Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Convites Duplos | Balas e Purpurinas - O Lado B da Eurovisão | 27/28.04.2018

24.04.18Publicado por O Informador

balas e purpurinas.jpg

A pouco tempo de Portugal receber o Festival Eurovisão, Henrique Feist, cantor, actor e encenador, desvenda o outro lado do festival que poucos conhecem. Num espectáculo original, Henrique Feist, após o sucesso de bilheteira do seu último espectáculo sobre os anos 60, promete levar novamente o público numa viagem ao passado. Uma viagem pela história da Eurovisão, focada também muito no aspecto histórico e político porque, para além da componente de espectáculo e entretenimento, o festival tem uma grande carga política. A partir do dia 29 de Março, no Auditório do Casino Estoril, a história, factos, acontecimentos, o lado B do Festival Eurovisão será desvendado, num espectáculo maravilhoso, cantado e tocado ao vivo.

Balas e Purpurinas, O Lado B da Eurovisão, o musical da Artfeist espera pelo público no Auditório do Casino Estoril para ajudar a relembrar e ao mesmo tempo festejar a história da Eurovisão. Após várias oportunidades para ganharem convites para o espetáculo eis que continuamos a querer que todos possam ver esta produção. Sendo assim tenho convites duplos para as sessões de Sexta-feira, 27, e Sábado, 28, ambas pelas 21h30.

Num musical interpretado por Henrique Feist, Dora, Valter Mira, Catarina Pereira e Augusto Gonçalves, com o apoio do maestro Nuno Feist, os grandes temas do festival serão interpretados ao vivo enquanto se desfiam factos históricos de cada época. Pretendendo puxar pela lembrança do público através de um ambiente de boa disposição, Balas e Purpurinas pretende acima de tudo homenagear os nomes mais marcantes que passaram pelo Eurovisão, de Portugal para a Europa, abrindo o baú das memórias perante a plateia do Auditório do Casino Estoril.

Aquelas saídas!

23.04.18Publicado por O Informador

discoteca noite.jpg

A idade pesa e quando falamos em saídas noturnas o fator idade revela-se cada vez mais!

Há uns anos, não há muitos, sendo talvez somente necessário recuar uns cinco anos, fazer uma noitada até altas horas era fácil. Ver as horas passarem e quase chegar ao amanhecer a casa não acontecia regularmente mas quando existia algo que o justificasse ia e ficava bem, tanto ao longo da noite como no dia seguinte após dormir umas horas pela manhã. Hoje, após os trinta, sair à noite não pode passar certos horários, já que mentalmente começo a bloquear por pensar no dia seguinte e acabar por não conseguir descansar tanto como desejado. 

A idade pesa e quem diga o contrário que se vá lixar com a sua conversa! Os anos passam e não dá para andar em festa sistematicamente, já não sentindo a pedalada de outros tempos onde cheguei a fazer diretas, trabalhar no dia seguinte em boas condições e voltar a sair, passando quase quarenta e oito horas sem ver a cama e estando bem. Agora isso não acontece, mesmo que para muitos essa possibilidade exista e nem consigam compreender a minha opção de querer chegar mais cedo a casa, poder dormir o que o corpo exige para ter um dia seguinte mais pacífico, sem cansaço e moleza a prejudicarem as horas que estarei acordado a pensar que tenho de voltar a sentir os lençóis de perto para recompor o que ficou para trás.

5 Lésbicas e Uma Quiche | Yellow Star Company

22.04.18Publicado por O Informador

cartaz 5 lésbicas e uma quiche.jpg

Estamos em 1956, em plena Guerra Fria, com o perigo iminente de um ataque nuclear, vindo das hostes soviéticas. Uma comunidade, no meio dos EUA, realiza o Encontro Anual de Quiches da Sociedade de Irmãs, Viúvas, Independentes, Bem Conservadas e... Com Boas Maneiras. O seu lema principal é: «Nada de homens, nada de carne, só boas maneiras!».

Apesar de serem todas lésbicas, o assunto é tabu... Até ao momento em que, isoladas no seu «bunker improvisado», fruto de um alerta de ataque nuclear, começam a confessar-se, melhor dizendo, a «sair do armário». As revelações serão surpreendentes até ao fim!

Um encontro com «irmãs, viúvas, independentes, bem conservadas e com boas maneiras» em 1956 convida o público a juntar-se, numa celebração onde a eleição da melhor Quiche a concurso será feita entre um grupo de mulheres que vivem sob o lema «Nada de homens, nada de carne, só boas maneiras!». A partir daqui e com toda a ação a desenrolar-se num bunker improvisado, as revelações acontecem e as aparentemente viúvas revelam-se e perdem os receios de se descobrirem tal e qual como são. 

Encontramos em 5 Lésbicas e Uma Quiche uma América conservadora onde as aparências enganam e os preconceitos existem de forma bem notória. Entre mulheres, enclausuradas entre paredes, as surpresas vão surgindo quando a ameaça de um ataque nuclear as deixa trancadas, contando a partir daí com a cumplicidade mútua para a sobrevivência. 

Nesta divertida comédia protagonizada por Anabela Teixeira, Joana Câncio, Leonor Seixas, Paula Neves e Teresa Tavares o público é levado a trocar as conversas sobre ovos e o prazer das quiches pelos desejos e sentimentos recalcados destas cinco figuras dispersas da sociedade de outrora e que acabam por ainda marcar presença nos tempos que correm. O assumir da verdade não é dado de início, mas desde cedo os comportamentos tornam-se bem demonstrativos do que está para chegar, bastando existir um fósforo para atear o que já se encontra em erupção.

Este espetáculo serve como beliscão social para com a libertação pessoal de cada um sobre a sua sexualidade, tendo sido feito um bom trabalho de autor - Evan Linder e Andrew Hobgood - para mexer com o pensamento junto de quem assiste, seguindo de encontro ao que verdadeiramente interessa sobre a sua forma de querer estar na vida. 

Vencedores dos Convites | 5 Lésbicas e Uma Quiche | 22.04.2018

21.04.18Publicado por O Informador

cartaz 5 lésbicas e uma quiche.jpg

Estamos em 1956, em plena Guerra Fria, com o perigo iminente de um ataque nuclear, vindo das hostes soviéticas. Uma comunidade, no meio dos EUA, realiza o Encontro Anual de Quiches da Sociedade de Irmãs, Viúvas, Independentes, Bem Conservadas e... Com Boas Maneiras. O seu lema principal é: «Nada de homens, nada de carne, só boas maneiras!».

Apesar de serem todas lésbicas, o assunto é tabu... Até ao momento em que, isoladas no seu «bunker improvisado», fruto de um alerta de ataque nuclear, começam a confessar-se, melhor dizendo, a «sair do armário». As revelações serão surpreendentes até ao fim!

Anabela Teixeira, Joana Câncio, Leonor Seixas, Paula Neves e Teresa Tavares sobe ao palco do Teatro Armando Cortez, em Lisboa, a partir de hoje, 18 de Abril, para protagonizarem a nova aposta da Yellow Star Company, 5 Lésbicas e Uma Quiche.

Numa divertida comédia da autoria de Evan Linder e Andrew Horgood e com encenação a cargo de Paulo Sousa Costa, o público é convidado a recuar até ao ano de 1956, e visitar os EUA na altura da Guerra Fria para se divertir com as revelações de cinco mulheres que defendem acima de tudo as boas maneiras mas que têm alguns segredos em comum para desfiar num momento em que se encontram presas num bunker improvisado.

Com sessões marcadas de Quinta-feira a Sábado pelas 21h30 e aos Domingos às 18h00, 5 Lésbicas e uma Quiche espera por todos a partir de agora e tu, que gostas de uma boa comédia, tiveste a oportunidade de assistir a este espetáculo com o apoio d' O Informador. 

Vencedores dos Convites Duplos | Balas e Purpurinas - O Lado B da Eurovisão | 22.04.2018

21.04.18Publicado por O Informador

balas e purpurinas.jpg

A pouco tempo de Portugal receber o Festival Eurovisão, Henrique Feist, cantor, actor e encenador, desvenda o outro lado do festival que poucos conhecem. Num espectáculo original, Henrique Feist, após o sucesso de bilheteira do seu último espectáculo sobre os anos 60, promete levar novamente o público numa viagem ao passado. Uma viagem pela história da Eurovisão, focada também muito no aspecto histórico e político porque, para além da componente de espectáculo e entretenimento, o festival tem uma grande carga política. A partir do dia 29 de Março, no Auditório do Casino Estoril, a história, factos, acontecimentos, o lado B do Festival Eurovisão será desvendado, num espectáculo maravilhoso, cantado e tocado ao vivo.

Balas e Purpurinas, O Lado B da Eurovisão, o espetáculo musical da Artfeist estreou no final de Março no Auditório do Casino Estoril. Após várias oportunidades para ganharem convites para o espetáculo eis que continuamos a querer que todos possam ver esta produção. Sendo assim estiveram convites duplos para distribuir para a sessão de dia 22 de Abril, Domingo.

Num musical interpretado por Henrique Feist, Dora, Valter Mira, Catarina Pereira e Augusto Gonçalves, com o apoio do maestro Nuno Feist, os grandes temas do festival serão interpretados ao vivo enquanto se desfiam factos históricos de cada época. Pretendendo puxar pela lembrança do público através de um ambiente de boa disposição, Balas e Purpurinas pretende acima de tudo homenagear os nomes mais marcantes que passaram pelo Eurovisão, de Portugal para a Europa, abrindo o baú das memórias perante a plateia do Auditório do Casino Estoril.

Caminhos solitários

21.04.18Publicado por O Informador

caminho.jpg

A vida tanta vez que pode ser comparada com uma estrada, ora vazia, ora meio cheia, e por vezes mesmo com pequenos ou grandes percalços.

No caminho pessoal de cada um são vários os motivos que levam a seguir em frente, parar por obrigação, sabendo abrandar ou mesmo deixar de pensar e seguir como se nada estivesse a acontecer em redor. Na estrada, faça chuva ou faça sol, o percurso tem de ser feito, podendo existir entraves por ultrapassar, piso derrapante como uma armadilha colocada por alguém menos bem intencionado ou mesmo uma imobilização para que se pare e se regresse um pouco atrás para que se consiga seguir em frente mais tarde.

Analisando o percurso de vida de cada um, do nascimento à morte, é possível apreciar um circuito, com curvas e várias retas, porque nem sempre a turbulência tem de existir. Movimentações aceleradas ou caminhos obrigatórios mais calmos num espaço pessoal mas onde a necessidade de procurar quem siga no sentido contrário ou que tenha como objetivo alcançar o mesmo ponto, a meta desejada, como se um bónus fosse atribuído à chegada perante a tão desejada fita que se rebenta como símbolo final de uma etapa ganha. 

Viajar, percorrer o Mundo, conhecer e saber apreciar, caminhar e acima de tudo perceber que em qualquer caminho que seja escolhido nunca ficamos sós. Sempre existe alguém por perto, nem que seja o nosso pior inimigo que em momentos complicados consegue esquecer os pesos de outros tempos e colocar a balança com pratos limpos para de forma livre recomeçar de novo um percurso. 

Sete anos depois...

20.04.18Publicado por O Informador

20 abril 2011.jpg

Uma imagem, uma recordação representativa de um momento! Não me lembrava desta fotografia, tirada no Funchal, há precisamente sete anos, mas a passagem pelas redes sociais, que nos vão alertando sobre o que andamos a fazer neste dias pelos anos anteriores, ajudou-me a relembrar que estava de férias, livre e feliz. É assim que recordo aqueles dias passados na ilha por onde subi e desci ruas e conheci lugares onde tenciono voltar para redescobrir e também para que consiga visitar o outro lado da Madeira, a parte mais tradicional, mais rural, e onde em 2011 não fui. 

A imagem indica-me liberdade e paz, sendo que as memórias que tenho daqueles dias são essas mesmas porque ali vivi ao sabor da maré, sem horários, sem pressas e sem os constrangimentos do dia-a-dia, onde as correrias e os problemas surgem sem pedirmos. Naquelas férias descansei, conheci, sorri, voei, flutuei, saboreei e acima de tudo vivi e amei.

Desta imagem destaco ainda o facto de andar com uma mini máquina fotográfica, algo que os telemóveis destronaram na minha vida, um quispo que ainda faz parte do meu guarda-roupa, tal como o lenço preto que ficará para sempre comigo por ter um significado especial. Tudo o resto já foi porque vivemos de memórias mas também de mudanças e se vamos crescendo física e psicologicamente, tudo o que nos vai ajudando a compor também tem a obrigação de ser reciclado. 

Vencedores dos Convites Duplos | Balas e Purpurinas - O Lado B da Eurovisão | 20/21.04.2018

19.04.18Publicado por O Informador

balas e purpurinas.jpg

A pouco tempo de Portugal receber o Festival Eurovisão, Henrique Feist, cantor, actor e encenador, desvenda o outro lado do festival que poucos conhecem. Num espectáculo original, Henrique Feist, após o sucesso de bilheteira do seu último espectáculo sobre os anos 60, promete levar novamente o público numa viagem ao passado. Uma viagem pela história da Eurovisão, focada também muito no aspecto histórico e político porque, para além da componente de espectáculo e entretenimento, o festival tem uma grande carga política. A partir do dia 29 de Março, no Auditório do Casino Estoril, a história, factos, acontecimentos, o lado B do Festival Eurovisão será desvendado, num espectáculo maravilhoso, cantado e tocado ao vivo.

Balas e Purpurinas, O Lado B da Eurovisão, o espetáculo musical da Artfeist estreou no final de Março no Auditório do Casino Estoril. Após várias oportunidades para ganharem convites para o espetáculo eis que continuamos a querer que todos possam ver esta produção. Sendo assim estiveram convites duplos para distribuir pelas sessões dos próximos dias 20 e 21 de Abril, Sexta-feira e Sábado, respetivamente.

Num musical interpretado por Henrique Feist, Dora, Valter Mira, Catarina Pereira e Augusto Gonçalves, com o apoio do maestro Nuno Feist, os grandes temas do festival serão interpretados ao vivo enquanto se desfiam factos históricos de cada época. Pretendendo puxar pela lembrança do público através de um ambiente de boa disposição, Balas e Purpurinas pretende acima de tudo homenagear os nomes mais marcantes que passaram pelo Eurovisão, de Portugal para a Europa, abrindo o baú das memórias perante a plateia do Auditório do Casino Estoril.

Convites Duplos | Balas e Purpurinas - O Lado B da Eurovisão | 22.04.2018

19.04.18Publicado por O Informador

balas e purpurinas.jpg

A pouco tempo de Portugal receber o Festival Eurovisão, Henrique Feist, cantor, actor e encenador, desvenda o outro lado do festival que poucos conhecem. Num espectáculo original, Henrique Feist, após o sucesso de bilheteira do seu último espectáculo sobre os anos 60, promete levar novamente o público numa viagem ao passado. Uma viagem pela história da Eurovisão, focada também muito no aspecto histórico e político porque, para além da componente de espectáculo e entretenimento, o festival tem uma grande carga política. A partir do dia 29 de Março, no Auditório do Casino Estoril, a história, factos, acontecimentos, o lado B do Festival Eurovisão será desvendado, num espectáculo maravilhoso, cantado e tocado ao vivo.

Balas e Purpurinas, O Lado B da Eurovisão, o musical da Artfeist espera pelo público no Auditório do Casino Estoril para ajudar a relembrar e ao mesmo tempo festejar a história da Eurovisão. Após várias oportunidades para ganharem convites para o espetáculo eis que continuamos a querer que todos possam ver esta produção. Sendo assim tenho convites duplos para a sessão de Domingo, 22, pelas 17h00.

Num musical interpretado por Henrique Feist, Dora, Valter Mira, Catarina Pereira e Augusto Gonçalves, com o apoio do maestro Nuno Feist, os grandes temas do festival serão interpretados ao vivo enquanto se desfiam factos históricos de cada época. Pretendendo puxar pela lembrança do público através de um ambiente de boa disposição, Balas e Purpurinas pretende acima de tudo homenagear os nomes mais marcantes que passaram pelo Eurovisão, de Portugal para a Europa, abrindo o baú das memórias perante a plateia do Auditório do Casino Estoril.

Esta aposta musical da Artfeist convida desde já o público a reservar o seu bilhete, uma vez que este espetáculo estará somente em cena até 29 de Abril, contando assim com um mês de exibições de Quinta a Sábado, pelas 21h30, e aos Domingos, pelas 17h00.

Convites | 5 Lésbicas e Uma Quiche | 22.04.2018

19.04.18Publicado por O Informador

cartaz 5 lésbicas e uma quiche.jpg

Estamos em 1956, em plena Guerra Fria, com o perigo iminente de um ataque nuclear, vindo das hostes soviéticas. Uma comunidade, no meio dos EUA, realiza o Encontro Anual de Quiches da Sociedade de Irmãs, Viúvas, Independentes, Bem Conservadas e... Com Boas Maneiras. O seu lema principal é: «Nada de homens, nada de carne, só boas maneiras!».

Apesar de serem todas lésbicas, o assunto é tabu... Até ao momento em que, isoladas no seu «bunker improvisado», fruto de um alerta de ataque nuclear, começam a confessar-se, melhor dizendo, a «sair do armário». As revelações serão surpreendentes até ao fim!

Anabela Teixeira, Joana Câncio, Leonor Seixas, Paula Neves e Teresa Tavares já estrearam 5 Lésbicas e Uma Quiche no palco do Teatro Armando Cortez. Esta nova aposta da Yellow Star Company vem assim abrilhantar as próximas semanas na sala lisboeta onde se tem feito bom teatro e de forma regular nos últimos anos. 

Numa divertida comédia da autoria de Evan Linder e Andrew Horgood e com encenação a cargo de Paulo Sousa Costa, o público é convidado a recuar até ao ano de 1956, e visitar os EUA na altura da Guerra Fria para se divertir com as revelações de cinco mulheres que defendem acima de tudo as boas maneiras mas que têm alguns segredos em comum para desfiar num momento em que se encontram presas num bunker improvisado.

Com sessões marcadas de Quinta-feira a Sábado pelas 21h30 e aos Domingos às 18h00, 5 Lésbicas e uma Quiche espera por todos, tendo estreado a 18 de Abril e tu, que gostas de uma boa comédia, poderás assistir a este espetáculo com o apoio d' O Informador. 

Vencedores dos Convites | 5 Lésbicas e Uma Quiche | 20.04.2018

18.04.18Publicado por O Informador

cartaz 5 lésbicas e uma quiche.jpg

Estamos em 1956, em plena Guerra Fria, com o perigo iminente de um ataque nuclear, vindo das hostes soviéticas. Uma comunidade, no meio dos EUA, realiza o Encontro Anual de Quiches da Sociedade de Irmãs, Viúvas, Independentes, Bem Conservadas e... Com Boas Maneiras. O seu lema principal é: «Nada de homens, nada de carne, só boas maneiras!».

Apesar de serem todas lésbicas, o assunto é tabu... Até ao momento em que, isoladas no seu «bunker improvisado», fruto de um alerta de ataque nuclear, começam a confessar-se, melhor dizendo, a «sair do armário». As revelações serão surpreendentes até ao fim!

Anabela Teixeira, Joana Câncio, Leonor Seixas, Paula Neves e Teresa Tavares sobe ao palco do Teatro Armando Cortez, em Lisboa, a partir de hoje, 18 de Abril, para protagonizarem a nova aposta da Yellow Star Company, 5 Lésbicas e Uma Quiche.

Numa divertida comédia da autoria de Evan Linder e Andrew Horgood e com encenação a cargo de Paulo Sousa Costa, o público é convidado a recuar até ao ano de 1956, e visitar os EUA na altura da Guerra Fria para se divertir com as revelações de cinco mulheres que defendem acima de tudo as boas maneiras mas que têm alguns segredos em comum para desfiar num momento em que se encontram presas num bunker improvisado.

Com sessões marcadas de Quinta-feira a Sábado pelas 21h30 e aos Domingos às 18h00, 5 Lésbicas e uma Quiche espera por todos a partir de agora e tu, que gostas de uma boa comédia, tiveste a oportunidade de assistir a este espetáculo com o apoio d' O Informador. 

Simplificar | Brooke Mcalary

18.04.18Publicado por O Informador

Simplificar.jpg

Autor: Brooke Mcalary

Título original: Destination Simple

Editora: Clube do Autor

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2018

Páginas: 144

ISBN: 978-989-724-299-1

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: No mundo em que vivemos, repleto de estímulos e solicitações, reduzir o número de tarefas parece uma missão impossível. Executar uma tarefa de cada vez, por outro lado, é muitas vezes visto como falta de eficiência. No entanto, o caminho para uma vida mais realizada e feliz passa precisamente por saber dizer não ao acessório e focar-se no aqui e agora.

Este livro vai ajudá-lo a transformar e descomplicar a sua vida. Seguindo os rituais e exercícios de bem-estar que a autora propõe, irá ser capaz de: 

Sentir-se em controlo dos seus dias; 

Minimizar o stresse; 

Aprender a fazer escolhas importantes; 

Esvaziar a mente r dormir melhor; 

Desconectar-se e viver em plenitude. 

Pequenas mudanças para uma vida com maior satisfação pessoal.

 

Opinião: Aproveitar o momento, acordar livre e sem a pressão do que está por fazer, esquecer o stresse dos dias corridos com que muitos convivemos ao longo da vida. Simplificar, da autoria de Brooke Mcalary, ajuda a descomplicar e a transformar o tempo através de simples ideias que aplicadas, mesmo que não seja na sua totalidade, podem fornecer a cada um qualidade de vida, tempo e um melhor usufruo do bem-estar interior e para com os outros. 

Neste pequeno e rápido compêndio onde «menos é mais» somos convidados primeiramente a perceber o que levou Brooke a partilhar com os outros o que a levou a alterar a sua forma de estar na vida. Sofrer e perceber o mal que se inflige a si próprio é muitas vezes o ponto onde se consegue perceber de que é necessário mudar, alterando o método de enfrentar cada desafio. Brooke passou por uma situação complicada e resolveu assim colocar aos poucos regras positivas no seu método de controlo dos dias para que a pressão e as correrias diminuíssem.

Primeiramente é necessário perceber momentos de aflição que rotineiramente não lhes damos valor, mas que acabam por pesar. Fazer tarefas de forma individual, não querendo ter mil e uma mãos nem querer controlar tudo ao mesmo tempo é um bem necessário para a sanidade mental. Criar listas do que tem de ser feito e do que gostávamos de fazer, por exemplo, na primeira hora da manhã. Existem as necessidades às quais podemos juntar aos poucos as vontades, unindo o útil ao agradável, mesmo que para isso se tenha de acordar um pouco mais cedo. Controlar horários para que tudo seja possível, deixar pensamentos ocos para trás, procurar agradecer por cada momento positivo que nos apareça pela frente e limpar a mente escrevendo num papel que pode ficar guardado para mais tarde, num momento de calma, perceber o que estava mal e bem a certa altura da vida. No final de contas é necessário deitar para fora o que nos atormenta, mas ao mesmo tempo mostrar as vontades do que pretendemos ter e ser no que está para chegar.

Friorento

17.04.18Publicado por O Informador

frio.jpg

A idade altera comportamentos e a forma de olhar para cada situação em particular e ao mesmo tempo transforma a forma de estar. O que a idade não perdoa ao mesmo tempo que o psicológico se altera é a parte física e nesse campo, quer seja um problema de conjugação da mente ou não, ando a sentir de ano para ano mais frio, talvez com a ajuda das diferenças temporais que se fazem sentir de forma repentina cada vez mais. 

Sinto o frio como não acontecia quando era mais novo. Agora, embora continue a odiar andar com camadas e camadas de roupa e casacos grossos para onde quer que vá, sinto as diferenças de temperatura com uma intensidade incrível. Posso estar quente em casa, preparar-me para sair e quando coloco os pés na rua o vento e o frio parecem cortar o corpo como se tivesse a ser laminado às postas pelas partes que enfrentam diretamente o tempo, como a cara e as mãos, mas também mesmo as costas, que geralmente é onde me sinto mais atacado quando sinto frio, parecendo ficar estático e com o pensamento que estou a ficar com a coluna congelada. 

Isto não acontecia há anos atrás, onde enfrentava as mudanças de temperatura e não sentia tais alterações de forma tão drástica, agora acaba por ser instantâneo e por vezes acredito que se não me despachar a recolher dentro de um local quente que posso sofrer alguma lesão por ficar com os ossos numa sensação de pressão para se aquecerem, parecendo que me sinto a encolher perante os primeiros impactos das temperaturas mais baixas. 

Convites Duplos | Balas e Purpurinas - O Lado B da Eurovisão | 20/21.04.2018

16.04.18Publicado por O Informador

balas e purpurinas.jpg

A pouco tempo de Portugal receber o Festival Eurovisão, Henrique Feist, cantor, actor e encenador, desvenda o outro lado do festival que poucos conhecem. Num espectáculo original, Henrique Feist, após o sucesso de bilheteira do seu último espectáculo sobre os anos 60, promete levar novamente o público numa viagem ao passado. Uma viagem pela história da Eurovisão, focada também muito no aspecto histórico e político porque, para além da componente de espectáculo e entretenimento, o festival tem uma grande carga política. A partir do dia 29 de Março, no Auditório do Casino Estoril, a história, factos, acontecimentos, o lado B do Festival Eurovisão será desvendado, num espectáculo maravilhoso, cantado e tocado ao vivo.

 

Balas e Purpurinas, O Lado B da Eurovisão, o musical da Artfeist estreou no final de Março no Auditório do Casino Estoril. Após várias oportunidades para ganharem convites para o espetáculo eis que continuamos a querer que todos possam ver esta produção. Sendo assim tenho vinta convites duplos para distribuir pelas sessões dos próximos dias 20 e 20 de Abril, Sexta-feira e Sábado, respetivamente.

Num musical interpretado por Henrique Feist, Dora, Valter Mira, Catarina Pereira e Augusto Gonçalves, com o apoio do maestro Nuno Feist, os grandes temas do festival serão interpretados ao vivo enquanto se desfiam factos históricos de cada época. Pretendendo puxar pela lembrança do público através de um ambiente de boa disposição, Balas e Purpurinas pretende acima de tudo homenagear os nomes mais marcantes que passaram pelo Eurovisão, de Portugal para a Europa, abrindo o baú das memórias perante a plateia do Auditório do Casino Estoril.

Esta aposta musical da Artfeist convida desde já o público a reservar o seu bilhete, uma vez que este espetáculo estará somente em cena até 29 de Abril, contando assim com um mês de exibições de Quinta a Sábado, pelas 21h30, e aos Domingos, pelas 17h00.

Viúva Negra | Ana Malhoa

16.04.18Publicado por O Informador

Ana Malhoa continua a lançar os seus novos temas, com videoclip incluído e sempre a tentar surpreender, embora tenha na ideia que há uns anos conseguia ter muito maior impacto pela forma como se apresentava nos temas que ia lançando para o mercado. 

Agora, e após o Ampulheta, chega o tema Viúva Negra, não de um esposa que perdeu o marido para a morte, mas sim de uma divorciada, de luto, mas pronta para momentos escaldantes de uma só noite, pronta a atacar e a seduzir quem se deixar levar. 

Um tema talvez com um toque pessoal de Ana Malhoa, como um grito de que o passado passou e que está preparada para atacar quem se colocar perante as suas garras. 

Pág. 1/3