Rodrigues dos Santos parece estar em As Flores de Lótus e O Pavilhão Púrpura como peixe na água, fazendo o leitor ficar com grande apetite pela chegada de O Reino do Meio. Os amores, a História, a política, a família, a incerteza,... Tudo acontece nesta trilogia que parece não deixar nada acontecer em vão, existindo explicação e um bom fundamento para o que acontece agora surpreender no futuro. 

Um bom romance de ficção com envolvência com factos e personagens históricas que conquista desde o início! Que chegue então O Reino do Meio para saber como todas as vidas que fui conhecendo ao longo desta leitura se irão desenvolver!

 

Sinopse: Nova Iorque, 1929. A bolsa entra em colapso, milhares de empresas fecham, milhões de pessoas vão para o desemprego. A crise instala-se no planeta. 

Salazar é o ministro das Finanças em Portugal e a forma como lida com a Grande Depressão granjeia-lhe crescentes apoios. Conta com Artur Teixeira para subir a chefe de governo, mas primeiro terá de neutralizar a ameaça fascista.

O desemprego lança o Japão no desespero. Satake Fukui vê o seu país embarcar numa grande aventura militarista, a invasão da Manchúria, na mesma altura em que tem de escolher entre a bela Harumi e a doce Ren.

Lian-hua escapa a Mao Tse-tung e vai para Peiping. É aí que a jovem chinesa e a sua família enfrentam as terríveis consequências da invasão japonesa da Manchúria.

A crise mundial convence os bolcheviques de que o capitalismo acabou. Estaline intensifica as coletivizações na União Soviética e o preço, em mortes e fome, é pago por milhões de pessoas. Incluindo Nadezhda.

O mundo à beira do abismo.

Considerado pelos portugueses o seu maior escritor, José Rodrigues dos Santos acompanha-nos numa viagem palpitante à perigosa década de 1930 na companhia de figuras históricas como Salazar e Chiang Kai-shek. O Pavilhão Púrpura traz-nos o segundo tomo da mais ambiciosa saga da literatura portuguesa contemporânea.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador

Mensagens

Comentários Recentes

  • Anónimo

    Caro Informador, espero que seja um bom elemento ...

  • O Informador

    Deveríamos convidar os nossos queridos deputados a...

  • O Informador

    Um Primeiro-Ministro a fazer figura de parvo ao te...

  • Anónimo

    Com todo o respeito que tenho pelos animais, que é...

  • Maria

    Concordo em absoluto contigo!Fartei-me de refilar ...

Atual Leitura

_________________________________________________________

Parceiros Literários

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Espaço Cultural