Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Estou? Está multado!

«Um tipo decide vender o carro e, como já é usual, utiliza o método de colocar um anúncio com o número de telemóvel no vidro traseiro do carro. Dirige-se para o trabalho e conduz muito tranquilamente a 50Km/h. De repente toca o telemóvel: -Bom dia, fala de uma unidade móvel da Brigada de Trânsito da G.N.R. e estamos atrás de si. O senhor não sabe que é proibido atender o telemóvel enquanto conduz? Encoste por favor!»

Encontrei esta anedota pelo mundo facebookiano e achei-lhe graça, como tal decidi partilhá-la por aqui. Fiquei foi com uma dúvida... Será que esta piada é mesmo só uma piada ou aconteceu de verdade? É que se for verdade mostra que o Passos Coelho quando ordena que se arranje dinheiro por todo o lado anda a fazer os serviços de autoridade arranjarem outras formas de caça à multa!

Quem estiver a pensar vender o seu carro e colocar-lhe um anúncio pelos vidros que desligue o telemóvel enquanto conduz ou então deixe-o tocar porque nunca se sabe quem vem atrás de nós pronto para nos multar através da armadilha que o próprio vendedor criou para si!

Dormir para não discutir

A vida nem sempre é fácil de ser levada e existem momentos em que mentalmente preciso de me sentir bem comigo próprio para também poder estar em pleno com os outros. Quando algo não está bem entre mim e as outras pessoas tenho que o resolver porque se não o fizer vou guardando no meu interior e depois quando a bomba rebenta é bem pior para mim, porque digo o que quero e não quero, e para quem me atura. Não vale mais tentar dormir quando se está prestes a ficar nervoso para não se cair no risco de se fazer uma discussão acesa que trará as suas consequências futuras? Aprendi que sim!

Há dias, depois de um assunto de que não gosto falar porque sempre me enervo, acabei por fechar os olhos para descansar a vista e adormeci mesmo. Quando acordei ainda tinha a pessoa com quem estava a ter a conversa por perto, mas o assunto não voltou nas horas seguintes e ainda bem. Optei por me deixar dormir porque sei que me ia chatear se a conversa continuasse naquele momento. Assim conversamos, e embora o resultado não tenha sido conclusivo, por aquelas horas a conversa ficou terminada e não existiu chatice.

Vou começar a adoptar mais vezes esta estratégia para não me irritar tanta vez... Quando tiver prestes a irritar-me, vou dormir para descansar o cérebro e depois lá se resolvem as coisas com mais calma. Porque se começo a irritar-me depois dá chatice, assim se sentir que a irritação está a aparecer, tento dormir e ela desaparece por uns tempos, conversando depois já com as ideias postas no sítio e com mais calma.

Amor de pato

Há dias estava eu com uma parte do meu gang amigável numa esplanada de Alenquer na conversa durante uma boa tarde de sol e eis que somos visitados por um grupo de patos, sim não eram dois nem três, mas para aí uns dez. O que andavam eles a fazerem ali junto das pessoas? Simples, voaram uns metros do rio até ali em busca da pata que todos queriam!

E foi assim, em plena tarde de Primavera, numa esplanada bem instalado, que vi uma pata a ser praticamente violada por uma dezena de patos. Todos a queriam, coitada, ela era uma, eles eram muitos, mas só um (de cada vez) lá se conseguia colocar em cima dela e fazer alguma coisa como as suas intenções mandavam.

Ela coitada bem fugia e mostrava não querer aquele ataque masculino, mas eles não a deixaram em paz assim tão facilmente como se previa. Não sabia uma coisa que fiquei a saber, quando os patos estão a acasalar, ele morde-lhe o pescoço para que ela não consiga fugir de onde está e não resista assim tanto como se estivesse livre. E o mais engraçado ainda é que os outros que não tinham, mas queriam ter, também a mordiam no pescoço para ajudarem o grande herói!

Pobre pata que foi atacada por aqueles machos todos, mas pronto, daqui a umas semanas lá deverá colocar uns ovos que irão trazer novas crias para que o nosso rio de Alenquer continue a ser habitado pela pataria que já faz sucesso entre a população do concelho e seus visitantes.

Quantas mulheres não dariam tudo para ter tantos homens atrás de si e nem um conseguem ter? Aquela tinha logo dez e não queria nenhum!

Roberto Zucco

A Formação Teatral apresenta Roberto Zucco e O Informador esteve na plateia para ver a turma de 2012/2013 a mostrar o que foi adquirindo nos últimos meses de aprendizagem. No geral, estão aprovados, embora ainda exista muito para se trabalhar com alguns dos jovens atores que estão a estudar para se transformarem em nomes do teatro.

Roberto Zucco, a personagem central deste enredo é apresentado como um assassino que matou o pai e posteriormente, e já em cena, a mãe. Sendo uma pessoa solitária, inteligente e indiferente aos outros, Zucco tem medo da sociedade que o aterroriza no dia-a-dia. A morte ronda esta personagem, seja porque a comete, seja com medo que a própria morte o ataque.

As fugas, o entrar e sair em vários locais onde outras personagens se cruzam consigo, mostrando-lhe a realidade que é vivida e que tanto teme, sendo também mostrado por essas personagens que o medo atormenta tudo e todos e não apenas este Zucco que é uma representação da sociedade que o criou.

Uma família com os seus problemas com o álcool, a virgindade, a prostituição, a protecção familiar, as forças de autoridade, mas acima de tudo, as pessoas que sentem medo de morrer mas que não o demonstram. Roberto Zucco mata para conseguir ultrapassar os seus obstáculos do momento, mas a prisão persegue-o. No entanto e no final, com a queda de todas as outras pessoas que enfrentaram Zucco de algum modo, este liberta-se para a vida com energia, vitalidade e força de espírito.

Mário Trigo é o encenador de Roberto Zucco, tendo esta peça os actores, André Filipe, Andreia Lima, Andreia Susano, Beatriz Oliveira, Gonçalo Romão, Jaqueline Rodrigues, João Cruz, Patrícia Leal, Paula Pereira, Pedro A. Rodrigues, Pedro Pais, Pedro Paz, Rui Raposo e Telma Grova. Eu vi este trabalho no Centro Cultural Franciscano no Largo da Luz, em Lisboa, mas o Clube Estefânia e o Teatro Bocage também já a receberam.

Para quem quiser saber um pouco mais sobre este grupo intitulado de Formação Teatral pode consultar o seu blog em http://www.formacaoteatral.blogspot.pt/.

Roberto Zucco

Feira do livro sem fatura

Chegou-me aos ouvidos que numa feira do livro que foi realizada numa biblioteca pública do nosso país, as faturas ou o talão de compra eram inexistentes. Então a função pública não dá o exemplo do que é pedido a todos os cidadãos deste país?

Vamos a um café e somos obrigados a trazer o talão com ou sem o nosso contribuinte com o que consumimos. Mas depois vamos a uma feira do livro, dentro de um edifício municipal e organizada pelo pelouro da cultura, compramos alguns livros, saímos com umas boas leituras, com menos dinheiro, mas sem o comprovativo do nosso pagamento.

As coisas no nosso país nunca correram bem e nunca vão correr. Se a função pública é a própria a fugir às obrigações a que todos somos obrigados como é que depois querem fazer com que as empresas privadas façam tudo certo?

Se quem tem de dar o exemplo não o faz, por que razão os outros o terão que fazer? Estas autarquias não concordam é com as medidas do governo e devem fazer que nem sabem das novas leis que foram implementadas, já que o partido até é o do adversário... Vamos longe assim!

Endometriose

EndometrioseA Endometriose é uma doença muito comum que afecta 1 em cada 6 mulheres que estão na idade reprodutora. Cerca de 80% destas mulheres apresentam como principal sintoma a Dor. As restantes 20% apresentam em primeiro lugar infertilidade.

Esta é uma doença feminina socialmente expressiva devido ao impacto que causa na vida da mulher, no entanto, é ainda muito pouco conhecida e divulgada em Portugal. Para além do desconhecimento da sociedade de um modo geral, são poucos os especialistas devidamente qualificados para lidar com esta patologia o que leva a que em média o seu diagnóstico demore cerca de 8 anos.

O endométrio é a parte do revestimento interno do útero que no ciclo menstrual sofre um processo cíclico de regeneração e descamação provocando a menstruação. Quando as células que compõem o endométrio se encontram fora da parte interna do útero e se implantam noutros locais dá-se o processo de Endometriose.

A Endometriose é uma doença progressiva que pode levar ao mau funcionamento de vários órgãos  e provocar quadros de dor muito elevados o que impede muitas mulheres de fazerem a sua vida de forma normal. 

Quando a Endometriose está num estado inicial estas alterações são sentidas com mais intensidade apenas durante o período menstrual, no entanto, com o passar dos anos e o evoluir da doença são muitos os casos em que a mulheres sentem alterações e perdem a sua qualidade de vida antes, durante e após a menstruação.

Sintomas

Dor abdominal

Esta dor pode ser sentida antes, durante e após a menstruação. Na maioria dos casos são dores muito fortes, que causam muito desconforto e que muitas vezes impedem a mulher de estar na posição vertical, sentido necessidade de se "encolher" ou deitar na posição "fetal".

Alterações intestinais

Um dos muitos sintomas da Endometriose são as alterações intestinais. As alterações referidas podem variar entre estados de diarreia e obstipação. São muitos os casos em que os dois sintomas aparecem no mesmo dia, com diferença de poucas horas. Este sintomas são geralmente acompanhados de cólicas fortes. Para além do referido, em algumas mulheres ocorre libertação de muco intestinal que é também muito incomodativo, bem como de sangue nas fezes.

Dor nas relações sexuais 

Infelizmente, o acto sexual nem sempre é sinónimo de prazer. Para muitas das portadoras de Endometriose a dor durante as relações sexuais é bastante comum. A dor profunda e intensa na penetração deve-se essencialmente à existência de tumores de Endometriose no septo recto-vaginal ou nos ligamentos útero-sagrados (ligamentos posteriores do útero). Nas mulheres que também sofrem igualmente de síndrome do cólon irritável a dipareunia é um dos sintomas típicos.                                                                                             

Cansaço extremo

São muitas as mulheres com Endometriose que se queixam de cansaço anormal e injustificado. Um sono pouco reparador que leva a "acordar já cansada", sensação de corpo quebrado e pernas muito pesadas sem um motivo aparente são apenas algumas das queixas referidas pelas pacientes com Endometriose. Existem vários casos em que associada à Endometriose surge a Fibromialgia, não havendo ainda muitos estudos significativos neste campo.

Menstruação Abundante e Irregular Muitas das mulheres com Endometriose que não tomam a pílula anti-concepcional nem usam qualquer dispositivo, apresentam uma menstruação com um fluxo demasiado abundante que dura vários dias. São também vários os casos em que o período menstrual é muito irregular, chegando a mulher com Endometriose a não menstruar durante dois meses.

Problemas de Rins/ Bexiga A Endometriose pode também causar alterações ao nível da bexiga e dos rins. Infeções urinárias frequentes, com possível sangramento na urina (hematúria), durante ou fora do período menstrual e dor ao urinar (disúria) são os sintomas mais frequentes. Estes sintomas podem ser acompanhados de febre moderada. Estas alterações são muitas vezes descritas como "peso nos rins". Em casos menos frequentes a endometriose ao invadir os ureteres, pode levar à paragem total e irrecuperável dos rins.

Falta de apetite/Enjoos Durante o período menstrual para as mulheres que sofrem de Endometriose, é também normal sentir alguns enjoos e perder o apetite. Ambas as alterações podem ser consequência das fortes dores provocadas pelos sintomas anteriormente referidos. 

Infertilidade

Apesar de ainda tão desconhecida a Endometriose é uma das maiores causas de Infertilidade feminina. Muitos são os casos em que a Endometriose só é diagnosticada após a procura da causa da infertilidade. 

Outros sintomas Para além de todos os sintomas abordados anteriormente, algumas mulheres apresentam ainda barriga inchada, dores/picadas nos ombros, dificuldades respiratórias e ciatalgias.

Ausência de Sintomas

É de salientar ainda que, enquanto a grande maioria das mulheres que sofre de Endometriose apresenta grande parte dos sintomas referidos há uma pequena percentagem que, de forma inexplicável, não apresenta qualquer sintoma.

Para além da dor física as mulheres portadoras de Endometriose apresentam um sofrimento psicológico muito elevado. Sendo esta uma doença desconhecida e pouco valorizada pela sociedade de um modo geral, as suas portadoras são pouco compreendidas pelos seus familiares e amigos. 

São ainda muitos os casos em que estas mulheres para além de viverem com dores agonizantes, se vêm obrigadas a “saltar” de médico em médico na procura de um diagnóstico e de respostas para um quadro que nada tem de normal, como muitos afirmam.

Diagnóstico

A Endometriose pode ser diagnosticada com o auxilio de alguns exames específicos tais como Ressonância Magnética, Clister Opaco ou Colonoscopia, Ecografia Pélvia, entre outros. Normalmente os exames são prescritos tendo em conta os sintomas apresentados pela doente.

Sendo esta uma doença que pode ser controlada quando diagnosticada, seja por via cirúrgica ou medicamentosa, é importante estar atento aos seus sinais, dar-lhes o devido valor e consultar um especialista na doença.

Todo este texto não é da autoria d' O Informador, tendo sido publicado neste espaço a pedido do blog MulherEndo, e como não custa nada ajudar a passar a mensagem, fica aqui o meu contributo para que as minhas leitoras possam estar alerta e saber um pouco mais sobre esta doença feminina e de que ainda pouco se fala. Se clicarem no nome do blog poderão saber ainda mais sobre o que é a Endometriose, podendo colocar várias questões a quem percebe do assunto!

Tardes quentes

Com o sol a espreitar e a trazer consigo o verdadeiro espírito de Primavera/Verão, as tardes ganham outro sentido, o da vontade em que nos dias livres essas horas sejam passadas numa boa esplanada, com um livro/tablet/telemóvel e em boa companhia. 

O regresso do sol em boas doses dá mesmo vontade para se poderem passar algumas horas à conversa a desfrutar do prazer do tempo quente com a leitura e a tecnologia também ao alcance das nossas mãos. A partir de agora os meus dias de folga ganham outra vida, isto porque sei que os consigo aproveitar de outra forma.

Agora os meus dias livres serão passados também para desfrutar dos raios de sol. E viva o tempo quente!

Vou ler A Lacuna

A LacunaHá uns meses comprei na Fnac e em preço reduzido o livro A Lacuna, lançado em Portugal pela editora Clube do Autor e da autoria de Barbara Kingsolver. Agora e umas boas semanas depois vou começar a leitura deste livro vencedor do Orange Prize em 2010, sendo também destacado como o Melhor Livro do Ano pelo New York Times.

Sinopse: México, 1935. Harrison Sheperd trabalha em casa do muralista Diego Rivera e da sua mulher, Frida Kahlo, com quem estabelece uma amizade profunda e duradoura. Por vezes cozinheiro, outras vezes secretário, mas sempre observador, o jovem regista todas as suas experiências em diários e cadernos. Quando o líder bolchevique Trotsky se refugia em casa dos artistas, Sheperd vê-se inadvertidamente impelido por ele e o seu objectivo de levar uma vida invisível fica pelo caminho. Mais tarde, de volta aos Estados Unidos, onde nasceu, Shepaerd acredita que se pode recriar e reclamar a sua própria voz enquanto autor de romances históricos. Inesperadamente, vê-se vítima de um rumor, numa época dominada pela "caça às bruxas", que pode colocar a sua vida em risco… Um poderoso e importante romance acerca da identidade, da nossa ligação ao passado e do poder criativo e destrutivo das palavras. Ganhou o Orange Prize for Fiction e foi também finalista do PEN/FaulknerAward.

Quando comprei este livro pensei que o iria ler passados uns dias e o que me chamou a atenção para o trazer comigo foi o de ter sido premiado e o de também estar a um bom preço. Já em casa e nessa altura achei que não estaria preparado para ler uma história pesada como esta me parece ser, mas agora chegou o momento, como tal, lá me vou eu atirar para esta Lacuna e depois contarei o que achei.

Passatempo - Cartas

NOC TeatroO Informador foi ver a peça Cartas e agora em parceria com a Companhia de Teatro NOC vou oferecer dois bilhetes duplos para a mesma. Em colaboração com esta companhia de teatro que se encontra em cena no Centro Cultural Padre Carlos Alberto Guimarães, em Lisboa, com a peça Cartas, tenho assim para oferecer dois bilhetes duplos para a sessão de Sábado, 04, pelas 21h30.

Com Marta Pires e Raquel Leão em palco, e um texto criado também pelas duas jovens atrizes, esta peça mostra ao público como cada um pode ser e pensar, longe dos outros e como pode demonstrar através da escrita o que sente e o que quer viver. Em resumo, posso dizer que não sabia nada de nada sobre o que ia assistir neste espetáculo e sai deliciado e envolvido com tudo o que pude ver e presenciar, como tal, só posso aconselhar esta peça. Não me quero alongar mais com o comentário sobre este trabalho porque isso já o fiz e agora só quero mesmo é poder oferecer estes bilhetes duplos para que quem segue este meu blog possa também ver Cartas.

Quem quiser concorrer a este passatempo só tem que copiar a frase que se segue e colocá-la como comentário a este texto até às 20h00 de Quinta-feira, dia 2 de Maio. A par disso terão que fazer Gosto nas páginas de Facebook d’ O Informador e da Companhia de Teatro NOC.

«O Informador e o NOC levam-me a ver a peça Cartas!»

Depois e ainda na quinta-feira, por volta das 20h30, e através do sistema random.org, revelarei o nome dos dois vencedores dos bilhetes duplos que vão poder ir ver a peça Cartas, no Centro Cultural Padre Carlos Alberto Guimarães [Rua dos Lagares D`EL Rei, nº23], em Lisboa, no dia 4, há noite, e em boa companhia.

Por agora resta-me desejar boa sorte a todos os participantes!

Paladar sonhador

Não me é costume isto acontecer, mas ontem à noite, estava eu nas minhas leituras e começou um certo sabor a aparecer-me na boca, assim do nada, e foi tão bom!...

Assim de repente comecei a ter o sabor de papa de frutos na minha boca, sem nada o prever, e assim mesmo do nada. Nem estava a pensar em comida, nem li nada que me fizesse levar a tal, mas de repente comecei a sentir aquele sabor e depois deixei-me ficar a saborear aquela sensação imaginativa.

Eu comia papa quando era pequeno e depois de vez em quando, assim quando estou de férias ou de fim-de-semana prolongado ainda gosto de tomar um pequeno-almoço mais demorado e por vezes recorro a flocos de cereais ou mesmo a esta delícia, mas há anos, mesmo há muitos, que não como papa de frutas.

Aquele sabor veio até mim e agora tenho que ir ao supermercado fazer uma comprinha para poder passar da imaginação à realidade. Hum, que delícia que me veio provocar a mente!

Ler com gosto ou não

Existem vários estados de espírito que nos mudam a forma como encaramos a leitura de um livro e também existe o facto de se gostar ou não do que se está a ler e isso influenciar a rapidez com que se entra na história e a queremos terminar para saber como tudo termina.

No entanto, também podemos passar o mesmo tempo a ler um livro de que gostamos e a ler um que não liguemos tanto e no fim perceber que conseguimos despachar bem mais páginas quando estamos a gostar do que quando não gostamos e fazemos o esforço. 

Eu não gosto de deixar livros a meio, mesmo que não goste do que estou a ler, tento ao máximo ir até ao fim para ficar o assunto arrumado, mas noto, cada vez mais, que demoro bem mais tempo a ler o que não gosto do que o contrário. Falo mesmo em matéria de comparação entre o número de páginas e os minutos. Posso estar durante dez minutos a ler um livro, com o mesmo tipo de letra que o outro, a mesma quantidade de palavras por página, mas no fim percebo bem que quando estou a ter uma leitura que não me entusiasma, demoro bem mais tempo a ler e talvez o que consigo ler em dez minutos quando gosto não o consiga fazer quando não gosto, precisando de mais uns minutos.

O meu cérebro parece que bloqueia a capacidade de raciocínio e concentração quando não estou a gostar do que estou a fazer. Quando se fazem as coisas de forma contrariada é o que dá!

Voltar a viver

Alex é um homem bem sucedido nos negócios. Ao seu lado tem tido a sua mulher, Faith. Mas ao fim de vários anos de casamento e com as suas filhas já fora de casa, o casal, que sempre esteve bem, começa com os seus problemas conjugais e de entendimento. Existirá motivo maior para duas pessoas estarem juntas só porque sim, remetendo-se à vontade um do outro sem mostrarem o que verdadeiramente querem?

Com as duas filhas já adultas e sem precisarem dos cuidados maternos, Faith percebe que a vida que foi tendo sempre girou em torno do seu marido e filhas. E agora que só lhe resta um marido que mal lhe liga, o que fazer com o seu próprio futuro?

Perto dos cinquenta anos é sempre tempo para se voltar a viver, isto para quem perdeu a maior parte da sua vida por dedicação aos outros e é este o lema que me tem feito reflectir o livro Preces Atendidas de Danielle Steel e de onde fiz este pequeno resumo sobre o casal Alex e Faith. Como é que as pessoas se deixam levar pela vontade dos outros sem pensarem primeiro em si mesmas?

Faith, neste caso, sempre se dedicou à sua vida familiar, depois e quando está a chegar aos cinquenta anos percebe que perdeu a sua própria existência em função dos outros. Se por um lado tem o desejo de tudo mudar e lutar pelo que quer, por outro existe a pressão de quem ainda vive ao seu lado, que está habituado a chegar a casa e ter tudo feito e ao seu dispor, sem ter que se preocupar com nada.

Uma relação, seja ela com a duração que tiver, não serve para a ajuda e bem-estar das duas partes? Numa relação não se tem que querer que o outro esteja bem e se sinta realizado com o que tem e faz? Quem manda e tem por hábito sentir-se o líder não aceita ser enfrentado, mas para que duas pessoas estejam felizes tem de existir vontade dos dois e não apenas de um, não podendo existir o poderoso e o cão de guarda.

Não aceito que as pessoas se rebaixem a favor e a pensar nos outros. Nunca é tarde para se voltar a viver quando se andou de olhos fechados para o mundo e para o que ele tem para nos dar.

Faith acordou, mas muitas pessoas por esse mundo fora vivem em função de outras e não têm a sua própria vida. Existem muitos Alex's por aí, infelizmente, porque as ideias retrogradas nunca vão desaparecer da nossa sociedade machista.

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-me...

Facebook ___________________________________________________________ Instagram ___________________________________________________________ Twitter ___________________________________________________________ Pinterest Visita o perfil de O Informador no Pinterest. ___________________________________________________________ Goodreads
Envelhenescer
Três Homens Num Barco
Confissões de Inverno
O Templário Negro
Larga quem não te agarra
As Desaparecidas
Sentir
A Livraria
A Magia do Acaso
Hotel Vendôme
A Química
Não Gosto de Segundas Feiras
___________________________________________________________ BlogsPortugal
___________________________________________________________ Bloglovin Follow _____________________________________________________

 Subscreve O Informador

Mensagens

Comentários recentes

  • O Informador

    Existem os leitores do fast-food e os que gostam d...

  • Psicogata

    Afinal do que gostam os leitores? É a pergunta de ...

  • O Informador

    O que me faz uma certa confusão é ver que alguns d...

  • Psicogata

    Na minha opinião é a atitude correta e acima de tu...

  • O Informador

    Uma questão de não terem noção que estando a menti...

Atual Leitura

_________________________________________________________

Parceiros Literários

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Espaço Cultural

_______________________________________________