Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

01
Ago17

A Sociedade dos Sonhadores Involuntários [José Eduardo Agualusa]


O Informador

a sociedade dos sonhadores involutários.jpg

Autor: José Eduardo Agualusa

Editora: Quetzal

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2017

Páginas: 280

ISBN: 978-989-722-332-7

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: O jornalista angolano Daniel Benchimol sonha com pessoas que não conhece. Moira Fernandes, artista plástica moçambicana, radicada em Cape Town, encena e fotografa os próprios sonhos. Hélio de Castro, neurocientista brasileiro, filma-os. Hossi Kaley, hoteleiro, antigo guerrilheiro, com um passado obscuro e violento, tem com os sonhos uma relação ainda mais estranha e misteriosa. Os sonhos juntam estas quatro personagens num país dominado por um regime totalitário à beira da completa desagregação. 

A Sociedade dos Sonhadores Involuntários é uma fábula política, satírica e divertida, que desafia e questiona a natureza da realidade, ao mesmo tempo que defende a reabilitação do sonho enquanto instrumento da consciência e da transformação.

 

Opinião: Após opiniões distintas para com as três anteriores obras de José Eduardo Agualusa que li nos últimos anos, quis voltar ao contacto com as criações do autor mas as coisas não correram lá muito bem. A Vida no Céu, Barroco Tropical e Um Estranho em Goa foram obras do escritor que se revelaram uma montanha russa entre o bom e o frouxo, agora voltei a ficar com uma impressão a meio caminho sobre A Sociedade dos Sonhadores Involuntários. 

Embora tenha entrado a conta gotas nos sonhos que dão vida a esta história que une a realidade do próprio autor e a critica sobre a situação política de Angola em forma de comentário social com a imaginação, confesso que não consegui desfrutar desta viagem pelos sonhos da melhor maneira.

26
Jul17

Imaculada [Paula Lobato de Faria]


O Informador

imaculada.jpg

Autor: Paula Lobato de Faria

Editora: Clube do Autor

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2017

Páginas: 312

ISBN: 978-989-724-349-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Esta é uma história inspirada em acontecimentos reais em que a dualidade de ser e de parecer, da lealdade e da traição, do amor e da obrigação nos leva a caminhos imprevisíveis.

Portugal, 1956

Tempo da ditadura de Salazar, da censura e da PIDE. Numa família da alta burguesia, no interior do país, o lema "Deus, Pátria e Família" é sagrado. Mas a vida estremece quando na casa dos Correia bate à porta o amor e o desejo de liberdade.

«Apenas um por cento é baseado em memórias e todo o resto na imaginação, mas muitos leitores vão aqui identificar pessoas que conheceram durante a vida, pois os personagens desta trama são gente comum, de carne e osso», avança a autora nas primeiras páginas do romance.

 

Opinião: Situamos-nos em Portugal no ano de 1956, numa época em que o país vivia entre o medo e a pressão do governo de Salazar onde os comportamentos era controlados a favor da censura. Somos convidados a entrar através da obra de Paula Lobato de Faria no interior de Imaculada, o palacete da família Correia onde muito está prestes a acontecer.

Através duma família tradicional que viveu, como tantas outras, de aparências para que os outros não percebessem os dramas que eram omitidos a bem do futuro, conhecemos Cristiana, a jovem noiva de Miguel, um militar bem parecido e melhor amigo do irmão da sua futura esposa, João, um jovem advogado que namora com a melhor amiga da irmã. Este quarteto não surge de forma espontânea porque a época assim o exigia e o bom nome de cada família teria de prevalecer conjugado com os mais próximos, os mais bem parecidos e os que podiam aliar a sua fortuna e forma de aparecer publicamente para que o futuro sorrisse para os dois lados. Namoros forçados, combinados e arranjados pelo pais para que nada falhasse mas será que com um pouco de liberdade longe dos olhares controladores dos mais velhos o idealismo criado não corre o risco de ser desvirtuado?

20
Jul17

Um Mundo de Pernas Para o Ar [Elan Mastai]


O Informador

um mundo de pernas para o ar.jpg

Autor: Elan Mastai

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Julho de 2017

Páginas: 384

ISBN: 978-972-25-3346-1

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Estamos em 2016 e no mundo de Tom Barren a tecnologia solucionou os grandes problemas da humanidade: não há guerra, nem pobreza, nem abacates pouco maduros. Infelizmente, Tom não é um homem feliz. Perdeu a rapariga dos seus sonhos. E o que é que uma pessoa faz quando está de coração partido e depara com uma máquina do tempo? Faz uma estupidez.

Agora Tom dá por si numa realidade paralela aterradora (que nós reconhecemos logo como sendo o nosso 2016) e só pensa em corrigir o erro e voltar para casa. Mas é então que descobre uma versão encantadora da sua família, da sua carreira e de uma mulher que pode muito bem ser a mulher da sua vida.

Tem agora de enfrentar uma escolha impossível. Regressar para a sua vida perfeita, mas pouco emocionante, ou permanecer na nossa realidade, um mundo caótico, mas onde terá ao seu lado a sua alma gémea. À procura da resposta, Tom é levado numa viagem pelo tempo e pelo espaço, tentando perceber quem é de facto e qual será o seu futuro.

Cheio de humor e emoção, um livro inteligente e caloroso que é uma poderosa história de vida, de perdas e de amor.

 

Opinião: Um Mundo de Pernas Para o Ar prometia sim, mas não me conseguiu conquistar e acabei por chegar ao final desta leitura com um peso e com um grande prolongamento temporal que não era esperado. 

Comecei entusiasmado e consegui entrar facilmente na leitura, passando entre o real e o mundo criado para lá da mente, mas aos poucos fui perdendo o brilho que senti pelos primeiros capítulos até que cheguei a uma fase em que me obriguei a levar a leitura em diante porque não sou de deixar livros a meio. Genericamente não sou apreciador de ficção cientifica e mesmo em termos cinematográficos é um estilo que opto por não ver, mas pensei que este romance teria os ingredientes secretos para me conquistar mas nem a comédia me conseguiu alegrar ao longo das demoradas e arrastadas horas em que me dediquei a este livro. 

Tenho noção sobre a ideia base do autor e acho que tinha condições para a criar, elaborando conteúdo mas o que enrolou a meio e a forma apressada como terminou esta história de mundos paralelos acabou por me deixar mesmo em algum local onde o seguimento lógico da obra não estava. A tentativa de juntar o romance com a ficção cientifica e uns pozinhos de comédia poderia ter corrido bem, mas dos três o que melhor foi explorado foi mesmo a parte romanceada e um pouco da vida familiar, tendo o resto passado ao lado da essência, sem exploração de casos. Elan Mastai talvez por querer mostrar demais acabou por deixar escapar uma história que se tivesse sido melhor explorada e mais expostas teria corrido melhor. 

16
Jul17

A Bilha Quebrada [Yellow Star Company]


O Informador

a bilha quebrada.jpg

A Bilha Quebrada é uma comédia feita de cacos onde uma linda bilha que passou de geração em geração e com história é partida numa noite trágica para a Srª Marta. A partir do momento em que a bilha da viúva é quebrada começa a história que dá vida a esta peça mundial.

Pelos Países Baixos, em pleno século XVIII, o barulho da quebra da bilha faz-se sentir no quarto da filha da Srª Marta. E quem está naquele momento ao lado da jovem solteira e prometida? O seu, também jovem, noivo, mas será que foi o rapaz a partir a bilha da sua futura sogra? Ao mesmo tempo que uma mãe preocupada com a sua bilha se dirige ao tribunal, somos convidados a acompanhar as peripécias de um juiz alcoólico e com segredos sobre uma noite mal dormida e com mazelas pelo meio. Quem terá partido a bilha afinal? Reforcei a palavra bilha até aqui porque esta peça vive muito da bilha tão bem tratada da Srª Marta e que terá sido quebrada por um homem com sede de paixão ou de vontades secretas!

No geral gostei pela história bem composta e onde facilmente o público percebe o final antecipadamente e começa desde cedo a torcer para que algo revelador aconteça para que se passe ao passo seguinte. A história está montada de forma a que se perceba o que irá acontecer de seguida para que se queiram ver as consequências e como determinadas personagens se desenrascam perante cada situação que lhe vai sendo colocada pela frente. 

Um texto histórico celebrado em palco num simples cenário e com um elenco consistente que talvez precise de continuar a percorrer o país para que esta comédia ganhe outro ritmo. Do meu ponto de vista esta interpretação de A Bilha Quebrada está bem conseguida mas existem personagens que poderão ganhar outro fôlego se os atores lhe derem um toque mais cómico em diversas passagens. O talento está lá todo e existem nomes fortes no elenco, basta limar o texto para que tudo se torne mais maleável e acessível junto do público.

10
Jul17

A Pérola Que Partiu a Concha [Nadia Hashimi]


O Informador

a pérola que partiu a concha.jpg

Autor: Nadia Hashimi

Editora: Editorial Presença

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2017

Páginas: 432

ISBN: 978-972-23-6002-9

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Cabul, 2007. Com um pai toxicodependente e sem um único irmão, Rahima e as irmãs só podem frequentar a escola esporadicamente e mal lhes é permitido sair de casa. 

A Rahima, resta a esperança proporcionada pela bacha posh, uma prática antiga através da qual as raparigas podem ser tratadas como rapazes, e adotar o seu comportamento, até terem idade para casar. Como filho, ela pode ir à escola, ao mercado e sair à rua para acompanhar as irmãs mais velhas. Rahima não é a primeira da família a seguir esta prática pouco comum. Shekiba, sua trisavó, já o fizera um século antes para tentar salvar-se. 

Os destinos das duas cruzam-se numa história, ao mesmo tempo, bela e triste que nos fala da condição feminina num ambiente hostil. O que acontecerá a Rahima quando tiver idade para se casar? Como sobreviverá? E Shekiba, terá ela conseguido construir uma vida nova e mais digna? A Pérola que Partiu a Concha é a história de duas mulheres que lutam para sobreviver no Afeganistão.

 

Opinião: Conhecer as vidas de Rahima e Shekiba foi como viajar para o Afeganistão e perceber a realidade de uma sociedade tão distinta da minha. Com décadas a separar as vidas destas duas personagens tão reais, o que é certo é que a realidade não se alterou assim tanto numa zona territorial em guerra e onde as mulheres continuam a ser tratadas como seres nulos e onde em zonas afastadas dos grandes centros urbanos são vistas como seres procriadores e pouco mais. 

Um romance bem escrito e verdadeiro que pode ser confundido tão facilmente com a realidade de tantas mulheres que enfrentam o poder dos seus maridos e da sua família em locais onde não têm uma palavra a dizer. Estas duas mulheres pertencem, em gerações diferentes, à mesma família e é através de Rahima que vamos conhecendo a sua história atual e a realidade vivida pela sua trisavó Shekiba. Ambas enfrentam vários processos de solidão, massacre, obrigações e violência até encontrarem um caminho que só é possível pelo que passaram ao longo dos seus primeiros anos de vida. Praticamente cem anos separam estas duas figuras femininas que em momentos diferentes vivem situações semelhantes mostrando assim a autora o pouco que foi alterado nos direitos da mulher afegã ao longo do tempo. 

A Pérola Que Partiu a Concha é um romance que pode muito bem ser considerado a biografia de alguém, de uma mulher que tenha sobrevivido à dor ao longo de situações controversas aos nossos olhos. A figura feminina sem direitos e somente com deveres existe e é infelizmente retratada de forma exemplar nesta narrativa onde os maus tratos, a obediência, a dor e a rejeição são mostrados de forma tão verossímil quanto possível. 

O nascimento logo manchado quando se nasce mulher traça o rumo de uma vida que desde logo fica riscada. Uma filha é vendida e trocada por bens materiais para que seja mais uma esposa, muitas vezes quando ainda criança, de um homem que somente quer ter filhos homens para lhe seguirem o legado e ficar bem visto junto dos seus semelhantes. Uma mulher, transformada em esposa por obrigação e que tenha somente filhas é deixada de lado, muitas vezes morta porque não cumpriu com o seu papel de procriadora de um varão.

Na sociedade afegã ter somente filhas também poderá querer dizer que uma ou mais poderão ser transformadas em bacha posh, o que desconhecia por completo, mas que é uma situação bem real. Uma bacha posh é uma rapariga que antes de atingir a puberdade e mesmo em alguns casos após se tornar mulher, é transformada num rapaz para poder estudar, sair à rua livremente e dar ao seu pai algum alento durante um tempo por ter a companhia de um filho masculino. Uma situação complicada de explicar mas que em A Pérola Que Partiu a Concha está tão percetível que mostra a quanta dedicação foi atribuída pela autora a este tema. 

29
Jun17

A Filha Estrangeira [Najat El Hachmi]


O Informador

a filha estrangeira.jpg

Bi ismi Al lah

(em nome de Deus)

Autor: Najat El Hachmi

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2017

Páginas: 208

ISBN: 978-972-25-3371-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinospe: Uma rapariga nascida em Marrocos e criada numa cidade interior da Catalunha aproxima-se da idade adulta. À rebeldia característica da juventude, ela terá de acrescentar um dilema: sair do seu mundo de emigrante ou permanecer nele. Um romance íntimo e honesto sobre a transição para a idade adulta, escrito em forma de monólogo interior, repleto de observações, histórias e memórias da terra natal da narradora, uma jovem viva e inteligente, apaixonada pela literatura e pela filosofia, completamente diferente do mundo iletrado e tradicional da mãe. 

Acessível, por vezes engraçado, mas sempre íntimo e repleto de observações e pensamentos pertinentes. Um livro que fica connosco.

 

Opinião: Uma jovem que tem as suas origens em Marrocos mas que cresceu na Catalunha conseguirá algum dia viver consoante a tradição familiar e longe da liberdade ocidental a que se habitou ao longo dos anos? Esta é uma das principais questões de A Filha Estrangeira, a obra que retrata uma vida entre dois mundos bem distintos que acaba por gerar um mal-estar interior para com quem é forçado a conviver consoante crenças e comportamentos que não tolera.

A tradição, os costumes culturais e os receios são uma arma forte do povo marroquino que não quebra hábitos dentro do seu país, mas fora dele seguem as leis com receio do que os outros possam dizer, tudo para não melindrarem uma sociedade que tem as suas venerações e hábitos bem distintos. A nossa jovem protagonista é a contradição dentro da lei. Habituada à liberdade, mesmo com uma mãe tradicional e a repudiar as suas atitudes, sempre tentou conciliar os dois lados da balança para não defraudar os sonhos de uma mãe que sempre fez tudo pela filha, num local longe da família e onde sempre foi necessário lutar por um lugar melhor. 

A trabalharem para casa, vivendo rodeadas de preconceitos, racismo e comportamentos chocantes para com a diferença, mãe e filha seguiram o seu percurso sem uma figura masculina por perto mas com a promessa de outros tempos que um dia, a jovem teria um primo à sua espera para contrair matrimónio e começa aqui a parte da narrativa que mais me prendeu.

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários Recentes

  • Phocaontas

    Olaaa por acaso gosto mesmo muito de ler.. E amo r...

  • PP

    Que assim seja!

  • PP

    O meu também é assim

  • PP

    Magnífica iniciativa.

  • Flávia Hidalgo

    Tenho interesse imenso em comprar. Mas não encontr...

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador