Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Ñaque | Força de Produção

04.04.18Publicado por O Informador

ñaque.jpg

Força de Produção convidou os veteranos atores José Pedro Gomes e José Raposo para, numa experiência que ambos já haviam mostrado vontade há algum tempo, se encontrarem em palco. Em cena no Teatro Villaret, Ñaque, mostra a vivência de uma companhia teatral itinerante do século XVII que com dois atores vai percorrendo o país, refletindo sobre o dia-a-dia dos homens que dão vida a várias personagens e que vão acabando por revelar ao longo da interpretação o seu percurso de vida profissional que se acaba por confundir com o campo pessoal.

Da autoria de José Sanchis Sinisterra e estreado em 1980, Ñaque chegou a Portugal em 2018, mostrando ser um texto intemporal. Além de mostrar dois atores que lutam pelo seu ganha pão através de uma acreditação sobre a sua função de se apresentarem perante um público que os espera no teatro, estes homens acabam por viver os altos e baixos que qualquer artista enfrenta na sua viagem de vida. Os objetivos e vontades que acabam por não conseguirem chegar a bom termo, a mudança para dar a volta a uma situação sem rumo e a crença que sempre se conseguirá fazer mais e melhor, lembrando um passado por vezes duro, de saltimbancos mas com a esperança sempre presente porque o sonho comanda a vida e o público pede sempre mais com a presença de cada artista a dar o melhor que sabe de si perante a exigência de um todo complexo.

A vida ingrata de um ator que sofre com os seus altos e baixos é retratada em Ñaque, onde dois excelentes atores contracenam como se tivessem numa amena cavaqueira pessoal e particular, num ambiente descontraído. O estatuto e profissionalismo de José Raposo e José Pedro Gomes já mostra ao público um à-vontade em palco único, fazendo mesmo com que o texto consiga ser valorizado pela forma como a naturalidade da dupla impera no espetáculo que é apresentado. 

Convites Duplos | Balas e Purpurinas - O Lado B da Eurovisão | 07.04.2018

04.04.18Publicado por O Informador

balas e purpurinas.jpg

A pouco tempo de Portugal receber o Festival Eurovisão, Henrique Feist, cantor, actor e encenador, desvenda o outro lado do festival que poucos conhecem. Num espectáculo original, Henrique Feist, após o sucesso de bilheteira do seu último espectáculo sobre os anos 60, promete levar novamente o público numa viagem ao passado. Uma viagem pela história da Eurovisão, focada também muito no aspecto histórico e político porque, para além da componente de espectáculo e entretenimento, o festival tem uma grande carga política. A partir do dia 29 de Março, no Auditório do Casino Estoril, a história, factos, acontecimentos, o lado B do Festival Eurovisão será desvendado, num espectáculo maravilhoso, cantado e tocado ao vivo.

A estreia de Balas e Purpurinas, O Lado B da Eurovisão, o novo espetáculo musical da Artfeist já aconteceu e por aqui existiram convites duplos para vos oferecer. Mas como queremos que as oportunidades teatrais continuem, eis que para a sessão do próximo dia 7 de Abril, Sábado, tenho dez convites duplos para sortear. 

Num musical interpretado por Henrique Feist, Dora, Valter Mira, Catarina Pereira e Augusto Gonçalves, com o apoio do maestro Nuno Feist, os grandes temas do festival serão interpretados ao vivo enquanto se desfiam factos históricos de cada época. Pretendendo puxar pela lembrança do público através de um ambiente de boa disposição, Balas e Purpurinas pretende acima de tudo homenagear os nomes mais marcantes que passaram pelo Eurovisão, de Portugal para a Europa, abrindo o baú das memórias perante a plateia do Auditório do Casino Estoril.

Esta nova aposta musical da Artfeist convida desde já o público a reservar o seu bilhete, uma vez que este espetáculo estará somente em cena até 29 de Abril, contando assim com um mês de exibições de Quinta a Sábado, pelas 21h30, e aos Domingos, pelas 17h00.