Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

11
Jun13

As raparigas que sonhavam ursos


O Informador

as raparigasMartírio poderia ser a descrição para dar ao livro As raparigas que sonhavam ursos, mas não me quero ficar por aí e quero prolongar-me um pouco mais sobre esta obra da autoria de Margo Lanagan, e editada em Portugal pela Guerra & Paz.

Antes de mais quero falar da relação existente entre o título, a história e a capa deste livro... O título avança aos curiosos leitores que se irá contar um romance onde jovens miúdas sonham com ursos, a capa escolhida para a edição nacional também mostra isso e depois chega-se à leitura e percebe-se que esta autora escolheu uma história que pouco tem de romance e de místico como poderá pensar-se pelo nome que deu a esta obra. O que falhou então aqui? Pois, talvez a edição nacional esteja a ser mal promovida como sendo um romance fantástico, quando tem pouco de romance!

Ao longo da leitura que fiz, fui percebendo que existe o mundo quase real e o outro, aquele em que tudo pode acontecer e onde os homens têm dias para se transformarem em ursos que podem ser carinhosos mas também traiçoeiros. Aí, nesse mundo fantástico, existe uma mãe com duas filhas e logo se começa a perceber que quem idealizou esta história deverá ter algum problema com a questão das violações porque logo de início fala disso e vai praticamente até aos momentos finais sempre com essa questão a fazer-se pesar na mente de determinadas personagens, fazendo até com que muitos fiquem com o sofrimento dessa dor. Será que Margo colocou um pouco de seu e da sua infância nesta história? É que pareceu-me ler um livro onde a sua autora se encontra transtornada com este tema que fiquei a pensar que existe ali mesmo um problema pessoal que se deixou passar para as palavras destas personagens criadas e idealizadas. É certo que numa criação existe sempre um toque do seu criador, mas aqui pareceu-me que o sofrimento pessoal passou mesmo para o livro e da pior forma.

Com uma história fantástica, mas que me pareceu contar parte da história da sua autora, em As raparigas que sonhavam ursos encontra-se uma escrita bem fácil, com nada de elaborado, mas depois também se encontram partes em que se poderá pensar que existiram duas pessoas encarregues da escrita desta narrativa porque percebe-se que existe uma mudança de vocabulário e forma de contar o que se quer. Além disso ainda é possível ver na edição nacional que existem muitos erros gramaticais e de tradução, mas aí a culpa é da Guerra & Paz e das pessoas que fizeram a tradução e posteriormente a sua revisão.

As raparigas que sonhavam ursos é um livro que não aconselho e que não me deixa saudades. Agora irá para a estante e jamais será uma obra recomendada por mim e que coloque em causa voltar a ler um dia.

Sinopse:

Como sobreviver num mundo onde a beleza não pode ser separada da crueldade?

As Raparigas Que Sonhavam Ursos é uma história comovente de viagens e transformações, que oscila entre o masculino e o feminino, a realidade e o mito, a natureza e a magia, o consciente e o inconsciente, o temporal e o espiritual.

Liga vive modestamente no seu céu pessoal, que lhe foi dado por magia em troca da sua vida terrena. As suas duas filhas, a doce Branza e a curiosa Urdda, crescem neste mundo harmonioso, protegidas da violência e dos preconceitos da cidade que, outrora, tinham tornado a vida da mãe insuportável.

Mas o mundo verdadeiro não pode ser negado para sempre e, gradualmente, as fronteiras entre o refúgio de Liga e o lugar de onde ela tinha fugido vão cedendo. 

Num romance de grande intensidade emocional, Margo Lanagan explora a maldade e a doçura e revela a magia de aprender a viver com as duas.

4 comentários

Comentar Post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador

Mensagens

Comentários Recentes

  • Maria

    Concordo em absoluto contigo!Fartei-me de refilar ...

  • O Informador

    Esperemos assim que os proprietários dos estabelec...

  • O Informador

    Acho que não serás a única com essa ideia!

  • O Informador

    Quero acreditar que mais de metade dos proprietári...

  • O Informador

    Sim, os animais «provocarem-se» para brincarem é n...

Atual Leitura

_________________________________________________________

Parceiros Literários

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Espaço Cultural