Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Livre presa

«É difícil dançar com um demónio nas costas! Então sacuda-o!»

Viver com os outros e com o pensamento no que os outros acham de nós leva-nos a deixar passar muitos factos como se eles não existissem ou não pudessem acontecer porque alguém pode não gostar do caminho que estamos a seguir. Enquanto pensamos nos demónios que nos atormentam e pesam nas nossas costas, deixamos de viver em pleno a nossa felicidade, esteja ela dependente do que estiver!

Sacudir para fora de nós os pensamentos negativos que nos aparecem pela frente tem de ser o lema constante do nosso presente, isto porque não conseguimos dançar com plenitude enquanto o esforço tiver a sobrecarregar as nossas costas como se nos tivesse a puxar pelo caminho oposto ao desejado. Se a nossa ambição nos quer levar a ter algo e não lutamos pelo que queremos por algum motivo ou porque alguém fica contra o nosso desejo, então é porque não conseguimos ser nós próprios, não estando a pensar na nossa própria felicidade e bem-estar. Enquanto pensamos na sociedade que nos atormenta no dia-a-dia vamos sempre acumulando demónios que se tornarão mais pesados ao longo dos nossos anos de existência. Ao longo deste processo de acumulação vamos criando defesas contra nós próprios e depois custará muito mais a mudar o rumo que acabamos por levar por iniciativa dos outros.

Como também não convém libertar tudo de uma vez para não nos sentirmos completamente livres do mal e despreocupados porque quando estamos conscientes que nada nos afecta, aí tudo parece que vem depois contra nós para nos atacar de forma bem vincada. Assim, aos poucos e consoante os tais demónios vão aparecendo nas nossas vidas para nos virar o caminho, a nossa função é seguir com o pré-planeado porque embora tudo nos aponte para outras bandas, é o nosso desejo que tem de liderar o que irá ser feito. Somos nós que temos de decidir o que queremos sem pensarmos nos outros, porque com o nosso bem só dependemos nós. O que nos rodeia tem as suas defesas e tem é que se preocupar com o seu ser e não com o dos outros!

Enquanto andarmos a viver com situações escondidas não conseguimos ser livres e mostrar que estamos realmente felizes porque existem sempre momentos em que o que nos atormenta aparece de mansinho no nosso rosto e pensamento levando-nos para o outro estado, o da incompreensão pessoal!

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador

Mensagens

Comentários recentes

Atual Leitura

_________________________________________________________

Parceiros Literários

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Espaço Cultural

_______________________________________________