Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Sensacionalismo por Pedrógão Grande

pedrógão grande.png

Nos dias trágicos sobre o acidente de Pedrógão Grande e tudo o que tem surgido depois com uma imensa área territorial a arder, todos os meios de comunicação social viraram sensacionalistas. Acho que não é difícil perceber o que quero dizer já que os factos têm-se refletido pelas reportagens televisivas dos principais canais nacionais e seus parceiros de informação.  

Através da transmissão de imagens chocantes em direto os canais informativos tentaram criar impacto junto do espetador usando e abusando da tragédia de Pedrogão Grande que continua a devastar quilómetros de área onde não é só a mata que fica em cinzas. 

Portugal não está preparado para este tipo de situações e os meios de comunicação social ao apanharem um caso tão forte acabaram por usar e abusar da situação, criando um alarido onde vale tudo para se ser o melhor, para mostrar o que dá audiências, recorrendo a depoimentos de pessoas sensibilizadas e que perderam familiares e os seus bens, optando por mostrar corpos espalhados, feridos a serem socorridos, num autêntico cenário de guerra a ser mostrado em direto nos canais generalistas e informativos nacionais. 

Nos últimos anos assistiu-se a uma alteração no modo de se fazer notícia, tentou-se criar uma informação mais rigorosa que desse outra imagem ao que era feito e transmitido ao espetador, no entanto quando acontecimentos de maior envergadura aparecem, todos acabam por cair no erro do facilitismo com o impacto onde a situação leva a comportamentos controversos e onde os momentos sensíveis, tocantes e polémicos surgem através de profissionais que se desequilibram de um momento para o outro pela pressão de querer ser o melhor e reconhecido nos momentos de aflição. 

Bilhetes para Mais Respeito Que Sou Tua Mãe [25-06-2017]

mais respeito que sou tua mãe.png

Os 30 anos de carreira de Joaquim Monchique estão a ser celebrados junto do público pelos palcos nacionais ao longo de 2017 e nada melhor do que voltar a apresentar e recuperar alguns dos seus êxitos dos últimos anos para apresentar junto dos espetadores. Neste momento e desde o dia 29 de Março que se encontra, com sessões esgotadas, no Auditório dos Oceanos no Casino Lisboa, a comédia Mais Respeito Que Sou Tua Mãe e não é que tenho novamente convites duplos para te oferecer para o próximo Domingo?!

Após ter visto esta nova versão do espetáculo, a Força de Produção dá-me a hipótese de presentear os leitores do blog com bilhetes para a sessão das 16h30 de Domingo, 25. Como podes ser um dos vencedores e passar umas horas em boa disposição com Joaquim Monchique e companhia? Ora vê o que se segue!

Críticos por Pedrógão Grande

pedrogão grande 2017.jpg

Muito já li pelas redes sociais acerca do tratamento da comunicação social face aos acontecimentos de Pedrógão Grande, essencialmente porque a TVI, tal como todos os canais generalistas, continuou com a sua programação normal ao longo da tarde, só que enquanto RTP tinha futebol e a SIC cinema, como todos sabem no canal quatro o programa de Domingo é o Somos Portugal. Já ao serão foi a vez de ser a SIC a levar com as criticas por ter transmitido o Just Duet. Muitos achavam que seria sensato por parte da direção de cada estação ter cancelado a exibição dos formatos para darem algo não programado ou estarem em direto do local da tragédia, o que foi feito nos canais informativos com e sem rigor. O que me pergunto é, valeria mesmo a pena cancelar tudo o que estava programado quando existia um canal suplementar do grupo que estaria em direto ao longo de todo o dia do local dos acontecimentos, neste caso a SIC Notícias e a TVI24?

Estas criticas fizeram-me lembrar uma situação que vivi e que acabei por recordar um pouco. Falo do dia em que o funeral da minha avó se realizou. Dia esse que também assinalou o aniversário da minha afilhada. O funeral foi ao início da tarde e pensei que não deveria ir ao jantar de família, feito em casa, mas todos me disseram que não havia mal algum em ir jantar com eles porque tinha de comer, ou em casa ou na casa dos meus primos, teria de jantar. E fui, os meus pais e tios aconselharam-me a ir e optei por não desmarcar o que já estava combinado. Claro que o espírito não é o mesmo, claro que não existem festejos como se de outro dia normal se tratasse, mas as coisas acontecem e os que cá ficam têm de continuar a viver, de luto, com um pensamento distante por alguns momentos, mas não é necessário alterar totalmente uma rotina porque um acidente acontece e os que cá ficam têm a obrigação de desfalecer. Não vamos atirar foguetes de alegria, mas existe a necessidade de continuar e tentar voltar rapidamente à rotina, não deixando que os factos menos bons tomem conta do psicológico de cada um. Não queria ir, fui e não me arrependi em algum momento de ter tomado tal decisão. 

Claro que a dimensão dos acontecimentos não tem comparação, mas uma morte toca sempre quem está envolvido e neste caso da devastação de Pedrógrão Grande é um acontecimento que marca o país, que arrecada muitas lágrimas e tristeza e que fez com que este Domingo tivesse sido passado com um pensamento fora do comum, com um tema que ninguém gostaria de ter visto acontecer, mas que infelizmente quebrou várias famílias, aldeias e uma sociedade que agora ter-se-a de reerguer com as faltas que este fatídico incêndio provocou. 

Não percebo a indignação das pessoas que criticaram os canais, principalmente a TVI, por não alterarem a sua programação, sendo que muitos desses críticos foram certamente para um arraial festejar ou para a praia desfrutar do dia quente que se fez sentir, não se lembrando nesse caso que o país está em luto nacional durante três dias. Há que ter noção sobre o que se diz porque quando hoje se criticam atitudes as mesmas podem muito bem ser feitas pelos próprios em ocasiões semelhantes. 

Neste caso os canais já tinham as suas programações definidas, existem os canais informativos para estarem em direto do local dos acontecimentos constantemente, qual seria a necessidade de estarem dois canais de cada grupo a transmitirem de manhã à noite a mesma emissão? Por essa lógica muitos dos canais de Cabo tinham fechado a sua emissão porque os seus programas não estão de todo de acordo com o que esses críticos chamam de dias de luto onde não comem, não conversam, não saem de casa, não exprimem um sorriso e não tentam descomprimir, ficando somente a matutar na dor que fica para sempre mas que pode muito bem ser tranquilizada com as rotinas do dia-a-dia.

Pedrógão Grande

pedrogão grande.jpg

O calor que se faz sentir pelos últimos dias e a trovoada do final do dia de ontem, Sábado, fizeram das suas e quando me deitei à noite existiam informações que davam como certas dezanove mortes num grande incêndio na zona do Pedrógão Grande, distrito de Leiria. Hoje ao acordar deparo-me primeiramente com as notificações no telemóvel de vários órgãos de comunicação social a darem conta de mais de cinquenta mortos, várias pessoas desaparecidas e um cenário de destruição caótico. Liguei a televisão num canal informativo e das palavras à imagem existe uma grande diferença.

O que vi logo pelos primeiros momentos foram estradas com carros carbonizados que ainda continham corpos no seu interior. As pessoas tentavam fugir pelas estradas possíveis e foram apanhadas pelo incêndio que devastou quilómetros de mata, aldeias e que acabou por roubar dezenas de vidas no que já é considerado o mais trágico acidente dos últimos cinquenta anos em Portugal. Assistir a um acidente destes de longe é complicado, colocando-me na pele de quem esteve e continua no local, longe das suas casas, não sabendo de familiares e procurando respostas para o que ainda não se sabe afirmar.

As temperaturas altas, as matas, o terreno complicado para se lidar com incêndios, tudo parece ter corrido mal num só local num fim-de-semana prolongado com famílias a desfrutarem das praias e lagos naturais da zona para passarem as horas quentes do dia, quando o início do incêndio acontece e só existem caminhos de fuga onde as chamas já começavam a tomar conta de estradas, casas e tudo o que foram apanhando pela frente. 

Bilhetes para Dois Homens Completamente Nus [23/24-06-2017]

dois homens completamente nus cartaz.jpg

Miguel Guilherme, Jorge Mourato, Sandra Faleiro e Susana Blazer compõem o elenco da comédia Dois Homens Completamente Nus que fui ver há umas semanas e aconselho pelo Teatro Villaret, em Lisboa. Como gostei tanto e a Força de Produção quer presentear os leitores do blog e a sua assistência, o que irá acontecer? Tenho seis convites duplos para oferecer, destinados três para a próxima Sexta-feira, 23 de Junho, e os restantes três para a sessão de Sábado, 24, ambas pelas 21h30. Quem quiser tentar a sua sorte só tem de participar neste desafio e esperar pelos resultados finais. 

dois homens completamente nus cartaz elenco.JPG

O calor não me conquista

Ainda agora começou a sério e já estou farto de tanto calor! A maioria da população portuguesa adora o tempo quente para se atirarem para as praias, já eu este ano parece que nem vontade tenho de me ir banhar pelas águas salgadas.

As altas temperaturas que se têm feito sentir esta semana já me deixam zonzo. De ar condicionado ligado todo o dia e a sentir que estou com um calor horrível enquanto trabalho. Bebo água até mais não, fico sem fome e a roupa parece pegar-se ao corpo a toda a hora.

O Verão é uma época pesada para ser ultrapassada, para mais junto de quem nem faz tenção de ir até à praia muitas vezes pelos próximos meses. Só de pensar que não tenho férias no Verão este ano porque mal entrei para a empresa e de também não ter vontade de ir aos fins-de-semana para a praia só para não me cansar da viagem logo dá vontade de dar um salto temporal de três meses e aparecer em Setembro com o tempo a começar a refrescar. 

Se umas certas pessoas abrirem este texto logo me vão enviar mensagens escritas por não querer ir até à praia nos dias livres mas nem todos gostamos das mesmas coisas, felizmente, e a cada ano que passa a vontade de meter os pés na areia parece que vai diminuindo. 

Vencedores de Mais Respeito Que Sou Tua Mãe [18-06-2017]

A completar 30 anos de carreira, Joaquim Monchique convida todo o público a assistir ao regresso dos seus espetáculos de maior sucesso dos últimos anos ao longo de 2017. Como tal neste momento encontra-se no Auditório dos Oceanos do Casino Lisboa com a comédia Mais Respeito Que Sou Tua Mãe onde no elenco constam os nomes dos jovens Tiago Aldeia, Rui Andrade e Rita Tristão da Silva, entre outros. 

Como vi já por duas vezes este espetáculo e acho que está muito bem conseguido, resolvi, em parceria com a Força de Produção, deixar o convite aos leitores do blog para participarem no desafio de poderem ganhar convites duplos para a sessão das 16h30 do próximo Domingo, 18 de Junho. Os sorteados através do sistema random.org e que irão receber email com as informações necessárias para poderem fazer o levantamento dos seus bilhetes nas melhores condições são a Anabela Carvalho, Isabel Lourenço e Carlos Ribeiro.

À Conversa com... Filipe de Albuquerque

filipe de albuquerque 5.jpg

Filipe de Albuquerque começou cedo a pisar os palcos nacionais mas tem sido nas produções de Filipe La Féria que nos últimos anos tem conquistado os aplausos do público pelo seu talento. Neste momento a dar vida a Passepartout na comédia musical A Volta ao Mundo em 80 Minutos, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril, onde também tem o papel de assistente de encenação, o jovem ator, bailarino e cantor é o típico homem dos sete ofícios em palco e é assim que pretende continuar. Sendo feliz a representar abraçou recentemente uma participação especial em televisão, área que gostaria de continuar a experimentar, tal como o cinema onde ainda não tocou mas que pretende conquistar assim que tiver oportunidade. Vamos descobrir um pouco mais sobre Filipe de Albuquerque, uma das estrelas do teatro musical nacional.

filipe de albuquerque 1.jpg

Iniciou a sua carreira profissional como bailarino no Parque Mayer. Como foi o seu percurso de criança e jovem adolescente até pisar um palco com maior visibilidade?

Desde que me entendo como gente que quis ser artista. Comecei no coro do meu colégio D. Maria Pia fazíamos espetáculos aos fim de semana por todo o país essa foi a minha primeira experiência, depois veio o grupo de dança Batoto-Yetu era um grupo muito popular pois tinha ganho o Bravo Bravíssimo cá em Portugal então eles tinham imensos espetáculos tanto fazíamos a abertura dos Globos de Ouro como as festas de verão de Oeiras. Estas duas experiências fizeram-me perceber que o palco era a minha casa! Antes do Parque Mayer fiz uma revista na Academia de Santo Amaro, depois fiz audições para o Maria Vitória não entrei à primeira e voltei o ano seguinte e fiquei, assim começou o meu percurso profissional.

 

Do bailado começou aos poucos a representar em teatro musical onde integrou vários projetos. Ser ator era um dos objetivos ou o sonho inicial não passava da dança?

Eu sempre quis ser cantor mas sempre que cantava mandavam-me calar, comecei a dançar um pouco por acidente e a representar também…

 

Somando sucessos pelos palcos com Fame, A Gaiola das Loucas, Um Violino no Telhado, Grande Revista à Portuguesa e Portugal à Gargalhada, entre outros, como existe a preparação diária para enfrentar um público sempre diferente a cada sessão?

Sim existe, eu tento sempre estar o mais aquecido possível mesmo quando o papel não o exige… Faço uma preparação física e vocal, assim sinto-me mais “desperto” é um ritual que tento manter.

 

Aos poucos tornou-se num dos rostos do espetáculos de Filipe La Féria, provando que o talento existe e está a ser recompensado. Trabalhar com um dos melhores e mais exigentes encenadores nacionais é das melhores formações que se pode ter?

É sem dúvida, tenho o privilégio de trabalhar há quase 10 anos com o Sr. Filipe La Féria como ator e há um ano como assistente de encenação e é uma aprendizagem constante todos os dias conheço novos atores, pintores, músicos, compositores… Sinto-me como se estivesse a tirar um curso sem pagar propinas!

É Isto Que Eu Faço [Lynsey Addario]

é isto que eu faço.jpg

Autor: Lynsey Addario

Editora: Marcador

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2017

Páginas: 384

ISBN: 978-989-754-300-5

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Quando, após os ataques terroristas do 11 de Setembro, convidaram Lynsey Addario para fazer reportagens no Afeganistão, ela tomou uma decisão que se repetiria muitas vezes - não ficar em casa, não levar uma vida tranquila e previsível; pelo contrário: arriscar a vida, cobrir guerras e atravessar o mundo para se tornar uma das mais importantes foto jornalistas do nosso tempo.

É Isto que Eu Faço segue o seu percurso - da sua primeira câmara oferecida pelo pai aos anos de repórter local, das guerras no Médio Oriente aos campos de refugiados sírios, sempre com a fotografia como propósito, e uma ambição única que a define e a incentiva.

Enquanto mulher num ofício maioritariamente masculino, está determinada a ser levada a sério, a enfrentar a dureza da profissão e o convívio com a injustiça e a guerra.

 

Opinião: Um livro de guerra geralmente não me conquista, mas rapidamente percebi que algo me fazia querer ler É Isto Que Eu Faço - Uma Vida de Amor e Guerra, e não é que o instinto revelou uma boa surpresa?

Esta autobiografia que a foto jornalista americana revelou ao mundo sobre a sua vida ao longo de vários períodos de caos e destruição entre batalhas que devastaram milhares de cidadãos em territórios onde o poder interveio para atacar os grandes líderes do terrorismo transmite verdade sobre a realidade que todos imaginamos mas que só podemos ter noção da sua existência através de relatos tão comoventes como o de Lynsey Addario. 

Uma jovem fotografa parte em luta consigo para uma aventura sem bases mas com o objetivo de mostrar o que era essencial para que existisse uma verdade estampada sobre o que estava a acontecer do outro lado da fronteira. Sem rede e acordos partiu, deixando um passado numa família dividida para trás e procurando locais onde se poderia sentir útil à sociedade. Lynsey partiu e aos poucos os editores de grandes meios de comunicação social começaram a olhar para o seu trabalho. 

Líbia, Afeganistão, Paquistão, Iraque, Sudão e Congo são apenas alguns dos territórios percorridos mais do que uma vez por esta mulher que não deixou para trás os seus sonhos, criando objetivos, sobrevivendo a sacrifícios e acabando por lutar pela vida lado-a-lado com outros colegas de profissão e soldados. Os pensamentos, a adrenalina do instante e os sacrifícios para obter a imagem perfeita mesmo que arriscando demais para estar na linha da frente em zonas de conflito.

Ao longo das palavras relatadas por Lynsey encontrei a história mundial onde uma mulher que a pretende relatar não baixa os braços para mostrar a todos o sofrimento de um povo que com pouco tenta sobreviver e aguentar sempre mais, acreditando que perante cada situação conseguirá dar a volta. A dor, revolta, perda, morte, tudo pesa neste momento só ao resumir mentalmente o que fui percebendo nos relatos desta fotografa que mesmo tendo o medo consigo conseguiu manter os pés assentes em cada terra por onde passou sem perder a esperança por si e por todos com quem se cruzou. Uma coragem incrível onde a paixão, os afetos e o amor convivem com o sofrimento e a perda numa luta desigual que acabou por causar muitas vítimas entre crianças, idosos e mulheres sem direitos e vistas como objetos sem culpa das atitudes machistas e terroristas que provocaram uma grande calamidade onde a morte é a palavra forte de guerras que parecem não ter fim. 

Bilhetes para Mais Respeito Que Sou Tua Mãe [18-06-2017]

1000x1450.jpg

Joaquim Monchique completa 30 anos de carreira e para celebrar junto do público esse marco que nem todos os artistas conseguem alcançar com sucesso, o ator recuperou alguns dos seus êxitos pelos palcos nos últimos anos. Neste momento e desde o dia 29 de Março que se encontra, com sessões esgotadas, no Auditório dos Oceanos no Casino Lisboa, a comédia Mais Respeito Que Sou Tua Mãe e não é que tenho convites duplos para te oferecer para o próximo Domingo?!

Após ter visto esta nova versão do espetáculo, a Força de Produção dá-me a hipótese de presentear os leitores do blog com bilhetes para a sessão das 16h30 de Domingo, 18. Como podes ser um dos vencedores e passar umas horas em boa disposição com Joaquim Monchique e companhia? Ora vê o que se segue!

Atual leitura... Pecados da Igreja [Secundino Cunha]

pecados da igreja.jpg

Os temas religiosos têm andado um pouco pelas leituras que tenho feito ao longo dos últimos meses porque quero perceber um pouco de tudo o que o misticismo da Igreja Católica tem para desvendar. Como tal e porque também já li a história de Jesus e Maria por um prisma diferente com a leitura de O Homem Mais Inteligente da História, agora quero ver um pouco das histórias pecaminosas que têm acontecido ao longo das últimas décadas no seio católico nacional.

Os pecados carnais entre o amor, os abusos sexuais, homossexualidade e prostituição existem, tal como a falsidade, o dinheiro, os abusos de poder e a inveja habitam no seio da igreja que todos nós conhecemos mas que não queremos acreditar em tais atos ofensivos para com uma organização que parece tão bem limada e sem pontos negros a apontar. 

Secundino Cunha foi o jornalista que pegando em histórias reais e noticiadas ao longo dos últimos tempos pelos meios de comunicação social, resolveu investigar todos os temas e escrever assim Pecados da Igreja, a obra lançada recentemente pela Saída de Emergência. 

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador

Mensagens

Comentários recentes

  • O Informador

    Uma comédia muito bem disposta, sem dúvida!

  • Carla Moita

    Olá Ricardo,Eu estou desempregada no estrangeiro, ...

  • Anónimo

    Adorei a peça e ri até chorar quase do princípio a...

  • O Informador

    O que aconteceu esta semana vejo como uma tentativ...

  • Alexandra

    Completamente de acordo. Acho que ela demonstrou m...

Atual Leitura

_________________________________________________________

Parceiros Literários

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Espaço Cultural

_______________________________________________