Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

30
Jun17

À Conversa com... Patrícia Resende


O Informador

patrícia resende 3.JPG

Patrícia Resende não se recorda da primeira vez em que o pano subiu e enfrentou o público, mas sabe que foi a partir daquele momento que começou a perceber que o seu futuro estava na representação. Hoje, quase duas décadas após ter integrado o elenco da primeira temporada do musical Amália continua nos palcos e já experimentou as lides televisivas e do cinema onde pretende voltar sempre que for possível. Assumindo um grande carinho por Filipe La Féria e por vários colegas de representação com quem teve o gosto de trabalhar ao longo do tempo, é como atriz que se sente feliz e no caminho certo para continuar. Vamos conhecer um pouco sobre Patrícia Resende, uma profissional que vai muito para além do Teatro Politeama!

patrícia resende 1.JPG

Cedo triunfou pelos palcos nacionais dando vida a Amália pequena na primeira temporada do musical Amália, produzido por Filipe La Féria. Ainda se lembra como foi ver o pano subir pela primeira vez no palco do Teatro Politeama para a primeira grande experiência que durou anos em cena?

Não me consigo recordar especificamente da primeira vez que o pano subiu mas, lembro-me de ainda estar nos ensaios e alguém me dizer "antes de entrares em cena respira fundo 3 vezes e os nervos vão-se embora", e eu passei a fazer sempre isso. E funcionava. Eu vinha lá de cima da plataforma e, antes dela começar a descer, eu respirava fundo 3 vezes.

 

A partir de Amália não mais parou e foram vários os projetos teatrais em que entrou. Chegar aos dias que correm com tantos sucessos pelos palcos é obra sua e de quem não deixou de acreditar no seu talento. Que projetos distingue ao longo do percurso profissional?

O musical Amália, sem dúvida. A peça A Flor do Cacto, que foi a minha primeira protagonista enquanto mulher adulta. Recordo também os anos que trabalhei na companhia Palco 13, porque me deram a oportunidade de me desafiar a mim mesma, ao fazer textos diferentes, géneros diferentes. O Meu Pé de Laranja Lima no Teatro Turim, encenado pelo Rui Luís Brás, visto que fazia o papel de um menino brasileiro de 6 anos, o que foi um grande desafio para mim como atriz, sem dúvida. As revistas que fiz foram muito importantes para mim, aprendi imenso com aquele género, e aprendi muito com a Marina Mota. E é claro, As Árvores Morrem de Pé, pelo texto, pelos atores com quem trabalhei, pela partilha em palco, pelo ambiente em bastidores.

 

Voltando anos mais tarde a incorporar o elenco do renovado Amália, que está atualmente em cena no Teatro Politeama, é como voltar a casa sem nunca de lá ter saído?

Não. É uma experiência completamente diferente, mas completamente. Por motivos vários, porque a peça levou várias mudanças, porque o meu papel é outro, nada tem a ver com o de Amália pequena. Porque a idade é outra e a bagagem também. É uma peça única, apesar de já a ter feito há 17 anos atrás.

29
Jun17

Os gémeos de Cristiano Ronaldo


O Informador

cristiano ronaldo gémeos.jpg

Cristiano Ronaldo ontem deixou a Seleção Nacional que irá decidir quem fica no terceiro e quarto lugares da Taça das Confederações para voltar a Madrid onde já se encontrava a avó Dolores com os gémeos Eva e Mateo.

Os mais recentes membros da família Aveiro, filhos do craque, nasceram no dia 8 de Junho nos Estados Unidos através de barriga de aluguer e voaram por estes dias para Espanha com a avó onde já esperavam a chegada do pai.

Foi através das redes sociais que Cristiano partilhou a imagem com os gémeos ao colo e com a legenda «Muito feliz por poder segurar os dois novos amores da minha vida».

29
Jun17

A Filha Estrangeira [Najat El Hachmi]


O Informador

a filha estrangeira.jpg

Bi ismi Al lah

(em nome de Deus)

Autor: Najat El Hachmi

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2017

Páginas: 208

ISBN: 978-972-25-3371-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinospe: Uma rapariga nascida em Marrocos e criada numa cidade interior da Catalunha aproxima-se da idade adulta. À rebeldia característica da juventude, ela terá de acrescentar um dilema: sair do seu mundo de emigrante ou permanecer nele. Um romance íntimo e honesto sobre a transição para a idade adulta, escrito em forma de monólogo interior, repleto de observações, histórias e memórias da terra natal da narradora, uma jovem viva e inteligente, apaixonada pela literatura e pela filosofia, completamente diferente do mundo iletrado e tradicional da mãe. 

Acessível, por vezes engraçado, mas sempre íntimo e repleto de observações e pensamentos pertinentes. Um livro que fica connosco.

 

Opinião: Uma jovem que tem as suas origens em Marrocos mas que cresceu na Catalunha conseguirá algum dia viver consoante a tradição familiar e longe da liberdade ocidental a que se habitou ao longo dos anos? Esta é uma das principais questões de A Filha Estrangeira, a obra que retrata uma vida entre dois mundos bem distintos que acaba por gerar um mal-estar interior para com quem é forçado a conviver consoante crenças e comportamentos que não tolera.

A tradição, os costumes culturais e os receios são uma arma forte do povo marroquino que não quebra hábitos dentro do seu país, mas fora dele seguem as leis com receio do que os outros possam dizer, tudo para não melindrarem uma sociedade que tem as suas venerações e hábitos bem distintos. A nossa jovem protagonista é a contradição dentro da lei. Habituada à liberdade, mesmo com uma mãe tradicional e a repudiar as suas atitudes, sempre tentou conciliar os dois lados da balança para não defraudar os sonhos de uma mãe que sempre fez tudo pela filha, num local longe da família e onde sempre foi necessário lutar por um lugar melhor. 

A trabalharem para casa, vivendo rodeadas de preconceitos, racismo e comportamentos chocantes para com a diferença, mãe e filha seguiram o seu percurso sem uma figura masculina por perto mas com a promessa de outros tempos que um dia, a jovem teria um primo à sua espera para contrair matrimónio e começa aqui a parte da narrativa que mais me prendeu.

28
Jun17

Salvador Sobral, o Triste


O Informador

«Vou mandar um peido para ver o que acontece». Esta foi a frase proferida por Salvador Sobral durante a sua participação em palco no evento em memória das vítimas dos fatídicos incêndios de Pedrógão Grande quando o público sempre aplaudia tudo o que o cantor fazia e entoava em palco. Se era necessária esta reação? Não, de todo!

Mais uma vez e porque está mais que provado que não sabe lidar com a fama e com os aplausos, Salvador voltou a colocar o pé na argola e só podia sair disparate. Como é que um artista em palco, perante milhares de pessoas que encheram o MEO Arena e os milhões de espetadores que assistiram ao Juntos Por Todos através da televisão consegue descer tão baixo e ser hipócrita a este ponto?

O que aconteceu a meio da atuação do jovem foi daquelas coisas que qualquer artista que se preze e que quer vingar não ousa sequer pensar. Como é que o Salvador voltou a falhar num evento nacional e com todo o à-vontade do mundo? Esta atitude mostra que para além de não saber lidar com o estrelato consegue ainda ser mal intencionado com o público que o tem acarinhado ao longo dos últimos tempos por ter sido o vencedor do Eurovision. 

Assisti em direto a este momento decadente de um jovem que não deverá ter grande futuro pelos principais palcos se continuar a seguir esta sua linha de gostar de fazer tudo à sua maneira, o que até acho bem, mas que depois não consegue lidar com o sucesso que alcançou. Foi um mau momento, por si, pelo público e acima de tudo pelo evento em que aconteceu. Quando ouvi e percebi o riso do público no recinto do espetáculo pensei que não tinham ouvido bem o que tinha sido dito porque deu-me a sensação que a frase até entusiasmou a continuação dos aplausos, mas afinal pelas redes sociais os comentários negativos não se fizeram esperar e em boa hora Portugal caiu em cima de Salvador pelo seu comportamento, que tal como outros artistas, deixa muito a desejar numa pessoa que é o ídolo de milhares de crianças e não só. 

28
Jun17

«Não apetece»


O Informador

Ao longo do ano existem alturas em que entramos numa fase em que tudo parece não fazer sentido e em que não apetece conversar, não apetece estar com ninguém, não apetece sair, não apetece estar em casa, não apetece ir ao café, não apetece ir trabalhar, não apetece levantar, não apetece deitar, resumidamente, não apetece fazer a ponta de um corno.

Estou a passar por uma dessas fases em que acordo de manhã maldisposto porque não consigo dormir o suficiente, passo a maior parte das primeiras horas do dia birrento, o que depois vai passando mas após o jantar volto a entrar naquele estado de «não apetece» porque simplesmente «não apetece» reagir. 

Sei que estas fases aparecem de vez em quando por isso não estou muito preocupado, o que sei neste momento para ser sincero é que «não apetece» fazer nada de nada e acho que assim irei continuar por mais uns dias porque até parece que faltam as forças para querer reagir e tomar a iniciativa de combinar coisas, de dizer sim eu vou, de aparecer, ficar acordado até mais tarde... Neste momento nada me consegue alegrar para sair deste estado de moleza! 

Pág. 1/9

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários Recentes

  • O Informador

    Acho que sim, pelo que andei a ver pela internet.....

  • O Informador

    Pensa somente depois que o espaço não é muito gran...

  • Anónimo

    La Redoute vende essa marca,,,.

  • Cláudia C Silva

    Já tinha visto algumas fotos pelo Facebook e adore...

  • O Informador

    Felizmente que não me deixo levar por um partido, ...

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador