Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Vencedor do Passatempo – Numa Folha Leve e Livre

19.02.14Publicado por O Informador

Vencedor Numa Folha Leve e LivreO Informador lançou, em parceria com a editora Lua de Marfim, o Passatempo - Numa Folha Leve e Livre, para oferecer um exemplar do livro da autoria de António Ramos Rosa. Agora chegou a altura de revelar o nome do vencedor que foi seleccionado através do sistema random.org.

O livro de poemas onde as palavras conseguem alcançar a plenitude de um ser e a essência da natureza, percorrendo o tempo e o espaço através dos esquemas que jamais alguém conseguirá alcançar já tem o seu destino traçado e encaminhado para ser entregue à trigésima quarta pessoa a candidatar-se ao lugar de vencedor.

Sónia Alcobia

É este o nome da vencedora que irá receber pelos próximos dias o seu prémio! Desde já agradeço a todos os participantes deste passatempo e dou os parabéns à eleita. A todos deixo a mensagem que poderão ficar atentos porque os passatempos literários, teatrais e não só, irão continuar a fazer parte da vida d' O Informador!

Numa folha leve e livre

Vencedores do Passatempo – Grande Revista à Portuguesa [14ªEdição]

19.02.14Publicado por O Informador

O Informador lançou pela décima quarta vez um passatempo para atribuir bilhetes duplos do espetáculo Grande Revista à Portuguesa, em cena no Teatro Politeama há vários meses e com estadia prolongada pelo mês de Fevereiro. Chegou agora a altura de revelar a lista dos vencedores que irão poder ver, no dia de hoje, 19, pelas 21h30, esta produção de Filipe La Féria.

Eis os nomes dos cinco comentadores mais rápidos e que agarraram assim a oportunidade de poderem estar na sala lisboeta a assistirem ao espetáculo encabeçado por João Baião, Marina Mota, Ricardo Castro, Rui Andrade, Vanessa Silva e Maria Vieira no palco do Politeama.

Maria Manuela Vaz

Marcos Fernandes

Inês Fonseca

Patrícia Tavares

Pedro Costa

Parabéns aos quinteto vencedor e um bom espetáculo a todos! Quanto aos leitores que também queriam ter tal oportunidade, fiquem atentos porque em breve novos passatempos teatrais, e não só, irão surgir!

Passatempo – Grande Revista à Portuguesa [14ªEdição]

18.02.14Publicado por O Informador

Grande Revista à PortuguesaO Informador e as Produções Filipe La Féria têm o prazer de estarem juntos pela décima quarta vez para oferecerem cinco convites duplos de Grande Revista à Portuguesa, que estará em cena até pelo menos ao final de Fevereiro no Teatro Politeama. Quem quiser passar o serão de Quarta-feira, 19 de Fevereiro, a assistir à Grande Revista à Portuguesa tem aqui a sua oportunidade!

Numa produção de Filipe La Féria e com o elenco composto por Marina Mota, João Baião, Maria Vieira, Vanessa Silva, Ricardo Castro, Rui Andrade, Patrícia Resende, Bruna Andrade, Filipe Albuquerque e Adriana Faria, este é um grande espetáculo que já se encontra em palco há vários meses e sempre com sala cheia.

Para poderes ganhar um dos cinco convites duplos que tenho para oferecer, só tens que copiar a frase que se segue, colocá-la como comentário a este texto e ser um dos cinco primeiros comentadores. A par disso, e para te sagrares vencedor, tens também que ser seguidor do blogue pelo Facebook e compartilhar a mesma página pelo teu perfil. Depois é só estares atento ao email porque será por essa via que entrarei em contacto com os vencedores, explicando o processamento do levantamento do seu convite. Ao longo do dia 19 publicarei a lista de vencedores deste passatempo num novo texto. Lembro que os bilhetes terão que ser levantados pelas pessoas que participaram no passatempo, não sendo facultados a outros e também a nulidade dos comentários de pessoas que tenham concorrido e vencido no último mês para obterem convites do mesmo espetáculo!

«O Informador leva-me à Grande Revista à Portuguesa!»

Boa sorte e não percas tempo, porque só os primeiros comentadores válidos serão os triunfadores! Até já!

Apresentação de Grande Revista à Portuguesa…

No ano do centenário do Teatro Politeama, vinte anos depois de “Passa Por Mim No Rossio”, La Féria volta à Revista numa homenagem ao Teatro mais popular e da preferência dos portugueses. Com texto, música, encenação e cenografia de Filipe La Féria, figurinos de José Costa Reis, direcção musical do Maestro Mário Rui, coreografia de Marco Mercier e direcção vocal de Tiago Isidro a “Grande Revista à Portuguesa” reúne um elenco de primeiras figuras muito queridas do público. Marina Mota, a Rainha da revista à portuguesa, regressa ao teatro em números que ficarão históricos pela sua graça e talento ao lado de João Baião que irá mostrar a sua versatilidade numa exibição das suas multifacetadas qualidades de actor, cantor e bailarino. Outro regresso ao Teatro é o de Maria Vieira, após uma ausência no Brasil de três anos e que reaparece no auge do seu talento de cómica. Vanessa, a grande revelação do último Rock in Rio e a vencedora de “A Tua Cara Não Me É Estranha” tem a oportunidade de interpretar os momentos mais emocionantes da Revista. Ricardo Castro revela-se um cómico de primeira com caricaturas dos mais conhecidos políticos portugueses. Rui Andrade, Patrícia Resende, Bruna Andrade, Filipe Albuquerque, Adriana Faria encabeçam um grande elenco de bailarinos, músicos, acrobatas e modelos desta mega produção de La Féria.

O Jogo

18.02.14Publicado por O Informador

O JogoUm thriller dos tempos modernos com as novas tecnologias a terem destaque ao longo da narrativa, O Jogo é o primeiro volume de uma trilogia que poderá atrair leitores, mas que não me convenceu.

Aliando a conspiração com a política e o romance, nesta obra de Anders de la Motte, a história começa por ser viciante quando Henrik Pettersson descobre um misterioso telemóvel no comboio e começa a receber sms em forma de jogo. Com o suspense entranhado ao longo da acção, as questões e missões vão sendo dadas e o leitor começa a ficar curioso com o que acontecerá logo de seguida. Só que este facto não acontece por muito tempo e aí o que parecia estar no caminho para ser um bom livro desvanece-se.

Sendo descrito consoante a perspectiva de HP e de Rebecca Normén, uma segurança com altas patentes, O Jogo cruza personagens e locais na tentativa de uma força do mal, que está a ser filmado, sobre o bem. As ordens transformadas em missões transformam-se em caprichos negados e o que parece estar a correr bem dá a volta e o final acontece longe do que se vai pensando ao longo de toda a história.

Aliando a psicologia com a ambição, este livro poderia ser o início de uma boa realidade literária se não tivesse visto a sua história perder o fio condutor com que se iniciou em busca sabe-se lá de quê, ficando assim longe das altas missões e das mensagens escritas e de voz que o líder do jogo vai enviando aos seus bons jogadores que tudo fazem para triunfar no difícil mundo onde a realidade pode ser alterada por quem consegue liderar e mudar um acontecimento.

O Jogo tinha tudo para poder dizer que é um livro promissor, mas deixou muito a desejar! Tendo uma escrita de leitura fácil e uma história corrida, o que correu mal foi mesmo o caminho percorrido pelas personagens que fugiram do processo inicial que conseguiu cativar, ao contrário do que aconteceu depois!

Sinopse: Henrik Pettersson, «HP», encontra acidentalmente um telemóvel que o convida a entrar num jogo de realidade alternativa. Passado o teste de admissão, começa a receber uma grande variedade de missões emocionantes, todas elas filmadas e avaliadas secretamente. HP deixa-se imediatamente conquistar por este jogo, mas não tarda a perceber que ele não é tão inocente como a princípio parecia. A inspetora da polícia Rebecca Normén é o oposto de HP. É uma mulher com perfeito controlo da sua vida e uma carreira ambiciosa em ascensão. Tudo seria perfeito não fosse o bilhete escrito à mão que ela encontra no seu cacifo. Seja quem for que o escreveu, sabe demais acerca do seu passado. Os mundos de HP e Rebecca aproximam-se inevitavelmente um do outro. Mas se a realidade é apenas um jogo, então o que é real?

As críticas ao Somos Portugal

17.02.14Publicado por O Informador

A TVI começou há quase dois anos a transmitir aos Domingos o programa Somos Portugal, tendo rapidamente conseguido alcançar a liderança nas tardes da televisão generalista nacional, fazendo até com que a RTP cria-se um programa semelhante para o Sábado e a SIC ataca-se também com uma cópia imperfeita como concorrência direta ao formato do canal de Queluz. Desde o arranque do Somos Portugal que muitas criticas pelas redes sociais e fóruns têm surgido acerca do mesmo ser opção por parte da direcção do canal por ter sido retirado do ar o cinema que transmitia para colocar festas pimba. A questão que lanço aqui é... Se este produto é líder e quem gosta de bons filmes e séries opta pelos canais de cabo, qual a razão de tanta crítica a um formato vencedor?

O Somos Portugal é líder absoluto, sem oscilações e sem concorrência à altura desde as primeiras emissões, tornou-se um produto bem rentável no que toca aos valores que o canal alcança também a nível financeiro pelos valores avultados que as chamadas de participação no passatempo lhe dão, relançou novos rostos na apresentação que agora são acarinhados pelo público, tem apoiado a música nacional. Então o que fazer? Quando um formato não resulta mais cedo ou mais tarde o mesmo é retirado da grelha do canal onde é aposta, mas se isto é sucesso, já se tornou num hábito do público, soma bons resultados dentro e fora do ecrã, então qual a razão que levaria a optarem por o tirarem do ar para recolarem cinema que muitas vezes perdia audiências para os outros canais e que não lhes dava assim tanto lucro directo? Nenhuma mesmo!

O Somos Portugal começou bem, continua bem e pelo que sei tem estadia marcada nas tardes dominicais da TVI até pelo menos ao final de 2015, como tal, não vale a pena continuarem a criticar por este programa ser uma má aposta porque o mesmo irá continuar no ar e enquanto for líder e rentável não sairá tão cedo de antena nem mudará o estilo com que habitou os seus espetadores ao longo dos dois anos de emissões. Quem quer ver outras coisas tem os canais alternativos, a internet cada vez mais competitiva para com a caixinha mágica, bons livros para ler e mil e uma coisas para fazer!

O Somos Portugal é o programa do povo e tem sido isso que lhe tem garantido o sucesso, confirmando a ideia que defendo sobre o motivo que leva muitos a dizerem raios e coriscos sobre um formato que dizem não ver e depois o mesmo ter altos valores e essas mesmas pessoas saberem o que por lá aconteceu! Todos o vêem, mas poucos o admitem... Os portugueses são assim, um povo que adora esconder a sua realidade!

O banho no hotel

17.02.14Publicado por O Informador

Tudo tem corrido bem neste fim-de-semana de trabalho pela zona do Porto e até agora somente uma coisa não está totalmente de acordo com as minhas preferências na estadia... O banho no hotel!

Então não é que quando chega a hora do banho a água tão depressa sai gelada como logo de seguida, e sem nada o prever, aparece a escaldar a ponto de se ter que sair quase da banheira? O problema não é do meu quarto porque tudo indica que todo o hotel tem tais condições de banho, mas tenham dó!

Da primeira vez não sabia, regulei a água e quando dei por isso a mesma arrefeceu e ficou em modo gelado. Desliguei e voltei a regular e fez-se o inesperado, a água a ferver apareceu e por pouco não me queimou de tão forte!

A hora do banho por este hotel é algo que não resulta lá muito bem por não se poder estar à-vontade sempre com a mesma temperatura a cair sobre o corpo. Nem tudo consegue ser perfeito, não é? Desta vez tem sido mesmo somente este o problema e é por isso que não revelo o nome do edifício que me tem acolhido por estes dias!

Grande Aventura dos Livros Grátis da Presença!

16.02.14Publicado por O Informador

A Editorial Presença tem por vezes algumas ideias que conseguem surpreender os seus leitores e desta vez lançou a Grande Aventura dos Livros Grátis da Presença! para poder oferecer aos seus leitores livros grátis através de um simples jogo online com direito a partilha pelas redes sociais!

Através do link - http://livrosgratis.presenca.pt/70272 - encontra-se a página que dá acesso a este desafio literário composto por umas etapas que vão fornecendo pontos que podem ser trocados por livros. Respondendo a simples questões de escolha através de pontuação e da partilha pelas redes sociais do link do mesmo passatempo, é possível ganhar até três livros lançados pela editora e recebê-los quase de forma grátis em sua casa.

Eu já joguei e ganhei! E tu, do que estás à espera?!

Domingo de trabalho

16.02.14Publicado por O Informador

Já é habitual, por fazer parte do meu horário, trabalhar ao Sábado, mas esta semana o Domingo também faz parte das minhas funções enquanto empregado. O descanso ficou em pensamento e pronto, estou a acordar para mais um dia parecido com tantos outros, só que num lugar diferente, na zona Norte do país e também num dia em que o trabalho não costuma fazer parte dos meus planos!

Este fim-de-semana vim em trabalho até à zona do Porto e por aqui estou, a abrir a pestana, quando poderia estar em casa, a dormir por mais uma horas e a aproveitar este dia que psicologicamente é o que sabe melhor quando se está fora do trabalho. As mudanças na empresa têm acontecido, os meus serviços têm sido necessários por outras bandas e cá estou eu, pronto para as novas conquistas e desafios.

Um fim-de-semana à portuense, com colegas que já não via há algum tempo, a ensinar e a receber aprendizagem. Nos próximos dias continuarei por aqui, em trabalho, sem saber ao certo quando o regresso a casa acontece! Quanto ao descanso, esse ficará só mesmo em pensamento, por enquanto!

Vencedores do Passatempo – Grande Revista à Portuguesa [13ªEdição]

15.02.14Publicado por O Informador

Pela décima terceira vez O Informador lançou um passatempo para atribuir bilhetes duplos do espetáculo Grande Revista à Portuguesa, em cena no Teatro Politeama há vários meses e com estadia prolongada até ao final de Fevereiro. Chegou agora a altura de revelar a lista dos vencedores que irão poder ver, no dia de hoje, 15, pelas 21h30, ou amanhã, pelas 17h, esta produção de Filipe La Féria.

Eis os nomes dos dez comentadores mais rápidos e que agarraram assim a oportunidade de poderem estar na sala lisboeta a assistirem ao espetáculo encabeçado por João Baião, Marina Mota, Ricardo Castro, Rui Andrade e Vanessa Silva, estando Maria Vieira afastada por tempo indeterminado do palco do Politeama devido a um acidente rodoviário.

Sábado:

Lucia Amaro

Joana Amaro

Deolinda Amaro

Mariana Sá

Mafalda Loureiro

Domingo:

Maria do Céu Pires

Maria Oliveira Ribeiro

Rui Viegas

Cristina Viegas

Ana Margarida Lopes

Parabéns aos dez vencedores e um bom espetáculo a todos! Quanto aos leitores que também queriam ter tal oportunidade, fiquem atentos porque pelo blogue existem neste momento outras oportunidades teatrais e não só à vossa espera!

Dia dos Namorados... Um Hotel... Uma Pessoa!

15.02.14Publicado por O Informador

O que aconteceu na noite celebrativa do dia dos namorados, o momento em que deveria passar o serão bem acompanhado com a pessoa que amo? Depois de um dia de trabalho fora do normal e longe de casa, seguiu-se um jantar a três, com patrão e colega, uma saída ao Casino da Póvoa e o regresso ao hotel para uma noite que poderia ter sido romântica onde o amor só andou mesmo no ar em pensamento e através do visionamento dos apaixonados casais que se cruzaram comigo e encheram todos os restaurantes da zona!

Estou aqui, a esta hora, a escrever com a televisão ligada, com um quarto de hotel com cama de casal e tudo ao dispor, tirando a companhia do coração que está longe! Pois, está a quase quatro horas de distância, a dormir na sua cama, sem me ter visto e onde só o telemóvel nos conseguiu unir neste dia dos namorados!

Por estes dias posso dizer que tenho um quarto de hotel para duas pessoas mas onde só uma marcou presença, o que me acaba por deixar triste.. Odeio dormir fora de casa, num sítio assim, e longe das pessoas que mais amo. A vida é feita de sacrifícios e este é mais um!

Resta-me agora dizer «olá!» à cama que me espera pelos próximos dias! E um «até já» a quem leu este texto!

Pombo correio sem moda

14.02.14Publicado por O Informador

Encontrar o paradeiro da correspondência e perceber que nem sempre se consegue alcançar a resposta que se quer acontece a quem se julga o melhor. Depois e porque pode existir o momento da recusa e de obter más palavras do outro lado devido ao comportamento que se tem tido, opta-se por tentar encontrar pombos correio para conseguir saber o que se quer. Então, os melhores precisam de disfarces para perceberem o que se passa com os outros?

Qual a necessidade de não se enfrentar cara-a-cara alguém que nem faz mal e que talvez precise de ajude na vida? Perguntar a quem está à volta o que se anda a passar só porque se tem vergonha ou preferir esconder o seu interesse em alguma história é feio. Torna-se um mau momento quando chegam ao pé de ti e perguntam-te o que se passa com uma pessoa, isto porque os cuscos não conseguem ter a dignidade de colocarem uma simples questão à identidade sobre quem sentem alguma curiosidade, por acharem que são melhores que qualquer um e que não querem saber de ninguém.

A preocupação existe e há que respeitar as pessoas quando estas não estão bem, precisando do seu espaço e depois ficava sempre bem aos curiosos frustrados enfrentarem alguém, questionando e apoiando nos bons e maus momentos, mesmo que todos se mostrem fortes e incapazes de quebrarem barreiras por se acharem os supra poderosos donos do mundo e da razão.

Quem precisa de pombos correio nesta vida de merda? Os conquistadores que ao fim e ao cabo ficam sozinhos pelo mundo por serem postes com falta de sentimentos e identidade própria, recorrendo às questões fúteis sobre a vida do lado para tentarem pescar o que tanto lhes anda a fazer comichão e que não conseguem admitir.

Eles precisam da sociedade mas preferem andar sozinhos e a pensarem na vida de cada um a chegarem-se a quem desejam, seja pelo bem ou pelo mal, isto porque se querem mostrar os reis, aqueles que conseguem ser felizes com a solidão e que não gostam de mostrar preocupação para com os outros, fazendo o recurso ao diz que diz para conseguirem perceber o que tanto querem sobre quem lhes faz moça.

O uso do pombo correio está tão fora na época das redes sociais!

Para Ti... Amor

14.02.14Publicado por O Informador
https://www.youtube.com/watch?v=orlFqGXFz_I

Hoje não consigo estar contigo neste dia que é nosso e de todos os apaixonados do mundo! Penso em ti, vivo contigo e amo-te, tendo-te sempre no meu coração!

O Amor é o que me deixa sem palavras, sem reacção e sem pensamentos que consigam ser expressos, mas deixa-me dizer que te amo, que penso em ti a toda a hora, com os instantes a passarem com a maior da rapidez. Como a letra da canção diz, gostar de ti acalma-me e ajuda-me a ultrapassar o dia-a-dia com um outro estado de espírito, ficando bem, estando apaixonado e com o coração ocupado e protegido.

Gosto de ti desde o primeiro dia, não sou fácil, não és a pessoa exemplar, completamos-nos e é por esse encaixe que te quero comigo, que te desejo e te procuro.

Ontem, hoje e amanhã... Amo-te!

PS - Sabes que não sou muito bom com palavras no que toca a este tema, mas pronto, foi o que arranjaste, agora aguenta-te. Já agora, desculpa esta ausência da tua presença logo por estes dias!

Passatempo – Grande Revista à Portuguesa [13ªEdição]

13.02.14Publicado por O Informador

Grande Revista à PortuguesaO Informador e as Produções Filipe La Féria têm o prazer de estarem juntos pela décima terceira vez para oferecerem dez convites duplos de Grande Revista à Portuguesa, que estará em cena até pelo menos ao final de Fevereiro no Teatro Politeama. Quem quiser passar o serão de Sábado, 15 de Fevereiro, ou a tarde de Domingo, 16, a assistir à Grande Revista à Portuguesa tem aqui a sua oportunidade!

Numa produção de Filipe La Féria e com o elenco composto por Marina Mota, João Baião, Maria Vieira, que se encontra neste momento longe do palco devido a um acidente rodoviário que a afastou do trabalho por uns tempos, Vanessa Silva, Ricardo Castro, Rui Andrade, Patrícia Resende, Bruna Andrade, Filipe Albuquerque e Adriana Faria, este é um grande espetáculo que já se encontra em palco há vários meses e sempre com sala cheia.

Para poderes ganhar um dos dez convites duplos, cinco para Sábado, às 21h30, e os outros cinco para as 17h00 de Domingo, que tenho para oferecer, só tens que copiar uma das frases que se segue, consoante o dia em que preferes assistir ao espetáculo, colocá-la como comentário a este texto e ser um dos cinco primeiros comentadores para cada dia. A par disso, e para te sagrares vencedor, tens também que ser seguidor do blogue pelo Facebook e compartilhar a mesma página pelo teu perfil. Depois é só estares atento ao email porque será por essa via que entrarei em contacto com os vencedores, explicando o processamento do levantamento do seu convite. Ao longo do dia 15 publicarei a lista de vencedores deste passatempo num novo texto. Lembro que os bilhetes terão que ser levantados pelas pessoas que participaram no passatempo, não sendo facultados a outros e também a nulidade dos comentários de pessoas que tenham concorrido e vencido no último mês para obterem convites do mesmo espetáculo!

«Sábado irei assistir à Grande Revista à Portuguesa!»

«Domingo irei assistir à Grande Revista à Portuguesa!»

Boa sorte e não percas tempo, porque só os primeiros dez comentadores válidos serão os triunfadores! Até já!

Apresentação de Grande Revista à Portuguesa…

No ano do centenário do Teatro Politeama, vinte anos depois de “Passa Por Mim No Rossio”, La Féria volta à Revista numa homenagem ao Teatro mais popular e da preferência dos portugueses. Com texto, música, encenação e cenografia de Filipe La Féria, figurinos de José Costa Reis, direcção musical do Maestro Mário Rui, coreografia de Marco Mercier e direcção vocal de Tiago Isidro a “Grande Revista à Portuguesa” reúne um elenco de primeiras figuras muito queridas do público. Marina Mota, a Rainha da revista à portuguesa, regressa ao teatro em números que ficarão históricos pela sua graça e talento ao lado de João Baião que irá mostrar a sua versatilidade numa exibição das suas multifacetadas qualidades de actor, cantor e bailarino. Outro regresso ao Teatro é o de Maria Vieira, após uma ausência no Brasil de três anos e que reaparece no auge do seu talento de cómica. Vanessa, a grande revelação do último Rock in Rio e a vencedora de “A Tua Cara Não Me É Estranha” tem a oportunidade de interpretar os momentos mais emocionantes da Revista. Ricardo Castro revela-se um cómico de primeira com caricaturas dos mais conhecidos políticos portugueses. Rui Andrade, Patrícia Resende, Bruna Andrade, Filipe Albuquerque, Adriana Faria encabeçam um grande elenco de bailarinos, músicos, acrobatas e modelos desta mega produção de La Féria.

Vencedores do Passatempo – Grande Revista à Portuguesa [12ªEdição]

13.02.14Publicado por O Informador

O Informador lançou pela décima segunda vez um passatempo para atribuir bilhetes duplos do espetáculo Grande Revista à Portuguesa, em cena no Teatro Politeama há vários meses e com estadia prolongada pelo mês de Fevereiro. Chegou agora a altura de revelar a lista dos vencedores que irão poder ver, no dia de hoje, 13, pelas 21h30, esta produção de Filipe La Féria.

Eis os nomes dos cinco comentadores mais rápidos e que agarraram assim a oportunidade de poderem estar na sala lisboeta a assistirem ao espetáculo encabeçado por João Baião, Marina Mota, Ricardo Castro, Rui Andrade e Vanessa Silva, estando Maria Vieira afastada por tempo indeterminado do palco do Politeama devido a um acidente rodoviário onde partiu duas costelas.

Nelso Resende

Ricardo Fonseca

José Miguel Abrantes

Alexandra Domingues

Vanessa Matos

Parabéns aos quinteto vencedor e um bom espetáculo a todos! Quanto aos leitores que também queriam ter tal oportunidade, fiquem atentos porque em breve novos passatempos teatrais, e não só, irão surgir!

Corpo estático

13.02.14Publicado por O Informador

Existem momentos que não se esperam e colocarem uma questão sem que esteja a contar, sendo quase apanhado de surpresa leva-me a ficar estático e quase sem resposta e reacção. Oh vida, tens que me avisar de certas coisas de antemão, não é verdade?!

Não gosto nada de ser surpreendido com convites que fogem do meu pensamento para os tempos mais próximos e quando me fizeram a proposta para ir para um lugar por uns dias, perdendo as horas de descanso e lazer que já estavam marcadas mentalmente, pareceu-me que o mundo estava a ruir à minha volta, ficando num ambiente onde nem eu próprio me conheci.

A questão foi feita, a resposta foi dada com um «acho que sim», enquanto a mente se preparava para assumir que iria ter de rever os planos para os próximos dias e pronto, lá deixei escapar um «sim» com uma maior convicção, isto depois de voltar a aterrar e de sair do modo gelado com que fiquei por algo que não causa horrores e que só sai dos planos que já tinha pré-feitos sem ter percebido.

Fiquei estático e tacanho, mas logo me recompus!