Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Nô e Eu, a vencedora!

13.04.15Publicado por O Informador

O passatempo para oferecer um exemplar do livro Nô e Eu chegou ao fim! Com este final de prazo para as participações poderem ser aceites, eis a hora de revelar o nome do vencedor deste desafio!

Quem irá receber a obra lançada em Portugal pela editora Guerra e Paz é a leitora Sofia Otto que viu o seu nome ser o eleito através do sistema automático random.org. Há vencedora dou os Parabéns e a todos fica a promessa de que novos passatempos irão surgir neste canto onde o esperado e o inesperado aparece após um clique momentâneo! 

Nô e Eu.jpg

Lou, uma adolescente sobredotada, e Nô, uma sem-abrigo de 18 anos, nada têm em comum. Conhecem-se e começa uma viagem que mudará as suas vidas para sempre. Doce e amarga, narrada por uma adolescente de 13 anos, esta é a história de amizade que comoveu e conquistou milhões de leitores em todo o mundo.

Lou tem 13 anos, um Q.I. de 160 e muitas perguntas na cabeça. Filha única de uma família à beira da separação, a tímida Lou inventa teorias para se apro­priar do mundo e combater a solidão. Na Gare de Austerlitz, em Paris, conhece Nô, uma adolescente sem-abrigo, com 18 anos, cujo rosto cansado, as roupas sujas, o silêncio, a errância e solidão questionam o mundo.

Enquanto centenas de pessoas dormem na rua, sem ter o que comer, e caminham para não morrerem de frio, nós dizemos «As coisas são como são» – eis o que nos basta para explicar e aceitar a violência que nos rodeia. Mas Lou quer que as coisas sejam diferentes, que a Terra gire ao contrário, que cada um encontre o seu lugar. Decide salvar Nô, dar-lhe um tecto, uma família, lan­çando-se numa enorme aventura contra o destino. Contra tudo e contra todos.

Romance de aprendizagem, Nô e Eu é um sonho de adolescência submetido ao duro teste da realidade. Um olhar de criança precoce, naïf e lúcido, sobre a miséria do mundo. Um olhar de menina que cresceu demasiado rápido, melancólico e pleno de imaginação. Um olhar sobre o que nunca nos abandona, aconteça o que acontecer.